resumo

Capítulo I Esclarecimentos introdutórios.

Nota preliminar: o texto oficial é apenas o em italiano, as várias versões em outros idiomas são traduções automáticas neurais.

No início de nossa caminhada oramos como os israelitas oraram no início de sua caminhada no deserto "Levanta-te, Senhor,
e que os teus inimigos sejam dispersos e aqueles que te odeiam fujam de ti”. (Salmo 67 (68) cf. Números 10,35)

Que Satanás não seja meu guia, a sagrada Cruz seja luz para mim.

Rezemos novamente: “Que Deus me conceda falar com inteligência e refletir de maneira digna dos dons recebidos, porque Ele mesmo é o guia da sabedoria e dirige os sábios. Em suas mãos estão nós e nossas palavras, todo tipo de conhecimento e toda capacidade operacional.”
(Sab 7,15: 23-XNUMX)

Como visto acima, algumas questões que as pessoas de nosso tempo, especialmente os católicos, se fazem dizem respeito, antes de tudo, à infalibilidade do Papa e à possibilidade de que ele esteja errado, mas também dizem respeito à nossa resposta a possíveis erros do Papa. quer justamente responder a essas perguntas e, assim, quer introduzir o que será dito nos capítulos seguintes.

1) Requer-se a coragem da Verdade.

Em um famoso discurso ao Sagrado Colégio, o Papa Paulo VI afirmou: "... A coragem da verdade é mais do que nunca imposta aos cristãos...
A coragem de anunciar a verdade é também a primeira e indispensável caridade que os pastores de almas devem exercer. (…) A salvação dos homens está em jogo. Por isso... queremos apelar a todos os pastores responsáveis ​​que levantem a voz quando necessário, com o poder do Espírito Santo (cf. At. 1, 8), para esclarecer... para endireitar... para iluminar. . Esta, mais do que nunca, é a hora de clareza para a fé da Igreja”. [1]

A Congregação para a Doutrina da Fé fez eco das palavras do Evangelho ao afirmar: “Disse o Senhor Jesus: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará” (Jo 8). A Escritura nos ordena a praticar a verdade na caridade (cf. Ef 32). "[2]

Num documento da Congregação para a Doutrina da Fé lemos: “A verdade que vos liberta é dom de Jesus Cristo (cf. Jo 8). A busca da verdade é inerente à natureza do homem, enquanto a ignorância o mantém em condição de escravidão. … A libertação da alienação do pecado e da morte realiza-se para o homem quando Cristo, que é a Verdade, se torna para ele o "caminho" (cf. Jo 32, 14). …. Libertou-o também das ciladas do "pai da mentira" (cf. Jo 6) e deu-lhe acesso à sua intimidade para que aí encontre, em superabundância, a plena verdade e a verdadeira liberdade. Este desígnio de amor concebido pelo "Pai da luz" (Jo 8, 44; cf. 1 Pt 17, 1; 2 Jo 9, 1), realizado pelo Filho vencedor da morte (cf. Jo 1, 5) é continuamente tornado real pelo Espírito que guia "a toda a verdade" (Jo 8). ... Assim, graças ao novo nascimento e à unção do Espírito Santo (cf. Jo 36, 16; 13 Jo 3, 5. 1), tornamo-nos o único e novo Povo de Deus que, com diferentes vocações e carismas , tem a missão de preservar e transmitir o dom da verdade. Com efeito, toda a Igreja, como «sal da terra» e «luz do mundo» (cf. Mt 2, 20s.), deve dar testemunho da verdade de Cristo que nos torna livres».[3] O Cardeal Ratzinger escreveu: “Se no passado na apresentação da verdade às vezes a caridade talvez não brilhasse o suficiente, hoje existe um grande perigo de calar ou comprometer a verdade em nome da caridade. Certamente a palavra da verdade pode ferir e ser desconfortável. Mas é o caminho para a cura, para a paz, para a liberdade interior. Uma pastoral que realmente queira ajudar as pessoas deve sempre se basear na verdade. Somente o que é verdadeiro pode, em última análise, também ser pastoral. "Então conhecereis a verdade e a verdade vos libertará" (Jo 8,32). " [4]

Esta Verdade se manifesta na sã doutrina. São Paulo diz muito significativamente em sua carta a Tito: "O bispo, de fato, como administrador de Deus, deve ser irrepreensível: não arrogante, não zangado, não viciado em vinho, não violento, não ganancioso por ganho desonesto, [8] mas hospitaleiro, amante do bem, sensato, justo, piedoso, senhor de si, [9] apegado à doutrina segura, segundo o ensinamento transmitido, para que seja capaz de exortar com sua sã doutrina e refutar os que contradizem. " (Tit 1,7ss)

Um pouco mais adiante o mesmo Apóstolo, na mesma carta afirma: "Portanto, corrigi-os firmemente, para que permaneçam na sã doutrina". (Tito 1,13:XNUMX)

E um pouco mais adiante, na mesma carta lemos: "Mas tu ensinas o que é segundo a sã doutrina .." (Tt 2,1) Na primeira carta a Timóteo s. Paulo afirma: "... Estou convencido de que a lei não é feita para os justos, mas para os iníquos e rebeldes, para os ímpios e pecadores, para os sacrílegos e profanadores, para os parricidas e matricidas, para os homicidas, os fornicadores, pervertidos, traficantes de homens, falsificadores, perjuros e para tudo o que for contrário à sã doutrina..." (1Tm. 1,9s)

Ainda S. Paulo escreve nesta linha: "De fato, chegará o dia em que a sã doutrina não será mais suportada, mas, pelo desejo de ouvir alguma coisa, os homens se cercarão de mestres conforme seus desejos ..." ( 2Tm 4,3)

Precisamente para testemunhar esta Verdade e esta "sã doutrina", muitas vezes incómodas, mas que conduzem à verdadeira cura e paz, só para testemunhar esta Verdade e esta "sã doutrina" que libertam, quis escrever este livro.

2) É necessário que o pastor fale, quando for necessário, e não fique calado.

No livro de Isaías lemos: "Por amor de Sião não me calarei..." (Is. 62,1)

O Evangelho lembra-nos: "Digo-vos que, se estes calarem, as pedras vão chorar"(Lc 19, 40)

Deus nos livre de todo silêncio pecaminoso.

Santo Agostinho afirma: “Ego de rebaptizato diácono nosso silere non possum: schia enim quam mihi silentium perniciosum sit. Non enim cogito in ecclesiasticis honoribus tempora ventosa transigere, sed cogito me princípios pastorum omnium rationem de commissis ovibus redditurum."[5] que traduzido para o italiano significa “não posso ficar calado sobre a repetição do batismo a um de nossos diáconos, porque sei o quão pernicioso o silêncio seria para mim. Na verdade, acho que não vou gastar meu tempo em ofícios eclesiásticos satisfazendo minha vaidade, mas acho que vou prestar contas ao príncipe por todos os pastores das ovelhas que me foram confiadas”. [6] ... Não posso me calar: sei que o silêncio me faz mal, prestarei contas ao príncipe de todos os pastores das ovelhas que me foram confiadas.

São Gregório, na Regra Pastoral afirma: “Quem cuida das almas deve ser discreto no silêncio e ser útil no uso da palavra, não dizer o que deve ser calado e não esconder com silêncio o que deve ser revelado… Muitas vezes, pastores de almas negligentes, com medo de perder o favor popular, não ousam proclamar livremente a verdade; e, como o próprio Cristo nos adverte, eles não guardam o rebanho com o zelo do pastor, mas como mercenários, e fogem quando o lobo chega, escondendo-se em silêncio”. [7]

Eles são repreendidos, diz S novamente. Gregório Magno, de Deus também pelas palavras dos profetas Isaías e Ezequiel: pelas palavras de Isaías que os define como cães mudos (Is. 56,10), incapazes de latir para avisar do perigo, e pelas palavras de Ezequiel (13,5, XNUMX) que os acusa de não terem se oposto aos poderes do mundo com palavras francas para defender o rebanho e de não terem sido firmes na luta para resistir aos ataques dos ímpios por amor de Deus e em particular de sua justiça. [8]

São Gregório Magno acrescenta que a palavra divina reprova ainda mais esses ministros de Deus porque eles não revelam seus pecados aos pecadores quando evitam, pelo silêncio, condenar suas más ações; precisamente para que o ministro de Deus revele os pecados dos ímpios condenando em palavras as suas ações, diz-se na Bíblia que o homem de Deus clama e levanta a voz (cf. Is 58). É óbvio, nesta linha, que quem aceita o ministério de sacerdote aceita ser como um arauto que precede o Juiz, isto é, Deus, que o segue; portanto, o ministro de Deus falha gravemente em seu dever que não levanta a voz para condenar o mal e preparar almas para o julgamento divino; o Espírito Santo desceu em forma de línguas de fogo sobre os primeiros pastores precisamente para mostrar que os capacitava a falar e dizer a verdade para o bem das almas.[9]

3) Legalidade da correção dos superiores

Na caridade é lícito e às vezes só direito manifestar aos Pastores e aos fiéis o que diz respeito ao bem da Igreja, o Código de Direito Canônico afirma de fato: "os fiéis... de maneira proporcional ao conhecimento, competência e prestígio que gozam, ... têm o direito, e às vezes também o dever, de expressar aos sagrados Pastores seus pensamentos sobre o que diz respeito ao bem da Igreja e de dar a conhecer aos outros fiéis ... "[10]. Mais precisamente, como afirma a Correctio Filialis[11] ; tanto a lei natural quanto a lei de Cristo, bem como a lei canônica, permitem que os superiores sejam corrigidos mesmo publicamente. De acordo com a lei natural, os inferiores têm o dever de obedecer aos superiores em todas as coisas previstas na lei, mas têm, por outro lado, o direito de serem governados de acordo com a lei e, portanto, têm o direito de insistir, se houver é qualquer, fosse necessário, para que seus superiores governassem de acordo com a lei. Pela Lei de Cristo, como explica S. Thomas, a correção é uma obra de misericórdia que pertence a todos para com qualquer pessoa, para com a qual devemos ter caridade, quando nela encontramos algo a corrigir; o superior deve ser corrigido com o devido respeito, mas essa correção também pode ser feita publicamente, de fato, aponta Tomás de Aquino, quando houvesse perigo para a fé, os súditos seriam obrigados a censurar seus prelados até publicamente, portanto, s. Paulo, que também era súdito de São Pedro, pelo perigo de escândalo na fé, repreendeu-o publicamente em Antioquia (Gal 2). São Tomás de Aquino observa que esta censura pública de um inferior a um superior era lícita por causa do perigo iminente de escândalo sobre a fé (cf. II-II, q. 33, a. 4 ad 2)

Diz mais precisamente s. Tomás: "... ubi immineret periculum fidei, etiam publice essent praelati a subditis argumentndi." publicamente.

Santo Agostinho comenta Gal. 2 dizendo: “Quanto a Pedro, porém, ele aceitou de bom grado a intervenção de seu repreendedor e para isso bastou-lhe uma única repreensão. Ele não deu, como Cristo, o exemplo de perfeição absoluta, mas certamente deu um exemplo de perfeita humildade. De fato, ele aceitou com alegria a censura de quem não era superior a ele no apostolado, mas inferior. Perdoe-nos o apóstolo Paulo se dissermos que foi fácil fazer o que ele fez, enquanto é difícil fazer o que Pedro fez. … Paulo, portanto, agiu com grande franqueza, Pedro com virtude ainda mais admirável. Quanto à sinceridade, não saberia dizer se é preciso mais notar a falta dos outros do que reconhecer a própria de bom grado.” [12]

As palavras de Cristo em Jo 17 são particularmente esclarecedoras em casos como este: “Santifica-os na verdade. Sua palavra é a verdade. Assim como você me enviou ao mundo, eu também os enviei ao mundo; por eles me consagro, para que também eles sejam consagrados na verdade." (Jo 17,17ss) Em Cristo somos consagrados na Verdade e à Verdade que é Ele mesmo e toda a Trindade, a Verdade é desejada e deve se manifestar em nós! ... Repito: a Verdade é desejada e deve manifestar-se em nós!

De acordo com o Direito Canônico, como se vê nesta linha, "os fiéis [...] de maneira proporcional ao conhecimento, competência e prestígio de que gozam, [...] têm o direito, e às vezes também o dever , para demonstrar aos sagrados Pastores seus pensamentos sobre o que diz respeito ao bem da Igreja e torná-lo conhecido aos outros fiéis ... " [13]

4) O Sumo Pontífice e sua infalibilidade na sã doutrina católica.

a) A Igreja, sua unidade e seus membros.

Falando da unidade da Igreja, o Catecismo Romano afirma: “A primeira propriedade mencionada no Símbolo dos Padres (Nicéni) é a unidade. Está escrito: Uma é minha pomba, uma é minha bela (Ct 6,8). Uma multidão tão grande de homens, espalhada por toda parte, é chamada pelas razões listadas pelo apóstolo aos Efésios; Um é o Senhor, um é a fé, um é o Batismo (Ep 4,5). Um é também seu chefe e moderador: o invisível é Cristo S. N., que o Pai Eterno fez do seu corpo místico cabeça de toda a Igreja (Ep 1,22); e o visível que se senta no trono de Roma como o legítimo sucessor de Pedro, príncipe dos Apóstolos. O consenso dos Padres foi unânime em considerar esta cabeça visível necessária para construir e preservar a unidade da Igreja. São Jerônimo viu isso claramente e escreveu sobre isso nestes termos contra Júpiter: Apenas um é eleito para que, uma vez estabelecida a cabeça, toda ocasião de cisma seja removida (1 Contr. Gioviniano. I, 26). E a Dâmaso: Silencie a inveja, retire a ambição da dignidade romana; Falo com o sucessor do Pescador, com o discípulo da cruz. Não sigo outro senão a Cristo como primeiro líder: mas uno-me em comunhão com a vossa bem-aventurança, isto é, com a cátedra de Pedro, sabendo que a Igreja foi edificada sobre esta rocha. Quem come o cordeiro fora desta casa é um estranho; quem não ficar na arca de Noé perecerá nas águas do dilúvio (Ep 15,2). Há muito tempo Irineu (Contra as heresias 3,3) e Cipriano tinham dito a mesma coisa. Este último, falando da unidade da Igreja, escreve: O Senhor diz a Pedro: Eu, ó Pedro, te digo que tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja. Edifique a Igreja sobre um só; e, embora atribua a todos os apóstolos, após a ressurreição, igual poder e diga: como o Pai me enviou, eu vos envio; receber o Espírito Santo; também, desejando tornar manifesta a unidade, dispôs com sua autoridade que a origem dessa unidade derivasse de um só (Cipr. Unidade da Igreja, 4). Ottato di Milevi escreve: A ignorância não pode desculpá-lo, sabendo bem que em Roma, Pedro foi o primeiro a receber a cadeira episcopal sobre a qual se sentou a cabeça de todos os apóstolos, para que todos guardassem nele apenas a unidade da sé. , e os apóstolos individuais não exaltaram cada um por si. Portanto, é cismático e prevaricador quem coloca outro contra esta cadeira (Ottato, Schisma Donat. São Basílio também escreve: Pedro foi colocado na fundação. Ele havia dito: Você é o filho Cristo do Deus vivo; e em troca ele tinha ouvido que ele deveria ser a pedra; mas não da mesma forma que Cristo. Cristo é a pedra verdadeiramente imóvel; Pedro está imóvel em virtude disso. Jesus dá a sua dignidade aos outros; é sacerdote e é sacerdote; ele é pedra e constitui pedra: assim ele dá a seus servos suas coisas (Basil. Hortas. (falso. atribuído) Do penit. n. Por fim, afirma Santo Ambrósio: Pedro é colocado diante de todos, porque confessa somente entre todos (a divindade de Cristo) (Em Lc 10,175). Se alguém objeta que a Igreja, paga por um cabeça e marido Jesus Cristo, não precisa procurar outro, a resposta está pronta. Jesus Cristo não é apenas o autor, mas também o ministro interior dos sacramentos individuais; porque é ele quem batiza e absolve; contudo, instituiu homens como ministros externos dos sacramentos. Por isso, ele designou para a Igreja, que ele mantém com sua respiração íntima, um homem como vigário e ministro de seu poder. Uma Igreja visível precisa de uma cabeça visível: por isso nosso Salvador, dando a Pedro, com palavras solenes, a tarefa de pastorear suas ovelhas, o fez cabeça e pastor da grande família dos fiéis; no sentido de que seu sucessor tinha o mesmo poder de governar e governar toda a Igreja. Além disso, escreve o apóstolo aos coríntios, um e o mesmo é o espírito que infunde graça nos fiéis, assim como a alma vivifica os membros do corpo (1Co 12,11). E, convidando os de Éfeso a manter esta unidade, escreve: Procurai conservar a unidade do espírito pelo vínculo da paz: um só corpo e um só espírito (Ep 4,3-4). Assim como o corpo humano é composto de muitos membros, todos vivificados por uma única alma que dá visão aos olhos, audição aos ouvidos e aos demais sentidos suas respectivas virtudes, assim o corpo místico de Cristo, a Igreja, é feito de muitos fiéis. Também há apenas esperança, como ali testemunha o Apóstolo, para a qual fomos chamados, pois todos esperamos a mesma coisa: a vida eterna e bem-aventurada. Finalmente, uma é a fé que todos devem receber e professar. [14]

O Catecismo de S. Pio X igualmente falando da Igreja afirma: “151. Você diz claramente o que é preciso para ser membro da Igreja? Para ser membro da Igreja é necessário ser batizado, crer e professar a doutrina de Jesus Cristo, participar dos mesmos sacramentos, reconhecer o Papa e outros legítimos pastores da Igreja. 152. Quem são os legítimos Pastores da Igreja? Os legítimos Pastores da Igreja são o Romano Pontífice, isto é, o Papa, que é o Pastor universal, e os Bispos. Além disso, sob a dependência dos Bispos e do Papa, os outros sacerdotes e especialmente os párocos têm parte no ofício de párocos. 153. Por que você diz que o Romano Pontífice é o Pastor universal da Igreja? Porque Jesus Cristo disse a São Pedro, o primeiro Papa: "Tu és Pedro e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja, e te darei as chaves do reino dos céus, e tudo o que ligares na terra também será ligado no céu, e tudo o que você derreter na terra também será derretido no céu ». E ele disse a ele novamente: "Apascenta meus cordeiros, alimenta minhas ovelhas". " ("Catecismo Maior de São Pio X" n. 151 ss.)

O Catecismo da Igreja Católica, falando dos membros da Igreja, retoma o Código de Direito Canônico que no n. 204 afirma: "Os fiéis são aqueles que, incorporados em Cristo pelo Batismo, são constituídos povo de Deus e, portanto, feitos participantes a seu modo da função sacerdotal, profética e régia de Cristo, são chamados a desempenhar, segundo a condição própria de cada um, a missão que Deus confiou à Igreja para realizar no mundo ”Enquanto no n. 208 do mesmo Código lemos "Entre todos os fiéis, em virtude da sua regeneração em Cristo, existe uma verdadeira igualdade na dignidade e no agir". Entre todos os fiéis há, portanto, verdadeira igualdade na dignidade e no agir, mas, por outro lado, há também claras diferenças de fato, como explica o Catecismo da Igreja Católica no n. 873: "As próprias diferenças que o Senhor quis estabelecer entre os membros de seu corpo são função de sua unidade e missão". Como explica de fato o Apostolicam Actuositatem: “… na Igreja há diversidade de ministérios, mas unidade de missão. Os Apóstolos e seus sucessores tiveram de Cristo o ofício de ensinar, santificar, governar em seu nome e com sua autoridade. Mas os leigos, feitos participantes do ofício sacerdotal, profético e régio de Cristo, cumprem suas próprias tarefas na Igreja e no mundo na missão de todo o povo de Deus”. [15]

O Catecismo da Igreja Católica especifica no n. 874: “O próprio Cristo é a origem do ministério na Igreja. Ele a instituiu, deu-lhe autoridade e missão, orientação e propósito"

E em n. 879 o mesmo Catecismo afirma: “… o ministério sacramental na Igreja é um serviço exercido em nome de Cristo. Tem um carácter pessoal e uma forma colegial. ... "

No Catecismo Maior de S. De modo semelhante, Pio X, apontando a diversidade desejada por Cristo entre os membros da Igreja e, portanto, a ministerialidade no que diz respeito ao ensino da Verdade, afirma:

"180. Existe alguma distinção entre os membros que compõem a Igreja? Entre os membros que compõem a Igreja há uma distinção muito notável, porque há os que mandam e os que obedecem, os que ensinam e os que são ensinados.

  1. Qual é o nome daquela parte da Igreja que ensina? A parte da Igreja que ensina é chamada de professor ou professor.
  2. A parte da igreja que é ensinada como é chamada? A parte da Igreja que é ensinada é chamada de aprendiz.
  3. Quem estabeleceu esta distinção na Igreja? Essa distinção na Igreja 1 'estabeleceu o próprio Jesus Cristo.
  4. A Igreja que ensina e a Igreja que aprende são, portanto, duas Igrejas distintas? A Igreja que ensina e a Igreja que aprende são duas partes distintas de uma e mesma Igreja, pois no corpo humano a cabeça é distinta dos outros membros e, no entanto, forma um único corpo com eles.
  5. De quem é composta a Igreja docente? A Igreja docente é constituída por todos os Bispos chefiados pelo Romano Pontífice, quer estejam dispersos, quer estejam reunidos num Concílio».

Entre os ministérios desejados por Cristo, portanto, o do Sumo Pontífice, Sucessor de S. Pedro e Vigário de Cristo.

b) Origem e finalidade do primado papal.

No Evangelho de Mateus lemos: "Simão Pedro respondeu: "Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo". E Jesus lhe disse: "Bem-aventurado és, Simão, filho de Jonas, porque nem carne nem sangue to revelaram, mas meu Pai que está nos céus. E eu te digo: você é Pedro e sobre esta pedra edificarei minha Igreja e os poderes do submundo não prevalecerão sobre ela. Eu te darei as chaves do reino dos céus: tudo o que você ligar na terra será ligado no céu, e tudo o que você desligar na terra será desligado no céu”. Então ordenou aos seus discípulos que não contassem a ninguém que ele era o Cristo.” (Mateus 16)

O Catecismo da Igreja Católica especifica com base neste texto, interpretado à luz da Tradição, que: “Somente de Simão, a quem deu o nome de Pedro, o Senhor fez a pedra da sua Igreja. Ele confiou a ele as chaves; (Cf Mt 16,18: 19-881.) "(" Catecismo da Igreja Católica "n.XNUMX)

Simão, a quem o Senhor deu o nome de Pedro (grego Πέτρος) ou Cefas (gr. Kηϕᾶς, da rocha aramaica) é precisamente: a rocha sobre a qual Cristo quis a sua Igreja (cf. Mt 16,18)

No Evangelho de João lemos: "Quando eles comeram, Jesus disse a Simão Pedro:" Simão, filho de João, você me ama mais do que estes? ". Ele respondeu: "Claro, Senhor, você sabe que eu te amo." Ele lhe disse: "Alimente meus cordeiros". 16 Novamente lhe disse pela segunda vez: “Simão, filho de João, você me ama?” Ele respondeu: "Claro, Senhor, você sabe que eu te amo." Ele lhe disse: "Apascenta minhas ovelhas". 17 Pela terceira vez ele lhe disse: “Simão, filho de João, você me ama?” Pedro entristeceu-se por lhe perguntar pela terceira vez: “Tu me amas?”, e disse-lhe: “Senhor, tu sabes tudo; você sabe que te amo ". Jesus respondeu: "Apascenta as minhas ovelhas". (João 21)

O Catecismo da Igreja Católica especifica com base neste texto, interpretado à luz da Tradição, que Jesus constituiu Pedro "... pastor de todo o rebanho. (Cf. Jo 21,15, 17-881)". (Catecismo da Igreja Católica XNUMX)

Em Lucas 6, 13ss, lemos: “Quando já era dia, chamou a si os seus discípulos e escolheu doze, aos quais também deu o nome de apóstolos: Simão, a quem também deu o nome de Pedro; Andréa, seu irmão; Giacomo, Giovanni, Filippo, Bartolomeo, Matteo, Tommaso; Giacomo, filho de Alfeo; Simone, chamada Zelota; Judas, filho de Tiago; e Judas Iscariotes, que se tornou o traidor”.

No Evangelho de Mateus lemos novamente: “Os nomes dos doze apóstolos são: primeiro, Simão, chamado Pedro, e André, seu irmão; Tiago, filho de Zebedeu, e seu irmão João; 3 Filippo e Bartolomeo; Tomé e Mateus, o cobrador de impostos; Giacomo, filho de Alfeo, e Taddeo; 4 Simão, o cananeu, e Judas, o Iscariotes, que mais tarde o traíram.” (Mt 10)

Como explica a Congregação para a Doutrina da Fé, estes trechos dos Evangelhos, interpretados à luz da Tradição, são dotados de grande poder testemunhal, aliás, estas listas e: "... outros trechos do Evangelho (cf. Mt 14,28: 31-16,16; 23-19,27 e par.; 29-26,33 e par.; 35-22,32 e par.; Lc 1,42; Jo 6,67; 70-13,36; 38-21,15; 19-XNUMX) mostram com clareza e simplicidade que o O cânon do Novo Testamento recebeu as palavras de Cristo relacionadas a Pedro e seu papel no grupo dos Doze”. [16]

O testemunho do ministério de S. Pedro na Igreja emerge claramente de todo o Novo Testamento, interpretado à luz da Tradição. [17]

Em Ut Unum Sint s. João Paulo II, desenvolvendo uma leitura da Bíblia à luz da Tradição, afirma que no Novo Testamento a pessoa de Pedro ocupa um lugar de especial importância; o Papa polonês mostra, portanto, mais precisamente como essa posição, ao lado das evidentes fraquezas do Apóstolo, emerge nos Atos dos Apóstolos, no Evangelho de Mateus, no de Lucas, nas cartas de S. Paulo e nos escritos joaninos[18]

Já nas primeiras comunidades cristãs, Pedro aparece como o Apóstolo que foi expressamente constituído por Cristo em primeiro lugar entre os Doze e que de Cristo recebeu sua própria e específica função apical na Igreja.[19]

Como Cipriani escreve precisamente sobre as primeiras comunidades cristãs e o exercício do primado papal nelas: “As primeiras e explícitas reivindicações de primado não começam a surgir até o final do primeiro e durante o segundo século. Existem dois documentos mais significativos a este respeito: a carta de Clemente Romano aos Coríntios e a carta de Inácio de Antioquia aos Romanos. … A posição proeminente da igreja romana no segundo século. também é testemunhado pelo grande número de cristãos, ortodoxos e hereges, que ali se aglomeram... A preeminência da igreja de Roma no segundo século. … Aparece ligado não tanto a fatores políticos, mas à memória da residência, ensino e martírio de Pedro e Paulo na cidade. ... Mesmo sem falar de primado, Irineu e Tertuliano haviam indicado o caminho seguro na igreja romana, para averiguar a autêntica tradição apostólica e garantir a comunhão entre as igrejas. …. A partir do século IV. estamos testemunhando um grande desenvolvimento da doutrina do primado no Ocidente, até um ponto desconhecido na África e ainda mais no Oriente. " [20]

A Congregação para a Doutrina da Fé afirma nesta linha que “4. Com base no testemunho do Novo Testamento, a Igreja Católica ensina, como doutrina de fé, que o Bispo de Roma é o Sucessor de Pedro no seu serviço primordial na Igreja universal... Igreja de Roma, (Cf. Santo Inácio de Antioquia, Epist. ad Romanos, Intr.: SChr 10, 106-107; Santo Irineu de Antioquia, Adversus haereses, III, 3, 2: SChr 211, 32-33) também enriquecido pela pregação e martírio de São Paulo."[21]

O Primado petrino é, portanto, um: "... ofício pelo Senhor concedido individualmente a Pedro, o primeiro dos Apóstolos, e a ser transmitido aos seus sucessores". [22]

Sobre o tema do Primado Pontifício no primeiro milênio, a Comissão Mista de Coordenação para o diálogo teológico entre a Igreja Católica Romana e a Igreja Ortodoxa publicou um texto que destaca tanto a importância do Bispo de Roma naqueles tempos quanto alguns conflitos doutrinários que surgiu entre o Papa e alguns Bispos, incluindo s. Cipriano de Cartago [23]

Por que Cristo quis a primazia petrina?

O fim pelo qual Cristo quis o Primado do Bispo de Roma está muito bem especificado nestes termos: "a unidade da fé e da comunhão" de todos os crentes em Cristo.[24] A Lumen Gentium explica que o Papa: "... é o princípio e fundamento perpétuo e visível da unidade tanto dos Bispos como da multidão dos fiéis"[25] ... e que: "... o Romano Pontífice, em virtude do seu ofício de Vigário de Cristo e Pastor de toda a Igreja, tem pleno, supremo e universal poder sobre a Igreja, que pode sempre exercer livremente"  [26]

Precisamente como escolhido por Cristo para manter a Igreja na unidade, o Papa tem uma graça especial de Deus para levar a cabo esta sua missão. [27]

Note-se que: "... quando a Igreja Católica afirma que a função do Bispo de Roma responde à vontade de Cristo, não separa esta função da missão confiada a todos os Bispos, também" vigários e legados de Cristo ""[28]

Cristo constituiu os Doze Apóstolos: "... sob a forma de colégio ou grupo estável, do qual colocou à frente Pedro, escolhido entre eles".[29].

A Congregação para a Doutrina da Fé, portanto, especificou que: "O Episcopado e o Primado, mutuamente ligados e inseparáveis, são de instituição divina".[30]

O Episcopado e o Primado segundo a vontade fundacional são entendidos como profundamente unidos e em profunda harmonia [31]; a atividade do Papa deve ser realizada em profunda comunhão com os Bispos: "95. No entanto, tudo isso deve ser feito sempre em comunhão. Quando a Igreja Católica afirma que a função do Bispo de Roma responde à vontade de Cristo, não a separa da missão confiada a todos os Bispos, também "vigários e delegados de Cristo"[32]. O Bispo de Roma pertence ao seu “colégio” e eles são seus irmãos no ministério”.[33]

Nesta unidade e harmonia, o Colégio Episcopal: "... não tem autoridade, porém, se não for concebido como unido ao Romano Pontífice, sucessor de Pedro, como seu chefe, e sem prejuízo do seu poder de primado sobre todos , tanto pastores como fiéis. Com efeito, o Romano Pontífice, em virtude do seu ofício, isto é, de Vigário de Cristo e Pastor de toda a Igreja, tem sobre ela um poder pleno, supremo e universal, que pode sempre exercer livremente. Por outro lado, a ordem dos bispos, que sucede ao colégio dos apóstolos no magistério e no governo pastoral, aliás, na qual se perpetua o corpo apostólico, é também juntamente com o seu chefe o Romano Pontífice, e nunca sem este chefe. , sujeito de um poder supremo e pleno sobre toda a Igreja [63], embora este poder não possa ser exercido senão com o consentimento do Romano Pontífice”.[34].

Nesta unidade e harmonia, embora todos os Bispos estejam sujeitos ao sollicitudo omnium Ecclesiarum (2 Cor 11,28.), isto é, à solicitude por todas as Igrejas[35], o Papa é especialmente o alvo desta preocupação: "No caso do Bispo de Roma ... o sollicitudo omnium Ecclesiarum adquire uma força particular porque é acompanhado de um poder pleno e supremo na Igreja: um poder verdadeiramente episcopal, não apenas supremo, pleno e universal, mas também imediato, sobretudo, tanto para pastores como para outros fiéis. (Cf. Concílio Vaticano I, Constituição dogmática "Pastor aeternus", capítulo 3: Denz-Hün, n. 3060.3064; Concílio Vaticano II, Constituição dogmática "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 22.) ... Esta interioridade do ministério do Bispo de Roma a cada Igreja particular é também expressão da mútua interioridade entre a Igreja universal e a Igreja particular. (Cf. Congr. Para a Doutrina da Fé, Carta Communionis Notio, n. 13) "[36]

c) Exercício do Primado Petrino nas diversas esferas: ensino, santificação, governo.

Em Ut Unum Sint, lemos que: "... a lição do Evangelho deve ser constantemente relida, para que o exercício do ministério petrino nada perca de sua autenticidade e transparência". [37] Nesta linha, a Congregação para a Doutrina da Fé afirma que o ministério petrino é justamente entendido à luz do Evangelho, profundamente inserido no mistério salvífico de Cristo para a edificação e unificação dos crentes nele, ou seja, de a Igreja.[38] O Papa deve trabalhar para a edificação da Igreja na caridade e na verdade de Cristo e não para espalhar o adultério, a prática homossexual e afins, é claro!

Como S. João Paulo II: a missão do Bispo de Roma no grupo de todos os Pastores consiste em vigiar (episkopein) como sentinela, para que a verdadeira voz de Cristo que é o Pastor seja ouvida em toda a Igreja e a Igreja seja uma em Cristo Verdade; mais precisamente: “Com o poder e a autoridade sem os quais esta função seria ilusória, o Bispo de Roma deve assegurar a comunhão de todas as Igrejas. Nesta qualidade, ele é o primeiro entre os servidores da unidade. Este primado é exercido a vários níveis, que dizem respeito à vigilância sobre a transmissão da Palavra, a celebração sacramental e litúrgica, a missão, a disciplina e a vida cristã”. [39]

Obviamente esta comunhão é, ressalto, na caridade, na fé e não nas perversões... não nos erros.

Compete ao Sucessor de Pedro a tarefa de recordar e fazer valer as exigências do bem comum da Igreja; ele tem o dever de afirmar a Verdade de Cristo e, portanto, pode e em alguns casos absolutamente deve advertir, corrigir, advertir, julgar, condenar, pode e em alguns casos deve declarar algumas opiniões inconciliáveis ​​com a unidade de fé que difundem. Quando as circunstâncias o exigirem, ele pode e em certos casos deve falar em nome de todos os Pastores que estão em comunhão com ele e, nesta linha, pode declarar infalivelmente uma doutrina como pertencente ao depósito da fé. Ao testemunhar a Verdade de Cristo e fazê-la observar, o Papa serve à unidade da Igreja em Cristo; um Papa que se opõe à Verdade se opõe à unidade da Igreja e se opõe a Cristo![40]

O Papa deve agir para que em cada uma das Igrejas particulares confiadas aos bispos se realize a una, sancta, catholica et apostolica Ecclesia in Cristo Truth. Na comunhão plena e visível de todos os Pastores com o Papa na Verdade, as Igrejas estão em comunhão entre si e com Cristo. O Papa, herdeiro e continuador da missão de Pedro, exerce um ministério que tem a sua origem na multiforme misericórdia de Deus e está todo ao serviço do desígnio misericordioso de Deus.O seu poder é explicado à luz desta misericórdia e deste serviço. O Papa não deve exercer o poder sobre o povo como fazem os chefes das nações e os grandes do mundo (cf. Mt 20,25; Mc 10,42) - mas deve guiar as almas para que se encaminhem para pastos pacíficos e para a salvação eterna. Este ofício pode exigir a oferta da própria vida (cf. Jo 10,11, 18-XNUMX), ou seja, pode exigir sofrimento, morte, martírio. [41]

O ofício de ensinar, o ofício de santificar e o ofício de governar pertencem aos Bispos e em particular ao Papa.

Com base no mandamento do Senhor: "Ide por todo o mundo e anunciai o Evangelho a toda criatura" (Mc 16,15) deve-se dizer que os Bispos, e sobretudo o Papa, com os sacerdotes, "têm em primeiro lugar todo o dever de anunciar a todos o Evangelho de Deus"[42]  … Obviamente, o verdadeiro Evangelho!

Os Bispos, e sobretudo o Papa, são e devem ser: “… os arautos da fé que trazem novos discípulos a Cristo; são médicos autênticos, isto é, revestidos da autoridade de Cristo, que pregam ao povo que lhes foi confiado a fé a ser crida e aplicada na prática da vida, ilustram-na à luz do Espírito Santo, desenhando novas e coisas velhas do tesouro da Revelação (cf. . Mt 13,52), fazem-na frutificar e vigiam para afastar do seu rebanho os erros que o ameaçam (cf. 2 Tm 4,1, 4-XNUMX). "[43]

Mais precisamente e analiticamente, em relação ao Papa, deve-se dizer que: “O Primado do Bispo de Roma, considerado seu caráter episcopal, exprime-se, antes de tudo, na transmissão da Palavra de Deus; por isso inclui uma responsabilidade específica e particular na missão evangelizadora... A tarefa episcopal que o Romano Pontífice tem em relação à transmissão da Palavra de Deus estende-se também a toda a Igreja. Como tal, é um ofício magistral supremo... o que implica também, em certos casos, a prerrogativa da infalibilidade. (Cf.ibidem: Denz-Hün, nn. 3073-3074; Concílio Vaticano II, Constituição dogmática "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 25; CIC cân. 749 § 1; CCEO cân. 597 § 1.) " [44]

O Papa tem, portanto, uma missão que se estende a toda a Igreja e que se expressa sobretudo na transmissão da palavra de Deus, inclui uma responsabilidade específica na missão evangelizadora, é um ofício supremo do magistério que, em alguns casos, nem sempre , envolve a infalibilidade.

Através do ofício de ensinar, os Pastores, especialmente o Papa, devem trabalhar e fazer com que o povo de Deus permaneça na Verdade que liberta e santifica e precisamente: "Para realizar este serviço, Cristo dotou os Pastores com o carisma da infalibilidade em matéria de fé e costumes." (Catecismo da Igreja Católica n. 890) O próprio Catecismo da Igreja Católica especifica que o exercício deste carisma de infalibilidade de que Cristo dotou a Igreja pode ter várias modalidades (cf. Catecismo da Igreja Católica n. 891).

Como lemos na Lumen Gentium: "O Romano Pontífice, chefe do Colégio dos Bispos, beneficia desta infalibilidade em virtude do seu ofício, quando, como supremo Pastor e Doutor de todos os fiéis, que confirma os irmãos na fé, proclama com um ato definitivo uma doutrina sobre fé ou moral. [...] A infalibilidade prometida à Igreja reside também no corpo episcopal, quando este exerce o Magistério supremo com o Sucessor de Pedro" [45]Na própria Lumen Gentium lemos também: "... os bispos... quando, porém, mesmo espalhados pelo mundo, mas mantendo o vínculo de comunhão entre eles e com o sucessor de Pedro, concordam em ensinar autenticamente no que diz respeito à fé e à moral se impõe de forma absoluta, então expressam infalivelmente a doutrina de Cristo... A coisa é ainda mais evidente quando, reunidos em um concílio ecumênico, são doutores e juízes de fé e de moral para toda a Igreja; então é necessário aderir às suas definições com o respeito da fé ".[46]

A infalibilidade de que falamos: "... que o divino Redentor quis que sua Igreja fornecesse ao definir a doutrina da fé e da moral, estende-se tanto quanto o depósito da Revelação divina..."[47]

Voltaremos mais tarde para falar sobre a infalibilidade de que goza o Papa em particular e especificaremos os vários níveis de sentenças infalíveis emitidas pelos Pastores da Igreja, examinaremos também o restante do Magistério não infalível.

Agora me parece interessante observar com o Cardeal Müller que: ““ A autoridade doutrinal e pastoral do Papa não deriva da personalidade específica do titular do trono de Pedro. Vemos isso com o pescador Simão que Cristo fez Pedro, mas em virtude de sua missão divina. O seu poder, que exige a obediência de todos os fiéis católicos, consiste exclusivamente em tornar manifesto o que o Pai celeste lhe revelou: isto é, Jesus não é um profeta qualquer ou um modelo moral, mas o Filho de Deus (Mt 16,16, 28,20). " (…) “Os apóstolos e seu sucessor ensinam apenas o que Jesus lhes ensinou (Mt 25). A obediência cega às pessoas, como a adoração da pessoa ao Fuhrer nos sistemas totalitários, é o oposto da obediência da religião como componente da fé sobrenatural que se dirige diretamente a Deus, que não engana e não pode enganar (Lumen Gentium, XNUMX ). " [48]

Quanto ao ofício de governar: "Os bispos governam as Igrejas particulares que lhes foram confiadas como vigários e legados de Cristo... edificar o próprio rebanho na verdade e na santidade, lembrando que quem é o maior deve agir como o menor, e quem é o cabeça, como quem serve (cf. Lc 22,26, 27-XNUMX).  [49]

Em particular, o cargo de governo pertence ao Papa.

O exercício do poder de governo dos Bispos está sujeito ao Papa. A autoridade ordinária e imediata do Papa sobre toda a Igreja não anula a dos Bispos. Os Bispos não devem ser considerados vigários do Papa, o poder que exercem em nome de Cristo é próprio, ordinário e imediato, mas a sua autoridade deve ser exercida em comunhão com toda a Igreja, sob a orientação do Papa (cf. a Igreja Católica nº 895)

Do alto de sua posição primacial, o Papa pode colocar todos os atos de governo eclesiástico que julgar convenientes para a promoção e defesa da unidade de fé e comunhão e ninguém deve responder juridicamente pelo exercício de seu ministério, senão este: "... isso não significa que o Papa tenha poder absoluto."[50]

Deve-se notar bem: o Papa não tem que responder juridicamente a ninguém pelo exercício de seu ministério, mas ele não tem poder absoluto. Já veremos no final deste parágrafo os limites dentro dos quais o exercício do poder papal deve permanecer.

Quanto ao ofício de santificar: deve-se dizer que o bispo, agraciado com a plenitude do sacramento da ordem, e em particular o Papa, é "o mordomo da graça do sacerdócio supremo" [Oração de consagração episcopal no bizantino rito: Euchologion to mega, Romae 1873, p. 139.], especialmente na Eucaristia; mais geralmente os Bispos, e em particular o Papa, com o exemplo da sua vida, com a sua oração e serviço ao povo, em várias formas, devem ser instrumentos pelos quais a plenitude da santidade de Cristo possa ser derramada abundantemente nas almas: com o ministério da palavra, em particular, os Bispos e sobretudo o Papa, devem comunicar o poder da Verdade para a salvação dos crentes e para a sua santificação; com os sacramentos, cuja distribuição regular e fecunda é regulada precisamente pelos Bispos, devem santificar os fiéis.[51]

No decreto Christus Dominus lemos: “15. No exercício de seu ministério de santificação, os bispos devem lembrar-se bem de que foram escolhidos entre os homens e investidos de sua dignidade para os homens em tudo o que se refere a Deus, para que possam oferecer dons e sacrifícios pelos pecados. ... Os bispos ... são os principais dispensadores dos mistérios de Deus e ao mesmo tempo organizadores, promotores e guardiões da vida litúrgica na Igreja a eles confiada ... confiados aos seus cuidados possam concordar na oração (cf. At 1,14 e 2,46). E para que, recebendo os sacramentos, cresçam na graça e sejam testemunhas fiéis do Senhor. Na qualidade de mestres da perfeição, procurem fazer progredir os seus sacerdotes, religiosos e leigos no caminho da santidade, segundo a vocação particular de cada um... exemplo de santidade, de caridade, de humildade e de simplicidade de vida. Que as Igrejas a eles confiadas conduzam a tal ponto de santidade que nelas se manifestem plenamente os sentimentos da Igreja universal de Cristo”.[52] O que acabamos de ler obviamente se aplica de maneira particular ao Sumo Pontífice...

O Sacrifício Eucarístico é o centro e a fonte da comunhão eclesial, nele se manifesta de forma suprema a unidade da Igreja a serviço de quem o Papa está colocado de modo particular com o seu ministério.[53]

Concluo especificando que, como mencionado, o Papa não tem poder absoluto; o ministério papal, de fato, está sujeito a limites muito específicos:

“O Romano Pontífice está – como todos os fiéis – sujeito à Palavra de Deus, à fé católica e é o garante da obediência da Igreja e, neste sentido, servus servorum. Ele não decide segundo a sua vontade, mas dá voz à vontade do Senhor, que fala ao homem na Escritura vivida e interpretada pela Tradição; em outras palavras, a episkopè do Primado tem os limites que procedem da lei divina e da inviolável constituição divina da Igreja contida na Revelação. (Cf. Declaração Coletiva dos Bispos Alemães, Jan.-Fev. 1875: Denz-Hün, n. 3114.) " [54]

Veremos melhor esses limites mais adiante, especialmente em relação ao ministério de ensino do Papa.

Reinado de Cristo!

d) Infalibilidade da Igreja e do Magistério papal

Deus nos ilumine cada vez melhor.

Digamos antes de tudo que Deus queria que a Revelação feita por ele permanecesse para sempre em sua plenitude: "Em sua imensa bondade, Deus fez com que a Revelação, que ele fez para a salvação de todos os povos, permanecesse para sempre em sua totalidade".[55]

Nesta linha, Deus, absolutamente infalível, quis dar ao seu povo a participação na sua infalibilidade no que diz respeito à fé e à moral: “… ocorre precisamente quando todo o Povo de Deus acredita sem incerteza algum ponto doutrinário relativo a tais coisas; está também em permanente dependência do Espírito Santo que, com sábia providência e com a unção de sua graça, guia a Igreja para toda a verdade, até a vinda gloriosa de seu Senhor.[56]

Portanto, a Igreja participa da infalibilidade divina no que diz respeito à fé e à moral e esta infalibilidade se estende: "....[57]

Perguntemo-nos: o que é o depósito da fé? A resposta vem da Dei Verbum: "A sagrada tradição e a sagrada Escritura constituem um único depósito sagrado da palavra de Deus confiada à Igreja..."[58]

Portanto, o depósito inclui a Sagrada Escritura e a Sagrada Tradição e a infalibilidade se estende a este depósito e a tudo o que for necessário para que seja mantido ou exposto como deveria.

Tendo recebido o Espírito Santo (cf. 1 Jo 2, 20 e 27) a universalidade dos fiéis tem tal infalibilidade, que diz respeito à fé e à moral [59] e que se estende à Sagrada Escritura e à Sagrada Tradição e a tudo o que for necessário para que sejam mantidas ou expostas como convém.

Precisamente o Espírito Santo dá ao Povo de Deus a verdadeira fé "... transmitida aos crentes de uma vez por todas" (Judas 3) e os guia, especialmente através do sagrado Magistério, para penetrá-lo cada vez mais profundamente e aplicá-lo cada vez melhor para vida. [60]

Por isso, sob a orientação do Espírito Santo e, de modo mais geral, da Trindade: «A percepção das realidades e das palavras transmitidas cresce, tanto pela reflexão como pelo estudo dos crentes que as meditam no coração (cf. Lucas 2, 19 e 51), tanto pela inteligência interiormente experimentada das realidades espirituais, como pela pregação daqueles que, com a sucessão episcopal, receberam um carisma seguro de verdade”.[61]

Sob a direção do Espírito Santo, o Magistério trabalha para manter os fiéis na Verdade e este trabalho não se limita a ratificar aquelas verdades que o Povo de Deus já aceita, mas também pode consistir em difundir interpretações e explicações do depósito da fé para que o Povo de Deus ainda não permite expressamente. Além disso, a obra do Magistério, sob a direção do Espírito Santo, pode consistir em exigir que o Povo de Deus aceite essas interpretações e explicações do depósito da fé que o Povo de Deus ainda não permite expressamente.

A obra do Espírito Santo, que por meio do Magistério mantém o Povo de Deus na unidade da fé, é particularmente necessária quando surgem disputas e dissensões sobre o que deve ser crido ou mantido. [62]

Os pastores devem, portanto, ser guiados pelo Espírito Santo e precisamente à luz da Verdade divina devem guiar os fiéis no seguimento de Cristo Verdade e neste guia podem impedir e exigir o consentimento dos fiéis em matéria de fé e moral. Por instituição divina, de fato, como se vê acima os Bispos: “… eles são os arautos da fé que trazem novos discípulos a Cristo; são médicos autênticos, isto é, revestidos da autoridade de Cristo, que pregam ao povo que lhes foi confiado a fé a ser crida e aplicada na prática da vida, ilustram-na à luz do Espírito Santo, desenhando novas e coisas velhas do tesouro da Revelação (cf. . Mt 13,52), fazem-na frutificar e vigiam para afastar do seu rebanho os erros que o ameaçam (cf. 2 Tm 4,1, 4-XNUMX). "[63]  Os Bispos, precisamente como arautos do Evangelho, foram dotados pela Trindade de uma participação particular na infalibilidade divina através de um carisma de infalibilidade no seu Magistério em matéria de fé e moral.[64]

Sublinho que este carisma não foi prometido aos Bispos e aos sucessores de Pedro para revelar, com a sua inspiração, uma nova doutrina, mas para guardar escrupulosamente e dar a conhecer o depósito da fé.

Como lemos no Pastor Aeternus: “Os próprios Romanos Pontífices... definiam que aquilo que, com a ajuda de Deus, eles haviam reconhecido como conforme às Sagradas Escrituras e às tradições apostólicas, devia ser mantido. Com efeito, o Espírito Santo não foi prometido aos sucessores de Pedro para revelar, com a sua inspiração, uma nova doutrina, mas para guardar escrupulosamente e dar a conhecer fielmente, com a sua ajuda, a revelação transmitida pelos Apóstolos, ou seja, o depósito De fé. ".[65]

Portanto, este carisma da infalibilidade, que é dom de Deus, depende estritamente, segundo a vontade divina, do depósito da fé e não provém de novas revelações, que seriam gratificadas pelo Sucessor de Pedro e pelo Colégio Episcopal. [66]

Obviamente, este carisma implica o compromisso de perscrutar, sob a orientação de Deus e com o uso de meios apropriados, o tesouro da Revelação divina através da qual a verdade divina nos chega para a nossa salvação.[67]

Perguntemo-nos agora: quando atua este carisma? Em particular, quando o Papa é infalível?

A resposta é que o carisma da infalibilidade opera no Papa quando ele fala ex cathedra, como diz um famoso texto de valor dogmático: "Por isso nós ... com a aprovação do sagrado Concílio proclamamos e definimos o dogma revelado por Deus que o Romano Pontífice, quando fala ex cathedra, isto é, quando exerce seu supremo ofício de Pastor e Doutor de todos os cristãos, e em virtude de seu supremo poder apostólico define uma doutrina sobre a fé e a moral, vincula toda a Igreja, pois A assistência divina que lhe foi prometida na pessoa do Beato Pedro goza daquela infalibilidade com que o divino Redentor quis que a sua Igreja fosse acompanhada na definição da doutrina em torno da fé e dos costumes: portanto, estas definições do Romano Pontífice são imutáveis ​​por si mesmas, e não por o consentimento da Igreja”. [68]

O Papa é, portanto, infalível quando exerce seu supremo ofício de Pastor e Doutor de todos os cristãos e, em virtude de seu supremo poder apostólico, define uma doutrina sobre fé e moral.

O Concílio Vaticano II ecoa as afirmações dogmáticas do Concílio Vaticano que acabei de ver e afirma: "Assim, suas definições são justamente chamadas de irreformáveis ​​por si mesmas e não em virtude do consentimento da Igreja, sendo pronunciadas com a assistência do Espírito Santo a ele. prometido na pessoa de São Pedro, de modo que não precisam da aprovação de outros, nem admitem qualquer recurso a outro julgamento ".[69]

No entanto, é necessário ser muito claro que: “… a infalibilidade em matéria de fé e moral é dada somente quando um Papa propõe uma doutrina de fé revelada à fé de toda a Igreja. No entanto, ele não pode propor à fé da Igreja - como lhe foi revelada - suas experiências pessoais de vida, suas avaliações subjetivas ou certas teorias filosóficas ou teológicas. Porque a revelação em sua realidade constitutiva terminou definitivamente com a morte do último apóstolo”.[70]

Deve-se notar também que: “O Romano Pontífice cumpre sua missão universal com a ajuda dos órgãos da Cúria Romana e, em particular, da Congregação para a Doutrina da Fé no que diz respeito à doutrina sobre fé e moral. Segue-se que os documentos desta Congregação expressamente aprovados pelo Papa participam do magistério ordinário do sucessor de Pedro [Cf. CIC pode. 360-361; Paulo VI, Const. Uma postagem. Regimini Ecclesiae universae, 15 de agosto de 1967, AAS 59 (1967) 897-899; João Paulo II, Const. Uma postagem. Pastor Bonus, 28 de junho de 1988, AAS 80 (1988) 873-874.] "[71]

Também os Bispos gozam do carisma da infalibilidade quando exercem: “… o magistério supremo com o sucessor de Pedro. A estas definições nunca pode faltar o assentimento da Igreja, dada a ação do próprio Espírito Santo que preserva e faz progredir todo o rebanho de Cristo na unidade da fé [cf. a explicação de Gasser ao Concílio Vaticano I: Mansi 1214A.]. "[72]

Mais precisamente, este carisma de infalibilidade se realiza nos Bispos quando, por ato colegial ou não, em comunhão do Magistério com o Papa, estabelecem definitivamente uma sentença relativa à fé ou à moral. [73]

No cânon 750 do Código de Direito Canônico lemos: “Can. 750 - § 1. Pela fé divina e católica devem ser cridas todas as coisas que estão contidas na palavra de Deus escrita ou transmitida, isto é, no único depósito da fé confiado à Igreja, e que juntos são propostos como divinamente revelado, tanto pelo magistério solene da Igreja, como pelo seu magistério ordinário e universal, isto é, aquele que se manifesta pela adesão comum dos fiéis sob a orientação do magistério sagrado; consequentemente, todos são obrigados a evitar qualquer doutrina contrária a eles.

É preciso também aceitar e conservar com firmeza todas as coisas individuais e definitivamente propostas pelo Magistério da Igreja sobre a fé e a moral, isto é, aquelas que são exigidas para conservar a santidade e exibir fielmente o mesmo depósito da fé; Portanto, quem rejeita que as mesmas proposições sejam mantidas definitivamente se opõe à doutrina da Igreja Católica”.

O cânon 752 afirma: "Não é realmente um assentimento de fé, mas uma obediência religiosa do intelecto e da vontade à doutrina que tanto o Sumo Pontífice como o Colégio dos Bispos declaram sobre a fé e os costumes, exercendo o magistério autêntico, mesmo se não pretendem proclamá-lo com ato definitivo; portanto, os fiéis devem tentar evitar o que não concorda com ela”.

Depois, há 2 níveis de sentenças infalíveis emitidas pelos Pastores da Igreja:

- um primeiro nível que diz respeito "às coisas que estão contidas na palavra de Deus escrita ou transmitida, isto é, no único depósito de fé confiado à Igreja, e que juntos são propostos como divinamente revelados, tanto pelo solene magistério da Igreja, e do seu magistério ordinário e universal, isto é, aquele que se manifesta pela adesão comum dos fiéis sob a orientação do sagrado magistério” (cân. 750 I parágrafo)

- um segundo nível que diz respeito "às coisas que são definitivamente propostas pelo Magistério da Igreja sobre a fé e os costumes, ou seja, aquelas que são obrigadas a santificar e expor fielmente o mesmo depósito da fé" (cân. 750, parágrafo segundo )

Depois, há o restante magistério não infalível dos pastores, que inclui as doutrinas que tanto o Sumo Pontífice como o Colégio dos Bispos proclamam sobre a fé e os costumes, exercendo o magistério autêntico, ainda que não pretendam proclamá-lo com ato definitivo. (cânone 752)

As doutrinas propostas pelos Pastores e pertencentes ao primeiro nível de infalibilidade: “… envolvem o assentimento da fé teológica por parte de todos os fiéis. Por isso, quem obstinadamente as questionasse ou negasse cairia na censura de heresia... Concílio Ecumênico Vaticano II, Constituição Dogmática "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 25, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it .html) e pode ser definido ou pelo Papa de forma solene, pelo Concílio ou pelo Magistério ordinário universal da Igreja: Quem os negasse, assumiria uma posição de recusa da verdade da doutrina católica (Cf. João Paulo II, Motu proprio Ad tuendam fidem, de 18 de Maio de 1998; cf.ibid., 9-13.) e, portanto, deixaria de ser em plena comunhão com a Igreja católica”. [75]

Como bem afirmou a Congregação para a Doutrina da Fé, o dom que Deus deu à Igreja e pelo qual ela participa na infalibilidade divina não deve ser atenuado nem eliminado: "Todos os dogmas... ser acreditado pela fé divina (Reflexions et sugestions concernant le dialogue oecuménique, IV, 4 b, in Secrétariat pour l'Unité des Chrétiens: Service d'Information, n. 12 (Dez. 1970, IV), p. 7 s. )"[76]Além disso: as fórmulas dogmáticas do Magistério da Igreja foram e continuam a ser adequadas, embora não na mesma medida, para comunicar a verdade revelada, desde que corretamente compreendida.[77]

Além disso: “Quanto ao próprio significado das fórmulas dogmáticas, ele permanece sempre verdadeiro e coerente na Igreja, mesmo quando melhor esclarecido e melhor compreendido. ... "[78]

Paulo VI no Mysterium fidei afirmou nesta linha que as fórmulas dogmáticas: “... tempos e de todos os lugares."[79]

Portanto, essas fórmulas podem ser conhecidas e explicadas cada vez melhor, cuidando, porém, que à medida que o conhecimento e a compreensão da fé cresçam, a verdade da fé permaneça intacta; portanto, o significado dessas fórmulas não deve ser alterado, mas deve permanecer o mesmo, explica s. Paulo VI, de fato: "... o Concílio Vaticano I ensina que nos dogmas sagrados" devemos conservar sempre aquele sentido, que de uma vez por todas a Santa Madre Igreja declarou e nunca é permitido afastar-se dele sob o pretexto especioso de uma inteligência mais profunda. "Custo. dogma. De fide catholica, c. 4) "[80]

Segundo o Magistério Católico: “A doutrina da fé que Deus revelou não é proposta às mentes humanas como uma invenção filosófica a ser aperfeiçoada, mas foi entregue à Esposa de Cristo como um depósito divino para guardá-la fielmente e ensiná-la. com magistério infalível. Portanto, esse significado dos dogmas sagrados que a Santa Madre Igreja declarou deve ser aprovado em perpetuidade, e nunca se deve retirar desse significado sob o pretexto ou com as aparências de uma inteligência mais completa. Portanto, ao longo dos tempos e dos séculos, que a inteligência e a sabedoria cresçam e progridam vigorosamente, tanto dos séculos e dos homens, como de toda a Igreja, mas apenas em seu próprio setor, isto é, no mesmo dogma, no mesmo significado. , na mesma declaração [Vinc. Lir. Comum., N. 28]. "[81] Dos textos citados, fica evidente que o significado dos dogmas declarados pela Igreja sob a orientação de Deus é bem determinado e imutável. [82]

O Sumo Pontífice João XXIII, durante a inauguração do Concílio Vaticano II, afirmou: “O que mais interessa ao Concílio é que o sagrado depósito da doutrina cristã seja preservado e ensinado de maneira mais eficaz. (…) Essa doutrina certa e imutável, à qual se deve fiel obediência, deve ser explorada e exposta da maneira que nossa época exige. Com efeito, o depósito da fé é uma coisa, isto é, as verdades contidas em nossa venerável doutrina, e a maneira de sua enunciação é outra, mas sempre no mesmo sentido e sentido”.[83] As palavras do Papa deixam claro que, como mencionado acima, o significado dos dogmas declarados pela Igreja sob a guia de Deus é bem determinado e imutável, de fato o Papa fala de uma doutrina certa e imutável a ser cada vez mais aprofundada , para ser divulgado de maneira conveniente e para ser declarado no mesmo sentido [84]

Quanto ao autêntico magistério não infalível de que fala o cânon 752, deve-se dizer que: "Estes ensinamentos são, em todo o caso, uma expressão autêntica do magistério ordinário do Romano Pontífice ou do Colégio Episcopal e, portanto, exigem o respeito religioso da vontade e do 'intelecto. cf. . p. 21.11.1964, n. 25.)... A proposição contrária a essas doutrinas pode ser qualificada respectivamente como errônea ou, no caso dos ensinamentos prudenciais, como temerária ou perigosa e, portanto, "tuto doceri non potest". (Cf. CIC cân. 23; 10; CCEO, cân. 7; 752 § 1371) "[85]

Na Instrução "Donum Veritatis", a Congregação para a Doutrina da Fé especificou a respeito do Magistério infalível que: "Quando o Magistério, mesmo sem a intenção de colocar um ato" definitivo ", ensina uma doutrina para ajudar um mais profundo do que a Revelação e o que torna explícito o seu conteúdo, ou para recordar a conformidade de uma doutrina com as verdades da fé, ou, finalmente, para advertir contra as concepções incompatíveis com essas mesmas verdades, o respeito religioso da vontade e da inteligência [Cf. Const. dogma. "Lumen gentium", n. 25; CIC pode. 752.] "[86] Esta obediência religiosa à vontade e à inteligência deve situar-se na lógica da fé e realizar-se sob o impulso da obediência da fé, como especifica a própria instrução vaticana.

Obviamente, este respeito deve ser dado enquanto essas doutrinas permanecerem, como mencionado, na linha da sã doutrina católica, porque se ficar claro para os fiéis que elas estão em contraste com a sã doutrina difundida pela Sagrada Escritura e pela Tradição, cessa precisamente sob a pressão da fé. , o dever de obediência da vontade e inteligência a essas doutrinas.

Além disso, na mesma Instrução lemos: "Finalmente o Magistério... pode intervir nas questões debatidas nas quais, juntamente com princípios firmes, estão envolvidos elementos conjecturais e contingentes... No entanto, pode acontecer que o teólogo se faça algumas perguntas… Nesta área de intervenções de natureza prudencial, aconteceu que os documentos do magistério não ficaram isentos de falhas. "[87]

Obviamente, esse desejo de respeitar deve ser implementado enquanto essas doutrinas permanecerem, como mencionado, na linha da sã doutrina católica, porque se ficar claro para os fiéis que elas estão em contraste com a sã doutrina difundida pela Sagrada Escritura e pela Tradição, é cessa precisamente sob a pressão da fé, o dever de obediência da vontade e inteligência a essas doutrinas.

Onde, portanto, não nos encontramos no campo da infalibilidade dos ensinamentos do Papa, geralmente é necessário, sob a orientação da fé, acolher suas palavras com respeito à vontade e inteligência dessas doutrinas, mas se o Espírito Santo nos faz entender que existem erros, obviamente não devemos seguir esses erros... mas a Verdade!

São Tomás de Aquino afirma nesta linha: “[O crente] não deve dar seu assentimento a um prelado que peca contra a fé (…). Não é inteiramente desculpada pela ignorância, pois o habitus da fé tende a rejeitar tal pregação, pois ensina tudo o que é necessário para a salvação. Da mesma forma, como não se deve dar crédito com muita facilidade a nenhum espírito, ele não terá que concordar quando algo incomum for pregado, mas precisará perguntar ou simplesmente depositar sua fé em Deus, sem tentar se aventurar nos mistérios divinos " .[88]

Deus sempre nos guarde em sua Verdade.

e) Esclarecimentos sobre a Tradição e sua relação com o Magistério pontifício.

O Catecismo da Igreja Católica especifica no n. 76 que: "A transmissão do Evangelho, segundo a ordem do Senhor, foi feita de duas maneiras:

-Oralmente...

-Por escrito ... "

A transmissão realizada "oralmente" é mais especificamente chamada de Tradição, a transmissão realizada por escrito é a Sagrada Escritura.

A Dei Verbum especifica que os apóstolos: "... na pregação oral, com exemplos e instituições, eles transmitiram tanto o que haviam recebido da boca de Cristo vivendo com ele e vendo-o agir, quanto o que aprenderam com os sussurros do Santo Espírito"[89] Por meio dos escritos do Novo Testamento e por meio da Tradição, conforme o mandamento do Senhor Jesus, foi realizada a obra de divulgação de todo o Evangelho, por isso os apóstolos ordenaram aos fiéis que permanecessem firmes no que por meio desses escritos e dessa Tradição eles foram ensinados; s. Paulo afirma nesta linha: "Portanto, irmãos, permaneçam firmes e guardem as tradições que vocês aprenderam tanto pela nossa palavra como pela nossa carta." (2 Tessalonicenses 2,15:XNUMX)

Além disso, os Apóstolos, sob a orientação do Espírito Santo, escolheram sucessores que continuariam seu trabalho de difundir todo o Evangelho”. [90]

A Dei Verbum também especifica que através da Tradição os apóstolos transmitiram tudo o que contribui para a fé e a vida santa do povo de Deus; A tradição inclui, nesta linha, a doutrina da Igreja, sua vida e culto, e por meio dela a Igreja mostra e "transmite a todas as gerações tudo o que é, tudo o que acredita".[91]

A Tradição ou Paradose (παράδοσις) é, portanto, uma realidade de grande importância para a Igreja Católica no Antigo e no Novo Testamento, foi revelado por Deus. Também afirma que a verdade revelada, transmitida na Paradosis da Igreja, é universalmente válida e imutável em sua substância”.[92]

Mais precisamente, o termo Tradição vem de trado, e traduz o termo bíblico grego παράδοσις (paradosis) que significa em particular transmissão, tradição e que, com seus derivados, se encontra, em particular, no Novo Testamento (ver por exemplo Mt 15 , 2-3. 6, Mc 7, 3 .5. 8. 9, Col 2, 8 etc)

No texto de 2 Tessalonicenses 2, 15, mais precisamente, afirma-se: "Portanto, irmãos, permanecei firmes e guardai as tradições que aprendestes tanto da nossa palavra como da nossa carta", o termo grego traduzido com tradições é precisamente παραδόσεις. Em 1 Cor. 11, 2, lemos: "Eu te louvo porque em todas as coisas você se lembra de mim e guarda as tradições como eu as transmiti a você." O termo grego traduzido com tradições é παραδόσεις. Em 1 Cor. 15, 3s. Paulo diz que transmitiu (Παρέδωκα) a Verdade que recebeu. Acima de tudo, devemos citar este texto de S. Paulo «de facto, recebi do Senhor o que vos transmiti» (1 Cor 11,23), porque aqui falamos de modo particular da Tradição recebida do Senhor.

Nesta linha: "Os apóstolos... transmitindo o que eles mesmos receberam, exortam os fiéis a respeitar as tradições que aprenderam verbalmente e por escrito (cf. 2 Ts 2,15), e a lutar por aquela fé que foi transmitido a eles de uma vez por todas ... " [93]

A tradição não termina nos Apóstolos, mas continua com os seus sucessores e define-se como transmissão viva, realizada sob a orientação da Trindade, da Palavra de Deus, afirma o Catecismo: "Esta transmissão viva, realizada no Espírito Santo , chama-se Tradição, pois é distinta da Sagrada Escritura, embora esteja intimamente ligada a ela”. (Catecismo da Igreja Católica n.78)

Um dos últimos documentos da Comissão Teológica Internacional afirma nesta linha: "A tradição é a transmissão fiel da Palavra de Deus, testemunhada no cânon da Escritura pelos profetas e apóstolos, e na leiturgia (liturgia), martyria (testemunho ) e diaconia (serviço) da Igreja”.[94]

A Comissão Teológica também afirmou há alguns anos: “A tradição (Paradosis) não é, em última análise, outra coisa que a comunicação que Deus Pai faz de si mesmo por meio de Jesus Cristo no Espírito Santo, em vista de uma presença sempre nova na comunidade da Igreja . Desde o início, esta Tradição viva na Igreja assume muitas formas diferentes em tradições particulares (traditiones). Sua riqueza inesgotável se manifesta em uma pluralidade de doutrinas, canções, símbolos, ritos, disciplinas e instituições”.[95]

Mais precisamente, a comunicação que a Trindade faz de si mesma através de Cristo permanece sempre presente, através da Tradição na palavra da Igreja e “... ."[96]

Os primeiros Concílios mostram que "a história dos dogmas é o processo de uma interpretação ininterrupta e viva da Tradição"[97]

O Segundo Concílio de Nicéia afirmou a doutrina dos Padres segundo a qual o Evangelho é transmitido na Paradosis, ou seja, na Tradição da Igreja Católica guiada pelo Espírito Santo.[98], O Concílio de Trento[99] defendeu esta doutrina, o Concílio Vaticano I (1869-1870) reafirmou a doutrina de Trento[100] e, desenvolvendo-o, reconheceu, nas pegadas de S. Vincenzo di Lerino, que há progresso na Igreja na compreensão da Tradição apostólica: "Que a inteligência e a sabedoria, tanto dos séculos como dos homens e de toda a Igreja, mas somente em seu próprio setor, mesmo dogma, no mesmo significado, na mesma afirmação [Vinc. Lir. Comum., N. 28] "[101]

O Concílio Vaticano II ensinou que, com a ajuda do Espírito Santo, há na Igreja um progresso da Tradição apostólica e assim a Igreja caminha para a plenitude da Verdade. As riquezas desta Tradição estão difundidas na prática e na vida da Igreja, as obras dos Padres indicam a presença da Tradição. [102]

Na carta apostólica Ecclesia Dei (1988), o Papa João Paulo II falou, nesta linha, de uma Tradição viva. [103]

A tradição, portanto, não é estática e bloqueada, mas está viva e progride na Igreja com a ajuda do Espírito Santo.

Tradição e Sagrada Escritura brotam de Deus e formam uma e a mesma coisa entre si... "Ambas tornam presente e fecundo o mistério de Cristo na Igreja..." (Catecismo da Igreja Católica n. 80)

A Sagrada Escritura e a Tradição constituem o sagrado depósito da Palavra de Deus.

Dei Verbum afirma no n. 10: "A Sagrada Tradição e a Sagrada Escritura constituem um único depósito sagrado da palavra de Deus confiada à Igreja" [104]

O Catecismo da Igreja Católica afirma no n. 84: "O depósito (Cf 1 Tm 6,20; 2 Tm 1,12-14) da fé (" depositum fidei "), contido na Sagrada Tradição e na Sagrada Escritura, foi confiado pelos Apóstolos a toda a Igreja ".

Aderindo a este sagrado depósito: "... todo o povo santo, unido aos seus Pastores, persevera assiduamente no ensinamento dos apóstolos e na comunhão fraterna, no partir do pão e nas orações (cf. Atos 2,42 gr.) , para que, ao conservar, praticar e professar a fé transmitida, se estabeleça uma singular unidade de espírito entre pastores e fiéis...”[105]

A Igreja, portanto, obtém certeza sobre todas as coisas reveladas não apenas na Escritura, mas também na Tradição, portanto, ambas devem ser aceitas e veneradas com igual sentimento de piedade e reverência. [106]

A estreita ligação entre a Bíblia e a Tradição surge também considerando que: “A crítica histórica da Escritura tem conseguido destacar que a própria Bíblia é eclesial; está enraizado na paradosis da Igreja primitiva, e a fixação de suas fronteiras canônicas é um processo eclesial de decisão. Assim, a exegese nos leva de volta ao dogma e à Tradição.”[107]

O Catecismo da Igreja Católica al. 111, retomando a Dei Verbum, afirma que a Escritura deve ser lida e interpretada sob a orientação do Espírito Santo, que é seu autor principal, a Dei Verbum especifica a esse respeito que: "... luz do mesmo Espírito pelo qual foi escrito [25], para obter o sentido exato dos textos sagrados, deve-se atentar com não menos diligência ao conteúdo e à unidade de toda a Escritura, tendo em conta a tradição viva de toda a Igreja e da analogia da fé”.[108] ... É este mesmo Espírito de Verdade que, justamente para nos levar a uma correta interpretação bíblica, também nos leva a saber o que os hagiógrafos realmente queriam dizer e Deus gostava de manifestar com suas palavras.[109]

Em um importante discurso aos membros da Pontifícia Comissão Bíblica, Bento XVI afirmou que existem três critérios válidos para uma interpretação da Escritura em conformidade com o Espírito Santo, que é o seu autor principal: "Em primeiro lugar, grande atenção deve ser pago ao conteúdo e unidade de toda a Escritura... Em segundo lugar, é necessário ler a Escritura no contexto da tradição viva de toda a Igreja. … Como terceiro critério é preciso atentar para a analogia da fé… Para respeitar a coerência da fé da Igreja, o exegeta católico deve ter o cuidado de perceber a Palavra de Deus nesses textos, dentro da própria fé do Igreja. … Além disso, a interpretação das Sagradas Escrituras … deve ser sempre comparada, inserida e autenticada pela tradição viva da Igreja. Esta norma é decisiva para esclarecer a relação correta e recíproca entre a exegese e o Magistério da Igreja. ... existe uma unidade inseparável entre Sagrada Escritura e Tradição...: "... Portanto, ambas devem ser aceitas e veneradas com igual sentimento de piedade e reverência" (Dei Verbum, 9). Como sabemos, esta palavra “pari pietatis effectu ac reverentia” foi criada por São Basílio... Ela exprime precisamente esta interpenetração entre Escritura e Tradição. Só o contexto eclesial permite compreender a Sagrada Escritura como autêntica Palavra de Deus...” [110]

Há, portanto, uma profunda interpenetração entre Escritura e Tradição. Só o contexto eclesial permite compreender a Sagrada Escritura como autêntica Palavra de Deus.

Mais amplamente, deve-se dizer que a Sagrada Escritura, a Tradição e a comunhão da Igreja estão profundamente unidas entre si.[111]

Na liturgia manifesta-se de modo particular a ligação da Tradição com a comunhão eclesial [112]

A Igreja é ao mesmo tempo lugar, sinal e instrumento da Tradição: “A Igreja é sacramento, ou seja, ao mesmo tempo, lugar, sinal e instrumento da Paradosis. Anuncia o Evangelho das obras salvíficas de Deus (martyria); transmite a confissão de fé aos que batiza…; confessa a sua fé no momento do partir do pão e na oração (leitourgia...); serve a Jesus Cristo nos pobres, nos perseguidos, nos prisioneiros, nos doentes e nos moribundos (diaconia […]). "[113]

Nesta linha, sobre os aspectos essenciais da Tradição, lemos: “A lex orandi (a norma da oração), a lex credendi (a norma da fé) e a lex vivendi (a norma da vida) são todos aspectos essenciais da esta Tradição. "[114]

O mesmo documento da Comissão Teológica Internacional especifica: "Os componentes vitais da Tradição são, portanto: um estudo constantemente renovado da Sagrada Escritura, o culto litúrgico, a atenção ao que as testemunhas da fé nos ensinaram ao longo da história, a catequese que alimenta o crescimento na fé, amor prático a Deus e ao próximo, o ministério eclesial estruturado e o serviço prestado pelo Magistério à Palavra de Deus”.[115]

A fidelidade à Tradição é obviamente fundamental para a Igreja…: “A fidelidade à Tradição apostólica é um critério da teologia católica. Esta fidelidade exige que os vários testemunhos e expressões da Tradição apostólica ainda em curso sejam acolhidos de forma ativa e com discernimento. Envolve o estudo da Sagrada Escritura, a liturgia e os escritos dos Padres e Doutores da Igreja, bem como a atenção ao ensinamento do Magistério”.[116]

A tradição, portanto, não é estática e bloqueada, mas está viva e progride na Igreja com a ajuda do Espírito Santo. Obviamente é necessário distinguir a Tradição viva e verdadeira e seu verdadeiro progresso dos erros que na história da Igreja se espalharam entre os fiéis também por causa de alguns Pastores... A Tradição apostólica preservada pelo Espírito Santo é indefectível e incorruptível. [117]

A tradição deve ser distinguida das tradições humanas e os critérios para esse discernimento são:

1) a coerência intrínseca da Tradição;

2) apostolicidade;

3) catolicidade;

4) lex orandi e lex credendi.[118]

A interpretação da Tradição é confiada à Igreja e em particular aos Bispos, especialmente ao Papa, a interpretação autêntica da Tradição pertence.[119]

A função do Magistério em relação à interpretação da Tradição consiste em estimular, acompanhar, dirigir e, portanto, ratificar e definir o processo de interpretação na Igreja para que este seja concluído e fixado por declaração da Autoridade Eclesiástica e seja vinculante. [120]

A função do Magistério inclui, perante os erros que põem em perigo a fé e a salvação eterna das almas, a possibilidade de intervir, condenar e excomungar.[121]

A função do Magistério em relação à interpretação da Tradição deve ser desempenhada como serviço à Palavra de Deus, em fidelidade ao que foi transmitido: "O ofício de interpretar autenticamente a Palavra de Deus, escrita ou transmitida .. ., é confiada unicamente ao magistério vivo da Igreja..., cuja autoridade se exerce em nome de Jesus Cristo. Este magistério, no entanto, não é superior à palavra de Deus, mas a serve, ensinando apenas o que foi transmitido, na medida em que, por mandato divino e com a ajuda do Espírito Santo, ouve piedosamente, guarda e expõe fielmente essa palavra , e deste único depósito de fé ele tira tudo o que ele se propõe a acreditar como revelado por Deus ".[122]

Isso significa que o Magistério deve interpretar e não destruir ou distorcer o depósito da fé.

Para que a interpretação dos dogmas e o desenvolvimento da doutrina sejam realizados corretamente e não sejam uma distorção ou destruição da verdade espalhada por Cristo, St. JH Newman, um famoso teólogo inglês, ofereceu sete princípios: "

1) Preservação do tipo ...

2) Continuidade de princípios...

3) Poder de assimilação...

4) Consequência lógica...

5) Antecipação do futuro...

6) Influência conservadora do passado...

7) Vigor duradouro..."[123]

Cristo reina e sua Luz irradia poderosamente em nós.

5) O Papa está sujeito à lei divina e obrigado pela ordem dada por Jesus Cristo à sua Igreja; o Papa está a serviço da Palavra de Deus e não acima dela.

Deus nos ilumine cada vez melhor.

Vimos acima que o Papa não tem poder absoluto.[124]

Dissemos acima que "O Romano Pontífice está - como todos os fiéis - sujeito à Palavra de Deus, à fé católica e é o fiador da obediência da Igreja e, neste sentido, servus servorum".[125]

Notamos que o Papa não deve decidir segundo a sua vontade, mas segundo a vontade do Senhor, que fala ao homem através da Sagrada Escritura vivida e interpretada pela Tradição. Portanto, o ministério do Papa tem os limites que procedem da lei de Deus e da inviolável constituição divina da Igreja contida na Revelação. [126]

Por outro lado, a finalidade do Primado petrino é, como vimos: a unidade de fé e comunhão de todos os crentes em Cristo e por isso o Papa tem um carisma especial.[127] Obviamente, o próprio Papa deve ser o primeiro a submeter-se à Palavra de Deus e à fé católica para servir aquela unidade de fé e comunhão necessária para o cumprimento da missão salvífica da Igreja.

Vimos também acima que o Catecismo da Igreja Católica afirma no n. 85 que: "O ofício de interpretar autenticamente a Palavra de Deus escrita ou transmitida foi confiado apenas ao Magistério vivo da Igreja ...", mas especificamos que: ".. Magisterium ... não está acima da Palavra de Deus, mas o serve, ensinando apenas o que lhe foi transmitido, na medida em que, por mandato divino e com a ajuda do Espírito Santo, ele o escuta piedosamente, o guarda e o expõe fielmente, e desse único depósito de fé ele tira tudo o que ele propõe de crer como revelado por Deus”. [128]

O Papa está, portanto, a serviço da Palavra de Deus; Deus fala ao homem através da Sagrada Escritura vivida e interpretada pela Tradição.

O Papa Bento XVI disse: “O poder conferido por Cristo a Pedro e seus sucessores é, em sentido absoluto, um mandato para servir. O poder de ensinar na Igreja implica um compromisso a serviço da obediência à fé. O Papa não é um soberano absoluto, cujo pensamento e vontade são lei. Pelo contrário: o ministério do Papa é garantia de obediência a Cristo e à sua Palavra. Ele não deve proclamar suas próprias ideias, mas deve constantemente vincular-se a si mesmo e à Igreja à obediência à Palavra de Deus, diante de todas as tentativas de adaptação e diluição, como diante de todo oportunismo”.[129]. O Papa está e deve estar ciente de que, em suas grandes decisões, está ligado à grande comunidade de fé de todos os tempos, às interpretações vinculantes que cresceram ao longo do caminho de peregrinação da Igreja, ou seja, aos dogmas e afirmações estabelecidas pela Igreja ao longo dos séculos. O poder do Papa não está acima da Palavra de Deus, mas está a seu serviço e a ele cabe a responsabilidade de fazer com que esta Palavra de Deus continue presente em sua grandeza e ressoe na pureza de sua Verdade, para que não é dilacerado por erros. A Cátedra é um símbolo de poder de ensino, mas este ensino deve ser realizado em profunda obediência à Verdade que se manifesta nessa Palavra para que esta Verdade brilhe entre nós e nos mostre o caminho para o Céu. [130]

Nesta linha, os Bispos alemães afirmaram: “O Papa está sujeito à lei divina e obrigado pela ordem dada por Jesus Cristo à sua Igreja. O Papa não pode modificar a constituição que a Igreja recebeu de seu Fundador…. A Constituição da Igreja repousa sobre um fundamento que vem de Deus e, portanto, não pode estar à mercê da vontade humana. Como o Concílio Vaticano expôs em palavras claras e compreensíveis e como a própria natureza da coisa se manifesta, a infalibilidade é uma propriedade que se refere apenas ao supremo Magistério do Papa; e isso coincide precisamente com a esfera do Magistério infalível da Igreja em geral e está ligado ao que está contido na Sagrada Escritura e na Tradição, bem como às definições já emitidas pelo Magistério eclesiástico "[131]. Sublinho: o Papa está sujeito à lei divina e obrigado pela ordem dada por Jesus Cristo à sua Igreja… o Papa não pode modificar a constituição que a Igreja recebeu do seu Fundador…. a Constituição da Igreja repousa sobre um fundamento que vem de Deus e, portanto, não pode estar à mercê da vontade humana; infalibilidade... refere-se apenas ao Magistério supremo do Papa e este está ligado ao que está contido na Sagrada Escritura e na Tradição, bem como às definições já emitidas pelo Magistério eclesiástico.

Como S. João Paulo II "8. O Romano Pontífice... tem a "sacra potestas" para ensinar a verdade do Evangelho, administrar os sacramentos e governar pastoralmente a Igreja em nome e com a autoridade de Cristo, mas este poder não inclui em si qualquer poder sobre o direito natural ou positivo divino. Nem a Escritura nem a Tradição conhecem uma faculdade do Romano Pontífice para a dissolução de um matrimônio ratificado e consumado; pelo contrário, a prática constante da Igreja demonstra a consciência segura da Tradição de que tal poder não existe. As fortes expressões dos Romanos Pontífices são apenas o eco fiel e a interpretação autêntica da convicção permanente da Igreja”. [132] Nota: o Papa não tem poder sobre a lei divina natural ou positiva! A Congregação para a Doutrina da Fé em texto com a aprovação do s. O Papa João Paulo II, disse: "Fiel à palavra de Jesus Cristo (Mc 10,11, 12-1640:" Quem se divorciar de sua mulher e casar com outra comete adultério contra ela; se a mulher se divorciar do marido e casar com outro, comete adultério " .), a Igreja afirma que não pode reconhecer uma nova união como válida se o casamento anterior era válido. ... os divorciados voltaram a casar no civil, encontram-se numa situação objectivamente conflitante com a lei de Deus e, portanto, não podem aceder à Comunhão Eucarística, enquanto esta situação persistir... a Igreja... cuida de acompanhá-los pastoralmente e convidá-los a participar da vida eclesial na medida em que esta seja compatível com as disposições do direito divino, sobre as quais a Igreja não tem poder de dispensa (cf. Catecismo da Igreja Católica, n. XNUMX.) »[133]  …. o Magistério deve ser fiel à Sagrada Escritura e à Tradição…. o Papa não tem poder sobre a lei divina natural ou positiva!

Um Papa que quisesse mudar a lei divina, em particular, seria um herege, como explica S. Afonso: "67 ... Mas respondemos que não há dúvida de que o Papa poderia ser deposto pelo concílio, quando ele foi declarado herege, como o que ele definiu como uma doutrina oposta à lei divina ..." [134]

Deus nos ilumine cada vez melhor.

O Papa está ao serviço da Palavra de Deus e conta com a ajuda do Espírito Santo para interpretar a Escritura e a Tradição que lhe são transmitidas; o Papa, como disse o Cardeal Müller, “… não é, na realidade, uma Fonte de Fé. A revelação não é dada ao Magistério vivo da Igreja na propriedade, mas a ela é confiada apenas para ser explicada de forma vinculante. O Papa goza apenas de uma assistência no Spiritus Sancti e não de uma iluminação ou inspiração da verdade divina " [135]

Ressalto que o Papa está a serviço da Palavra de Deus, o Papa não é a fonte da fé.

A declaração Mysterium Fidei, da Congregação para a Doutrina da Fé, afirma nesta linha que o carisma da infalibilidade dos Pastores: "... Colégio Episcopal, (Conc. Vat I: Constituição dogmática "Pastor aeternus", cap. 4; Dec. Concílio Oec (3), p. 816 (Denz-Schön. 3070). Cf. Concílio Vaticano II: Constituição dogmática sobre a Igreja " Lumen gentium", 21.11.1964, n. 25, et Constituição dogmática sobre a revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 4; Const. Decr. Decl., P. 141 et 426) dispensa o compromisso de escrutinar, com o uso de meios apropriados, o tesouro da Revelação divina contido nos Livros Sagrados, que nos ensinam intacta a verdade que Deus quis que fosse escrita em vista da nossa salvação, (Cf. Conc. Vat. II: Constituição Dogmática sobre a Revelação Divina Dei Verbum, n. 11; Const. Decr. Decl., P. 434) e na Tradição Apostólica viva (Cf. Ibid., N. 9 s.; Const. Decr. Decl. ., pp. 430-432 )…. "[136]

O Papa, portanto, deve esquadrinhar o tesouro da Revelação Divina para interpretá-la e não deve confiar nas revelações que lhe são feitas ou, muito menos, em suas idéias ou preferências.

O Magistério deve ser fiel à Sagrada Escritura e à Tradição…. e, portanto, deve ensinar apenas o que foi transmitido; portanto, com a ajuda do Espírito Santo, deve ouvir, guardar e expor a Palavra de Deus, extraindo do sagrado depósito constituído pela Sagrada Escritura e pela Tradição tudo o que se propõe a crer como revelado por Deus.

O Cardeal Müller disse a esse respeito: “Em primeiro lugar, o Papa deve permanecer em pleno acordo com a revelação, preservada e testemunhada nas Sagradas Escrituras e na tradição apostólica. Então ele também deve reconhecer formalmente todas as decisões dogmáticas dos concílios e papas que o precederam. "[137]

O próprio Cardeal acrescentou: “Portanto, a infalibilidade em matéria de fé e moral é dada apenas quando um Papa propõe uma doutrina de fé revelada à fé de toda a Igreja. No entanto, ele não pode propor à fé da Igreja - como lhe foi revelada - suas experiências pessoais de vida, suas avaliações subjetivas ou certas teorias filosóficas ou teológicas. Porque a revelação em sua realidade constitutiva terminou definitivamente com a morte do último apóstolo”.[138]

Na carta aos Gálatas, lemos: “Admiro-me que, tão rapidamente, daquele que vos chamou com a graça de Cristo, passais a outro evangelho. Mas não há outro, exceto que há alguns que te incomodam e querem subverter o evangelho de Cristo. Mas ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos proclame um evangelho diferente daquele que anunciamos, seja anátema! Já o dissemos e agora repito: se alguém vos anunciar um evangelho diferente daquele que recebestes, seja anátema!” (Gálatas 1, 6ss)

Nem mesmo o Papa pode subverter o Evangelho de Cristo... e de fato o Papa é chamado de maneira especial a guardar este Evangelho. O "depósito" da fé ("depositum fidei"), contido na Sagrada Tradição e na Sagrada Escritura, foi confiado pelos Apóstolos a toda a Igreja e o Magistério está precisamente ao serviço da Palavra de Deus e deve guardá-la e não deformar para o verdadeiro bem da Igreja.

a) É necessário distinguir bem o verdadeiro desenvolvimento da doutrina da alteração da mesma.

Ressalto que o Magistério, como mencionado, é chamado a interpretar a Tradição e a Escritura e que o Magistério não é superior à Tradição ou à Escritura mas, portanto, a ela serve o Magistério deve interpretar e não destruir ou distorcer o depósito da fé.

As palavras de S. Paulo mencionados um pouco acima valem também para os Pastores e para o Papa.

São Vicente de Lerins afirmou: “Na Igreja Católica é necessário ter o maior cuidado em manter o que foi acreditado em todos os lugares, sempre e por todos. Isso é verdadeira e propriamente católico... Mas isso certamente acontecerá se seguirmos a universalidade, a antiguidade, o consenso.
Seguiremos a universalidade desta forma: se confessarmos como verdadeira e única fé aquela que toda a Igreja professa em todo o mundo; (seguiremos) a antiguidade desta maneira: se não nos retirarmos dos julgamentos que nossos santos ancestrais e pais evidentemente proclamaram; (seguiremos) o consenso da mesma forma: se, nesta mesma antiguidade, aceitamos as definições e doutrinas de todos, ou quase todos, os Bispos e Mestres." (tradução minha de Sancti Vincentii Lirinensis" Commonitorium "PL 50, 640 ) .

O texto de S. Vicente acrescenta ainda que se uma parte da Igreja se afasta da fé universal, é necessário preferir a saúde de toda a Igreja a algum grupo que se perverteu; se a heresia quer contagiar toda a Igreja, o cristão deve comprometer-se a aderir à antiga doutrina que é inatacável pela heresia; se for descoberto que no passado um erro foi espalhado por um grande grupo de pessoas, os decretos de um concílio universal devem ser aplicados contra ele; se surge uma nova opinião, nunca antes enfrentada pelos estudiosos da Igreja, é necessário permanecer firme no que foi unanimemente afirmado por todos os verdadeiros Padres da Igreja, aprovado pelos mesmos (cf. Sancti Vincentii Lirinensis “Commonitorium” PL 50, 640s).

Ainda afirma s. Vincenzo di Lerins que “Portanto, anunciar aos cristãos católicos algo diferente do que eles receberam nunca foi lícito, absolutamente não é lícito e nunca será lícito; e anatematizar aqueles que anunciam algo diferente do que já foi recebido sempre foi necessário, é absolutamente necessário e sempre será necessário” (tradução minha de Sancti Vincentii Lirinensis “Commonitorium”, PL 50, 649).

O mesmo santo explicou ainda que o progresso na sã doutrina católica será e também será muito grande, mas devemos, no entanto, ter cuidado para que seja um verdadeiro progresso da fé e não uma mudança e, portanto, uma deformação. À medida que uma criança se desenvolve permanecendo a mesma pessoa, o verdadeiro progresso ocorre através do desenvolvimento interno, "o gênero da doutrina, a própria doutrina, seu significado e seu conteúdo devem permanecer sempre os mesmos."; o dogma da religião cristã também progride, mas deve permanecer sempre absolutamente intacto e inalterado e, para o verdadeiro desenvolvimento, não deve haver contradições entre a doutrina anterior e a seguinte.[139]

As afirmações de S. Paulo e S. Vincenzo foram retirados de dois documentos fundamentais do Magistério eclesiástico: a Bula "Ineffabilis Deus" de Pio IX e a Constituição dogmática "Dei Filius"

Na bula "Ineffabilis Deus" lemos: "Christi enim Ecclesia, sedula depositum apud se dogmatum custos et vindex, nihil in his umquam permutat, nihil minuit, nihil addit, sed omniindustria vetera fideliter sapienterque tractando si qua antiquitus informata sunt et Patrum fides , ita limare, expolire studet, ut prisca illa caelestis doctrinae dogmata accipiant evidenceiam, lucem, distinctem, sed retineant plenitudinem, integritatem, proprietatem, ac em seu gênero tantum crescant, in eodem scilicet dogmate, eodem sensu edemque sententia." [140]

O que significa o seguinte: "Com efeito, a Igreja de Cristo, fiel guardiã e fiadora dos dogmas que lhe foram confiados, nunca os modificou, não lhes retirou nem acrescentou nada, mas tratou com todo o cuidado, de e sábia, as doutrinas do passado para descobrir aquelas que se formaram nos tempos primitivos e que a fé dos Padres semeou, preocupa-se em arquivar e refinar aqueles antigos dogmas da Revelação Divina, para que recebam clareza, evidência e precisão , mas conservam sua plenitude, sua integridade e sua especificidade e se desenvolvem apenas em sua própria natureza, ou seja, no contexto do dogma, mantendo o conceito e o significado inalterados”. [141]

Na Constituição Dogmática "Dei Filius" lemos: "Neque enim fidei doctrina, quam Deus revelavit, velut philosophicum inventum proposita est humanis ingeniis perficienda, sed tamquam divinum depositum Christi Sponsae traído, fideliter custodienda et infallibiliter declaranda. Hinc sacrorum quoque dogmatum is sensus perpetuo est retinendus, quem semel declaravit sancta mater Ecclesia, nec umquam ab eo sensu altioris intelligentiae specie et nomine recedendum (cân. 3). "Crescat igitur ... et multum vehementerque proficiat, tam singulorum quam omnium, tam unius hominis quam totius Ecclesiae, aetatum ac saeculorum gradibus, intelligentia, scientia, sapientia: sed em sua espécie dumtaxat, in eodem scilicet dogmate, eodem sensu eadu".[142] Que em italiano é traduzido com as seguintes palavras: "A doutrina da fé que Deus revelou não é proposta às mentes humanas como uma invenção filosófica a ser aperfeiçoada, mas foi entregue à Esposa de Cristo como um depósito divino para ele fielmente guardá-lo e ensiná-lo com ensino infalível. Portanto, esse significado dos dogmas sagrados que a Santa Madre Igreja declarou deve ser aprovado em perpetuidade, e nunca se deve retirar desse significado sob o pretexto ou com as aparências de uma inteligência mais completa. Portanto, ao longo dos tempos e dos séculos, que a inteligência e a sabedoria cresçam e progridam vigorosamente, tanto dos séculos e dos homens, como de toda a Igreja, mas apenas em seu próprio setor, isto é, no mesmo dogma, no mesmo significado. , na mesma declaração [Vinc. Lir. Comum., N. 28]. "[143] A regra estabelecida pelo Concílio Vaticano I é válida também para o Papa: "aquele significado dos dogmas sagrados que a Santa Madre Igreja declarou deve ser aprovado em perpetuidade, e nunca se deve retirar desse significado sob o pretexto ou com as aparências de uma inteligência mais completa." ... de fato, o Papa deveria dar um exemplo da implementação desta regra ...

Em sintonia com essas afirmações, lembramos que o modernismo com seus erros foi condenado pela Igreja e o juramento antimodernista diz, entre outras coisas: pais" no mesmo sentido e sempre no mesmo conteúdo"; e por isso rejeito totalmente a invenção herética da evolução dos dogmas, que passam de um significado a outro, diferente do que a Igreja acreditava anteriormente" [144].

O desenvolvimento da doutrina implica que a fé permaneça substancialmente a mesma e que a doutrina deve ser entendida "no mesmo sentido e sempre no mesmo conteúdo"... .

A Declaração "Mysterium Ecclesiae" sobre a doutrina católica sobre a Igreja para defendê-la de alguns erros de hoje publicada em 1973 pela Congregação para a Doutrina da Fé [145] reitera o que estamos dizendo.

Ressalto que, como vimos acima, para verificar se a interpretação dos dogmas e o desenvolvimento da doutrina são cumpridos corretamente e não é uma distorção ou destruição da verdade difundida por Cristo, St. JH Newman, um famoso teólogo inglês, ofereceu sete princípios: "

1) Preservação do tipo ...

2) Continuidade de princípios...

3) Poder de assimilação...

4) Consequência lógica...

5) Antecipação do futuro...

6) Influência conservadora do passado...

7) Vigor duradouro..."[146]

A questão que examinamos é obviamente de extrema importância considerando também o que s diz. Tomás de Aquino: "Dicendum quod hoc pro firmo est tenendum, unam esse fidem antiquorum et modernorum: alias non esset una Ecclesia."(De veritate, q. 14, a. 12c). (…) Deve-se manter firmemente que a fé dos antigos e dos modernos é uma só, caso contrário a Igreja não seria uma. Para ser sempre uma, a Igreja deve professar uma só fé; a unidade da Igreja implica a unidade da fé.

Cristo reina e sua Luz irradia poderosamente em nós.

Cristo reina e dá presentes aos seus fiéis para que permaneçam sempre na verdade... e, portanto, também aos seus fiéis para desmascarar e se opor à obra dos Pastores, especialmente dos Papas, que trabalham pela distorção da sã doutrina. Como veremos no próximo parágrafo, a história da Igreja já conhece vários casos de Papas que trabalharam pela distorção da sã doutrina.

6) Erros de alguns Papas na história.

Que Deus nos ilumine de forma particularmente intensa ao lidar com este assunto difícil.

Tivemos vários casos de erros graves por parte de Papas com escândalo evidente, infelizmente, no curso da história.

Pense em primeiro lugar no caso de s. Pedro mencionado na carta aos Gálatas de S. Paulo: “Mas quando Cefas chegou a Antioquia, eu me opus abertamente a ele porque ele estava errado. De fato, antes que alguns viessem de Tiago, ele comia junto com os pagãos; mas, depois que eles chegaram, começou a evitá-los e a se afastar, por medo dos circuncidados. E os outros judeus também o imitaram na simulação, tanto que até Barnabé se deixou levar pela hipocrisia deles. Mas quando vi que eles não estavam se comportando corretamente de acordo com a verdade do Evangelho, eu disse a Cefas na presença de todos: "Se você, que é judeu, vive como os pagãos e não como os judeus, como você pode obrigar os pagãos a viver à maneira dos judeus? "" (Gl 2,11:XNUMX ss)

Constatamos que já no tempo de S. Agostinho parecia a alguns impossível que o Papa s. Pedro poderia estar errado, como podemos ler no episódio narrado em Gal. 2, mesmo S. Agostinho teve que defender a verdade das palavras de S. Paulo partiu em Gal. 2 com o qual o erro de Pedro e a correção feita por S. Paulo [147] …. POR ISSO NÃO É ESTRANHO QUE AINDA HOJE PARA ALGUÉM PARECE IMPOSSÍVEL UM ERRO DO PAPA MAS A HISTÓRIA É CLARA EM AFIRMAR QUE ESSE ERRO ACONTECEU VÁRIAS VEZES… O erro de s. Pietro foi tratado por vários autores, s. Thomas em Super Gal., C. IIl. 3, trata extensivamente dessa passagem da carta aos Gálatas e das questões que ela coloca.

O S. O médico em particular afirma: “Ex praedictis ergo habemus exemplum: praelati quidem humilitatis, ut non dedignentur a minoribus et subditis corrige; subditi vero exemplum zeli et libertatis, ut non vereantur praelatos corrigere, praesertim si crimen est publicum et in periculum multitudinis vergat. Pastores S. Pedro oferece um exemplo de humildade que torna os sujeitos abertos à correção implementada pelo inferior, v. Paulo oferece um exemplo de zelo e liberdade para corrigir os superiores em seus erros, especialmente se o crime for público e se tornar um perigo de dano às almas.

Evidentemente sim. Peter estava errado, ele se comportou de forma hipócrita e isso causou um verdadeiro escândalo, portanto sim. Paulo corretamente o corrigiu na frente de todos; s. Thomas afirma: “Unde dicit dixi Cephae, id est, Petro, coram omnibus, quia simulatio illa in periculum omnium erat. Tim. V, 20: peccantem coram omnibus argumentam. Quod intelligendum est de peccatis manifestis, et non de occultis, in quibus debet servari ordo fraternae correctis. (Super Gal., C. 2 l. 3)

Os pecados manifestos devem ser corrigidos publicamente de acordo com o que o próprio S. diz. Paulo em 1 Tim. 5,20.

Pense, então, no caso do Papa Honório que foi até condenado e anatemizado por um Papa, Leão II, e, portanto, por outros Papas e Concílios Ecumênicos, em primeiro lugar pelo III Concílio de Constantinopla, após sua morte. [148], na famosa "História da Igreja" dirigida por Jedin fala-se muito sobre os erros de Honório e sua condenação [149] Em 9 de agosto de 681, no final da XVI sessão, do III Concílio de Constantinopla, os anátemas contra todos os hereges e defensores da heresia foram renovados, incluindo Honório com estas declarações: "Sergio haeretico anathema, Cyro haeretico anathema, Honorio haeretico anathema , Pyrro, anátema haeretico "(Mansi, XI, col. 622). [150]

Pense, então, no Papa Libério que sucumbiu ao erro ao condenar e excomungar S. Atanásio, grande defensor da fé nicena e assinando uma profissão de fé não-nicena... dando um escândalo evidente, ainda que sob forte pressão do imperador que o havia mandado para o exílio. [151]

Como Simonetti aponta: "O fracasso de L. é documentado por quatro de suas cartas ... também é confirmado por outras fontes (Athanasius, Apologia contra Arianos 89; Historia Arianorum 41; Girolamo, De viris illustribus 97)" [152]

São Jerônimo praticamente afirma (De viris illustribus 97) que Libério subscreveu a heresia... Certamente Libério cedeu sob a forte pressão do imperador, isso é claramente especificado pelo s. Atanásio (Historia Arianorum 41) que aponta que Libério estava do lado do próprio Atanásio enquanto ele estivesse totalmente livre.

Pense nas palavras com que S. Bruno di Segni definiu: “… o tratado de Ponte Mammolo, assinado por Pasquale II uma 'heresia', lembrando as determinações de muitos concílios:“ Quem defende a heresia - escreve ele - é um herege. Ninguém pode dizer que isso não é uma heresia "."[153] Vejamos o que aconteceu: "Cedendo à intimidação do rei, Pasquale II aceitou um compromisso humilhante, assinado em Ponte Mammolo em 12 de abril de 1111. O Papa concedeu a Henrique V o privilégio da investidura dos bispos ... O abade de Montecassino , segundo o Chronicon Cassinense (PL, vol. 173, col. 868 CD), ele protestou vigorosamente contra o que chamou não de privileium, mas de pravilegium, e promoveu um movimento de resistência à rendição papal. Em carta endereçada a Pedro, bispo do Porto, define o tratado de Ponte Mammolo como uma "heresia", lembrando as determinações de muitos concílios: "Quem defende a heresia - escreve ele - é herege. Ninguém pode dizer que isso não é uma heresia” (Carta Audivimus quod, in PL, vol. 165, col. 1139 B). …. Bruno convidou o Papa a condenar a heresia, pois "quem defende a heresia é herege" (Carta Inimici mei, in PL, vol. 163, col. 463 AD). Pasquale II não tolerou essa voz dissidente e o demitiu como abade de Montecassino. ... Alguns anos depois, em um conselho que se reuniu no Latrão em março de 1116, Pasquale II retirou o acordo de Ponte Mammolo." [154]

Para um estudo significativo sobre o erro do Papa Pascoal II e sobre a oposição a ele por S. Bruno e Vescovi e outros santos vêem o que afirma A. Xavier da Silveira em “Hipótese Teológica de um Papa Herege” (Solfanelli 2016) nas pp. 42ss.

Então pense no Papa João XXII [155]. Sobre o erro deste último Papa, veja-se o interessante artigo do prof. R. De Mattei apareceu em 2015[156] e a de Christian Trottmann na "Enciclopédia dos Papas" de Treccani[157] bem como o que afirma a famosa "História da Igreja" dirigida por Jedin [158]. Acho que essa afirmação relatada no artigo do prof. De Mattei "João XXII - escreveu (abençoado) Cardeal Schuster -" tem graves responsabilidades perante o tribunal da história (...) ", porque" ofereceu a toda a Igreja o espetáculo humilhante de príncipes, clérigos e universidades Pontífice no caminho certo da tradição teológica católica, colocando-o na dura necessidade de se abandonar "(Idelfonso Schuster osb, Jesus Cristo na história. Lições de história eclesiástica, Benedictina Editrice, Roma 1996, pp. 116-117)".[159]

De Mattei escreve: "O Papa João XXII apoiou reivindicações praticamente heréticas." O caso de João XXII e seu erro é muito significativo porque mostra como o Papa condenou o Pe. Embora Waleys estivesse certo ... De Mattei escreve: "O erro segundo o qual a visão beatífica da Divindade seria concedida às almas não após o primeiro julgamento, mas somente após a ressurreição da carne, era antigo, mas no 8º século foi refutada por São Tomás de Aquino, especialmente no De veritate (q. 1 ad 12) e na Summa Theologica (I, q. 1, a. 1270). Quando João XXII voltou a propor este erro, foi abertamente criticado por muitos teólogos. Entre os que intervieram no debate estavam Guillaume Durand de Saint Pourcain, bispo de Meaux (1334-1318), que acusou o Papa de repropor as heresias dos cátaros, o dominicano inglês Thomas Waleys (1349-1270), que por sua resistência público sofreu julgamento e prisão, o franciscano Nicola da Lira (1349-1280) e o cardeal Jacques Fournier (1342-XNUMX), teólogo pontifício, autor de um tratado De statu animarum ante generale iudicium. " [160] No entanto, gostaria de salientar que o Pe. Waleys não nasceu em 1318, como diz R. De Mattei, mas nasceu em 1287 e em 1318 formou-se em teologia em Oxford [161], em 17 de janeiro de 1332, ele proferiu um sermão do púlpito de sua Ordem em que atacou a tese pontifícia[162]

Na famosa "História da Igreja" dirigida por Jedin [163] lemos que João XXII escandalizou o mundo com seus sermões e o governante francês criticou esses erros papais e ameaçou agir contra ele por heresia.

Outros exemplos poderiam ser dados de erros cometidos por Papas na linha vista até agora. A Congregação para a Doutrina da Fé admitiu erros por parte dos Papas “Na história do Papado não faltaram erros humanos e até falhas graves: o próprio Pedro, de fato, reconheceu que era um pecador ( Cf. Lc 5,8.). Pedro, um homem fraco, foi escolhido como uma rocha, justamente para que ficasse claro que a vitória é somente de Cristo e não fruto da força humana. O Senhor quis levar o seu próprio tesouro através do tempo em vasos frágeis (cf. 2 Cor 4,7.): Assim a fragilidade humana tornou-se sinal da verdade das promessas divinas e da misericórdia de Deus (Cf. João Paulo II, Lett . Anexo "Ut Unum Sint", de 25.5.1995, nn. 91-94.) "[164]

Como se vê claramente, diante dos erros dos superiores, sobretudo no campo doutrinário, mas também, em alguns casos, no campo moral, alguns sujeitos não ficaram calados, mas efetivamente comovidos, o Espírito Santo que neles estava não pôde tolerar que eles e outros com eles se deixam conduzir pelo caminho do erro. A vida dos verdadeiros cristãos é guiada sobretudo pelo Espírito da Verdade que, precisamente diante dos erros dos superiores, "arma" os inferiores de modo santo para reconduzir à Verdade aqueles que erram ou pelo menos para impedir seu erro de escandalizar os outros, os exemplos vistos deixam claro que isso é verdade em relação a todos os superiores também em relação ao Papa. O Espírito da Verdade não tolera que seus fiéis sejam afastados da Verdade nem mesmo pelo Papa e em a face de seus erros os torna fortes e sábios para corrigi-lo publicamente, se o erro é público e pode prejudicar almas, e trazer os membros da Igreja de volta ao caminho da Verdade.

7) O ensinamento da Tradição sobre a conduta a ser tomada quando o Papa se desviar da fé; esclarecimentos sobre o princípio: "Prima Sedes a nemine iudicatur".

São Gregório Magno declarou: “Subditi praelatos etiam malos tolerent, si salva fide possint… Igitur dum salva fide res agitur virtutis est meritum, si quidquid prioris est toleratur. Debet tamen humiliter sugeriu, fortasse valeat quod displicet emendari. (São Gregório Magno "Moralia in Iob" PL, LXXVI, col. 344-345) Os súditos devem tolerar até os prelados maus, se puderem fazê-lo sem prejudicar a fé...

O Papa Adriano II afirmou que o Papa nunca havia sido julgado exceto no caso de heresia, de fato o Papa Honório havia sido julgado e condenado post-mortem por heresia, de fato, para inferiores, o Papa Adriano continuou, é permitido resistir aos superiores em caso de heresia e rejeitar seus julgamentos perversos.[165]

S. Roberto Bellarmino especificou que não se pode negar que Adriano II, juntamente com o Sínodo Romano e com todo o VIII Concílio Geral, Constantinopolitano IV, era da opinião de que em caso de heresia o Papa poderia ser julgado. [166]

Nesta linha, Santo Isidoro afirmava: “Si vero (quod absit) infidelis sit non manifeste, in nullo læditur obedientia nostra, nisi præceperit contra fidem. Praeterea pravis praelatis obediendum in jussionibus bonis Dominus præcipit, ubi dicit: Quod dicunt, facite, eorum prava opera præcipit evi tanda, cum subjungit: Quod autem faciunt, nolite facere (Mat. Xxiii, 5). In dubiis etiam præceptis, pravis prælatis obediendum est, quamdiu eos Ecclesia toleraverit, nisi ex manifesta prælati infamatione in præcepto juste possit hæresis supicio come. De similibus quoque illaqueationibus idem videtur. In præceptis manifeste malis nullatenus est obediendum, etiam bonis prælatis, quia when Deus occultat majori quod revelat minor.[167] Assim como S. Isidoro: nossa obediência ao Papa, embora não seja manifestamente infiel, permanece intacta, a menos que ele ordene contra a fé; nos preceitos duvidosos os prelados devem ser obedecidos, a menos que por evidente má reputação do prelado, possa haver suspeita de heresia no que foi ordenado; preceitos manifestamente maus não devem ser obedecidos, mesmo que venham de bons prelados.

No decreto de Graciano lemos: “§ 4. Item Paulus Petrum reprehendit, qui princeps apostolorum erat. Unde datur intelligi, quod subditi possunt reprehendere praelatos suos, si reprehensibiles fuerint. Sed hoc easy refellitur, si, unde sit reprehensus, advertitur. Petrus cogebat gentes iudaizare et a veritate euangelii recedere, cum Iudaeis gregem faciens, et a cibis gentilium latenter se subtrahens. Par autem est in se a fide exorbitare, et alios exemplo vel verb a fide deicere. Hoc ergo exemplo non probantur praelati accusandi a subditis, nisi a fide forte exorbitaverint, vel alios exorbitare coegerint. § 5º Item cum Petrus intrasset ad Cornelium, conquesti sunt fratres, quierant in ludea, et reprehenderunt eum, quia ad gentilem diuertisset. Ecce, quod prelati iure possunt reprehendi a subditis”. [168]  Os prelados não podem ser acusados ​​pelos súditos, a menos que os próprios prelados implementem um desvio da fé.

Além disso, pode. Sim Papa do Decreto de Graciano relata as afirmações de s. Bonifácio pelo qual: “Huius culpas istic redarguere presumit mortalium nullus, quia cunctos ipse iudicaturus a nemine est iudicandus, nisi deprehendatur a fide deuius; pro cuius perpetuo statu uniuersitas fidelium tanto instantius orat quanto suam salutem post Deum ex illius incolumitate animaduertunt propensius pendere.[169]

O Papa não deve ser julgado a menos que se desvie da fé; no texto do Corpus Iuris Canonici que acabamos de citar, especifica-se em nota que este cânon se baseia em algumas afirmações de S. Bonifácio que também lhe foram atribuídos por Nauclerus, [170], de Ivone, de muitos e muitos códices Gracianos, e que foram relatados a partir de um texto do Cardeal Deusdedit publicado na época do Papa Victor III [171]

Na edição crítica deste livro por cartão. Deusdedit, escrito por V. Wolf von Glanvell, o texto que nos interessa por s. Bonifácio encontra-se em outro número, em comparação com a edição de Martinucci, na verdade é sempre colocado no primeiro livro, mas no n. CCCVI e não no n. CCXXXI [172]

Precisamente na edição crítica do texto do cartão. Deusdedit[173] deve-se notar que as afirmações de S. Bonifácio não se sabe de alguma fonte que provavelmente foram desenhadas, diz-se na nota, de uma obra de s. Bonifacio que se perdeu, o "De Unitate fidei". No entanto, eles estão na esteira precisa da doutrina católica na verdade eles seguem o que Adriano II já disse[174]  e S. Isidoro[175], como vimos acima, e outro texto de s. Isidoro [176] citado precisamente nas notas da edição crítica do texto por cartão. Deusdedit[177], seguem também as indicações de S. Gregório Magno que vimos acima.

Além disso, no texto de Deusdedit há pelo menos uma outra citação de palavras de St. Bonifácio[178] e também deste texto a origem não é conhecida, provavelmente é tirada, diz-se na nota, de uma obra de s. Bonifacio que se perdeu, o "De Unitate fidei".

Também na obra "De Sancta Romana Ecclesia" por cartão. Umberto da Selva Candida (fragmentum A, 129) encontramos precisamente as afirmações, que estão no Decretum (p. I, dist. 40, c. 6) e na obra do Cardeal Deusdedit, pelas quais o Papa não deve ser julgado a menos que você se desvie da fé; S. Vacca em seu texto "Prima Sedes a nemine iudicatur, gênese e desenvolvimento histórico do axioma até o Decreto de Graciano" (publicado pela Pontificia Università Gregoriana 1993) na p. 176 relata precisamente o texto encontrado no livro do Cardeal Umberto, mas as declarações de Vacca parecem obviamente erradas, segundo as quais o próprio Cardeal, apesar de toda a tradição contrária de que gostaria de imunidade absoluta do Papa, afirma que esta imunidade cessa se o Pope se desvia do anel de casamento. Como se vê claramente no texto do Cardeal Deusdedit e no Decretum, a passagem em questão provém de palavras atribuídas a S. Bonifácio que caem plenamente, como vimos, na esteira da doutrina católica, para a qual, como vimos, alguns séculos antes, em um Concílio Ecumênico, o Papa Honório foi declarado herege, além disso, como veremos mais adiante , nos anos que vão de cerca de 960 a cerca de 1050 alguns papas foram julgados e depostos... o Papa... Card. Umberto da Silva Candida com o Cardeal Deusdedit e com Graciano não inventam algo inexistente, mas seguem o curso da verdadeira Tradição pela qual um Papa que erra na fé pode ser julgado, como Honório I julgado e condenado mesmo depois de sua morte. De acordo com esta Tradição, o Papa Inocêncio III mostrou que aceitava plenamente a afirmação de que o Papa que se desvia da fé pode ser julgado, de fato disse: "In tantum enim fides mihi necessari est, ut cum de ceteris peccatis solum Deum judicem habeam, propter solum peccatum quod in fide committitur possem ab Ecclesia judicari. Nam qui non credit, jam judicalus est (Joan. III).[179] Para nós é importante traduzir, em particular, algumas palavras desta afirmação "somente pelo pecado que cometi em matéria de fé eu poderia ser julgado pela Igreja". creia já foi julgado." [180]

O professor. Grohe especificou: "... a glosa ordinária afirmava que o Papa pode ser deposto não apenas por heresia, mas também por qualquer outro crime ou vício notório (Decretum Gratiani emendatum et notationibus illustratum una cum glossis, Gregorii XIII Pont. Max. Iussu editum , Romae 1582, col. 260). A discussão medieval estabeleceu as seguintes razões para a renúncia ou deposição de um bispo: 1. notoriedade de um crime; 2. evitar um escândalo público; 3. irregularidade canônica; 4. fraqueza física; 5. velhice e doença; 6. incapacidade de compreender e discernir; 7. insanidade e fraqueza de espírito ou impedimento semelhante; 8. total inadequação e inutilidade; 9. maldade do povo que o papa não pode corrigir e não pode mais tolerar; 10. desejo de entrar para um convento, temor pela própria salvação; 12. ordem, bom estado e bem público da Igreja" [181]

São Roberto Bellarmino afirmou: “Assim como é legítimo resistir ao Pontífice que ataca o corpo, é legítimo resistir ao Papa que ataca as almas ou perturba o Estado, e muito mais se tenta destruir a Igreja; é lícito resistir a tal Papa não cumprindo o que ele manda e impedindo que sua vontade seja cumprida, não é lícito julgá-lo, puni-lo ou depô-lo, na verdade isso pertence aos superiores”. [182]

São Roberto trata extensivamente, na mesma obra, também do caso de um Papa que cai em heresia e depois de ter relatado várias opiniões sobre este ponto considera verdadeira a quinta opinião de que um Papa herege deixa de ser Papa e Chefe visível do Igreja, portanto ele pode ser julgado e punido pela Igreja; explica S. Roberto que esta é a sentença de todos os verdadeiros Padres: os hereges manifestos perdem toda a jurisdição; esta é a frase, em particular, diz s. Roberto, de s. Cipriano e esta é a sentença de alguns grandes especialistas de seu tempo, incluindo M. Cano que afirma precisamente que o Papa manifestamente herege não faz parte da Igreja enquanto o Papa ocultamente herege ainda é Papa; a base desta frase é que o Papa herege não é de modo algum membro da Igreja, nem em termos de alma ou corpo, nem por união interna nem por união externa (S. Roberto "De Romano Pontifice" ... p. 835ss). Santo Afonso prevê a possibilidade de um Papa herético ser deposto por um Concílio: “63... Respondemos, não duvidamos que em alguns casos o Concílio pode ser o juiz do Papa, mas quando? Em apenas dois casos: quando o Papa é declarado herege ou quando é duvidoso, como vimos que procederam os concílios de Pisa e Constanz; mas, fora esses dois casos, o concílio não tem autoridade sobre os papas, mas o concílio é obrigado a obedecer ao papa, como provamos acima com tantos certificados dos mesmos concílios. ... 67 ... Mas respondemos que não há dúvida de que o Papa poderia ser deposto pelo Concílio, quando foi declarado herege, como aquele que ele definiu como doutrina oposta à lei divina ... 68 Além disso, certamente Inocêncio não pretendia com essas palavras dizer que o papa, além do caso de heresia, também foi submetido ao concílio contra a autoridade de muitos papas de seus predecessores, que haviam declarado o contrário. São Bonifácio escreveu: A nemine (pontifex) est iudicandus, nisi deprehendatur a fide Devius (Can. 6. Si papa dist. 4.). " [183]

No mesmo texto, s. Afonso também afirma: “67. Para 13. relata a p. Natal que Inocêncio III. Filipe Augusto foi solicitado pelo rei da França a dispensar a dissolução do casamento contraído pelo rei com Ingeburge, com quem havia exposto adfuisse commixtionem sexuum, sed non senum. O papa respondeu: Verum si super hoc absque generalis deliberatione concilii determine aliquid temptaremus, praeter divinam ofensam quam ex hoc possemus incurrere, forsan ordinis et officii nobis periculum immineret. De onde derivam tendo entendido Inocêncio que o concílio poderia ter deposto o papa se ele tivesse dispensado tal casamento contra a lei divina. ... Mas respondemos que não há dúvida de que o papa poderia ser deposto pelo concílio, quando foi declarado herege, pois definiu uma doutrina oposta à lei divina; e este foi o perigo mencionado por Innocenzo (como bem reflete Pe Benetti1 de ser privado da ordem e do ofício: portanto, ele havia escrito antes na mesma carta que não ousava definir este ponto contra o Evangelho que diz: Quod Deus conunxit, Mas porque o perigo era muito remoto, e na reunião o papa queria, com alguma desculpa aparente, livrar-se dos pedidos do rei para a dispensa que procurava, então escreveu aquelas palavras obscuras e duvidosas: forsan ordinis et officii nobis periculum immineret."[184]

Nesta linha: um papa publicamente herético deve ser privado de seu poder, diz o texto de Wernz Vidal, e especifica "ut omnes fere admittunt"[185] … COMO TODO MUNDO ADMITE.

Mais precisamente, explicam Wernz Vidal, que escrevem, ao contrário de s. Afonso e S. Roberto, depois do Concílio Vaticano I: "Per haeresim notoriam et palam divulatam R. Pontifex si in illam incidat, ipso facto etiam ante omnem sententiam declaratoriam Ecclesiae sua potestate iurisdictionis privatus existit" [186] O Papa que cair em heresia notória e manifestamente divulgada, ipso facto e antes de qualquer sentença declaratória é privado de seu poder de jurisdição. A sentença puramente declaratória da heresia papal, continua Wernz Vidal, não faz o papa herege ser julgado, mas o mostra julgado, ou seja, ele declara o fato do crime pelo qual ele é herege e separado da Igreja, cisma é equiparado a o crime de heresia.  [187] nesta linha pode-se consultar com proveito o que A. Xavier da Silveira afirma precisamente sobre os casos de um Papa herege ou cismático, relatando as afirmações de grandes figuras da teologia católica [188].

G. Ghirlanda escreveu a este respeito que se: "... o Romano Pontífice não exprimisse o que já está contido na Igreja, já não estaria em comunhão com toda a Igreja e, portanto, com os outros Bispos, sucessores do Apóstolos."; se a comunhão eclesial falhasse por parte do Papa: "ele não teria mais nenhum poder, porque ipso iure perderia seu ofício primacial". Continuar pág. Ghirlanda especificando que o caso que ele menciona é que: "... admitido na doutrina, da notória apostasia, heresia e cisma, em que o Romano Pontífice poderia cair, mas como um" médico particular ""; se o Papa quisesse espalhar heresias, comprometendo sua autoridade primacial, "... ele ipso jure lapse de seu ofício". De acordo com a pág. Ghirlanda: "Esta eventualidade, no entanto, embora prevista na doutrina, é considerada totalmente improvável devido à intervenção da Divina Providência em favor da Igreja (Cfr FJ Wernz P. Vidal," Ius canonicum ", t. II," De Personis ", Pontificia Universitas Gregoriana, Romae, 1933, 517 ss.). " [189]    MAS ATENÇÃO, a declaração final do Pe. Ghirlanda está errada…. O TEXTO DE WERNZ VIDAL NÃO DIZ O QUE DIZ P. GHIRLANDA, DIZ QUE O SEGUNDO JULGAMENTO DE SÃO ROBERTO BELLARMINO É MUITO IMPROVÁVEL, NÃO O QUINTO, QUE WERNZ VIDAL MOSTRA A SEGUIR... POR ISSO NÃO É TOTALMENTE IMPROVÁVEL. Por outro lado, já temos um Papa declarado herege mesmo depois de sua morte, como vimos, por um Concílio Ecumênico [190], na famosa "História da Igreja" dirigida por Jedin fala-se muito sobre os erros de Honório e sua condenação.[191]

Algumas das declarações do prof. Ghirlanda foram retomadas em um artigo do prof. Romano, que afirmou: “A doutrina também considera a possibilidade de vacância devido à notória apostasia, heresia ou cisma do Papa. Para este caso nos referimos ao artigo do padre Gianfranco Ghirlanda, jesuíta, que em La Civiltà Cattolica n. 3905, de 2 de março de 2013, publicou um de seus estudos intitulado "Cessação do ofício de Romano Pontífice" (pp. 445-462): "Can. 333, § 2, afirma que o Romano Pontífice, no cumprimento do seu ministério (munus) de supremo Pastor da Igreja, está sempre unido em comunhão com os outros Bispos, mesmo com toda a Igreja [...], para salvaguardar unidade de comunhão eclesial […]. A comunhão do Romano Pontífice com a Igreja e com os Bispos, segundo o Vaticano I, não pode ser provada pelo consentimento da Igreja e dos Bispos, pois já não seria um poder pleno e supremo livremente exercido (cân. 331). ; "Nota Explicativa Praevia »n.º 4). O critério então é a proteção da própria comunhão eclesial. Onde isso não estivesse mais lá por parte do Papa, ele não teria mais nenhum poder, porque ipso iure perderia seu ofício primacial. É o caso, admitido na doutrina, da notória apostasia, heresia e cisma, em que poderia cair o Romano Pontífice, mas como um "médico particular" que não comete o consentimento dos fiéis, porque pela fé na infalibilidade pessoal que o Romano Pontífice no desempenho do seu ofício e, portanto, na assistência do Espírito Santo, devemos dizer que ele não pode fazer afirmações heréticas querendo exercer sua autoridade primacial, porque, se o fizesse, ele perderia ipso iure seu ofício "." [192]

Cartão. Journet, o grande teólogo do século passado, afirma a respeito do caso do papa herege: Personallement hérétique ou personallement schismatique, thèse qui ne contredit en rien la thèse, solennellement proclamée au concile du Vatican, de infaillibilité du pape définissant ex cathedra la doutrina de l'Église (5). Suivant Cajetan, un pape décide d'agir avant tout comme prince temporel et qui, en consequence, éluderait com pertinacité les devoirs de sa charge, serait schismatique. … Selon la doutrina de Caetano, un pape hérétique ou schismatique n'est pas encore déposé (depositus). Il faut le traiter avec les égards dus au pape. Mais il doit être déposé (deponendus). " [193]

Grandes teólogos do final da Idade Média e do período barroco defendiam a tese da possibilidade de um Papa pessoalmente herético ou pessoalmente cismático, tese que não contradiz a tese, solenemente proclamada no Concílio Vaticano, da infalibilidade do Papa quando ex cátedra a doutrina da Igreja. De acordo com a doutrina de Caetano, um papa herege ou cismático ainda não é deposto (depositus) pelo próprio fato da heresia, mas deve ser deposto (deponendus).

O cardeal francês cita então alguns escritos de Savonarola que segundo ele seriam teologicamente inatacáveis ​​e especifica que Savonarola pediu a convocação de um Concílio para declarar o Papa herege ou cismático como pessoa privada, portanto, ele não colocou o Concílio acima do Papa. O Cardeal afirma então que segundo Gaetano no caso indicado por Savonarola: “… a sentença du Concile n'est d'aucune façon auctoritative; elle est simplement déclarative d'un fait, par exemple que, pour avoir persévéré dans le schisme ou l'hérésie après un ou deux avertissements (Tite, III, 10), tel sujet s'est rendu en droit divin, inapte à conserver le pontificat (Cf. L'Église du Verbe incarné, t. I [2e éd.], p. 626-627 [dans la présente édition: vol. I, p. 982-983]) L'axiome: Où est le pape , c'est l'Église, continue Cajetan, vaut lorsque le pape se envolver como chef de l'Église: si tel n'est pas le cas, ni l'Église n'est en lui, ni lui en l'Église . "[194]

A sentença do Concílio, neste caso, é simplesmente declarativa do fato de que, por ter perseverado no cisma ou na heresia após uma ou duas admoestações (Tt, 3, 10), tal sujeito é, por direito divino, inapto para manter o pontificado. O axioma: onde está o Papa, aí está a Igreja, aplica-se quando o Papa atua como cabeça da Igreja: se assim não for, nem a Igreja está nele, nem ele na Igreja.

O famoso cardeal francês acrescenta que: “D'autres théologiens estimaient que si un pape tombit personallement dans l'hérésie, il serait, du fait même, déposé. Le Concile n'aurait même pas to le déposer, ma simplement to constater le fait d'hérésie, et à significante à l'Église que celui qui fut pape est déchu de la primauté. ... La raison en est qu'en reniant la foi, celui qui était pape a cessé de faire partie de l'Église, d'être membre de l'Église: il ne saurait donc continuer, dès que le fait est déclaré patent , à en être la tête. Esta opinião, visant à sauvegarder au maximum les droits de la primauté romaine sur le Concile, était commune aux théologiens romains du temps de Savonarole. … Pour Savonarole, l'Église était déjà sans pape. O se poseit en accusateur, et s'engageait à faire la preuve de l'hérésie d'Alexandre VI. "(Journet, Charles. Oeuvres complètes volume X: 1938-1943 (Théologie) (Edição francesa) (p.347s). Edições Lethielleux. 2010. Edição do Kindle) Ao negar a fé, aquele que foi Papa deixou de ser parte da Igreja, para ser membro da Igreja: ele não pode, portanto, continuar, logo que o fato seja declarado evidente, a ser o chefe dela. Para Savonarola, em particular, a Igreja já estava sem Papa devido aos pecados de Alexandre VI e, portanto, o frade dominicano pediu a convocação do Concílio simplesmente porque foi declarado que a Igreja estava sem um chefe visível.

Para o cardeal francês, a melhor maneira de libertar a Igreja dos erros de um Papa é a oração [195] O Cardeal Journet acrescenta, precisamente em seu famoso texto sobre a Igreja, que entre as maneiras pelas quais um Papa pode perder seu pontificado está, além da morte e da renúncia, a deposição, que ocorre em dois casos: quando a eleição é incerta e portanto, duvida-se que um súdito seja verdadeiramente Papa, quando o Papa cai em heresia. Sobre o caso do Papa herege, card. Journet: antes de tudo relata o pensamento de S. Roberto Bellarmino e outros que afirmam que o papa herege é, portanto, ele próprio deposto, relata então o pensamento de Gaetano e Giovanni di s. Thomas que afirmam a necessidade de uma declaração de depoimento.

Relatando com precisão o pensamento desses teólogos dominicanos, Journet afirma: “A observação, por um lado, de que na lei divina a Igreja deve estar unida ao Papa como o corpo à cabeça; e por outro que, por lei divina, aquele que se mostra herege deve ser evitado após uma ou duas admoestações (Tt. 3. 10). Há, portanto, uma contradição absoluta entre o fato de ser Papa e o fato de perseverar na heresia após uma ou duas admoestações. A ação da Igreja é simplesmente declaratória, deixa claro que existe um pecado incorrigível de heresia; então a ação autoritária de Deus separa o papado de um sujeito que, persistindo na heresia após admoestação, torna-se na lei divina, incapaz de retê-la por mais tempo. Em virtude, portanto, da Escritura, a Igreja designa e Deus depõe. Deus age com a Igreja, diz João de São Tomás, um pouco como agiria um Papa que decidiu anexar indulgências a certos lugares de peregrinação, mas deixou que um subordinado designasse quais seriam esses lugares (II-II, q. i; disp. 2, a. 3, no. 29, Vol. VII, p. 264) "(Charles Journet" A Igreja do Verbo Encarnado "Vol. 1, Sheed and Ward Londres e Nova York 1955 pp. 482ss) Por lei divina, a Igreja deve estar unida ao Papa como o corpo está unido à cabeça; mas, pela mesma lei divina, quem se mostra herege deve ser evitado depois de uma ou duas admoestações (Tt. 3, 10); há, portanto, uma contradição absoluta entre ser Papa e perseverar na heresia depois de uma ou duas admoestações. A ação da Igreja neste caso é simplesmente declarativa: deixa claro que há um pecado incorrigível de heresia; então a ação autoritária de Deus libera o Papado de um sujeito que, persistindo na heresia após a admoestação, torna-se, por lei divina, incapaz de preservá-la. Portanto, em virtude da Escritura, a Igreja designa e Deus coloca. Deus age com a Igreja, diz João de São Tomás, um pouco como um Papa teria agido se tivesse decidido conceder indulgências a algum local de peregrinação, mas deixando a escolha de tais lugares a um subordinado.

Note-se também que na história da Igreja houve alguns casos de Papas depostos, como explica precisamente o Professor Sol: João XII foi formalmente deposto em 4 de dezembro de 963, na sequência de uma acusação de sacrilégio, simonia, luxúria, violência, jogos , embriaguez, movida contra ele pelo Sínodo de São Pedro, o Papa Leão VIII eleito após esta deposição em 963 é indicado no site da Santa Sé entre os Papas (https://www.vatican.va/content/vatican/ it/santo-pai/leone-viii.html); Bento IX desistiu enquanto era acusado de ter vendido o pontificado ao seu sucessor Gregório VI, que foi considerado culpado de simonia. Gregório VI foi acusado no sínodo de Sutri em 1046; o sínodo tomou nota da renúncia de Bento IX, depôs Silvestre III (eleito após a renúncia de Bento IX e ele também era simoníaco), o Sínodo aceitou a renúncia ou depôs (não está claro o que realmente aconteceu) Gregório VI e finalmente elegeu um novo Papa que tomou o nome de Clemente II. [196]

Nos últimos tempos, vários autores abordaram a questão da deposição de um Papa herético.[197]

O Papa que cair em heresia notória e manifestamente divulgada, ipso facto e antes de qualquer sentença declaratória, diz o famoso texto de Wernz e Vidal citado acima, é privado de seu poder de jurisdição; a sentença puramente declaratória da heresia papal não faz do Papa um herege para ser julgado, mas o mostra julgado, isto é, declara o fato do crime pelo qual é herege e se separou da Igreja.

Deus certamente não quer que um papa herege guie visivelmente sua Igreja e dê à Igreja as ferramentas para intervir em tal caso.

Tudo isso deixa bem claro que o princípio: “Prima Sedes a nemine iudicatur” não significa que o Papa nunca possa ser absolutamente julgado por ninguém.

Deus julga o Papa, e aqueles que têm o Espírito Santo igualmente à luz de Deus e de sua Verdade podem julgar as ações do Papa e assim podem alegar que ele está errado, pecado ou mesmo que é herege ou cismático e pode vir a perceber que caiu de sua função precisamente por causa de heresia ou cisma; a história da Igreja, as afirmações dos grandes teólogos, as afirmações de Wernz Vidal, de Ghirlanda etc. eles são muito claros sobre isso.

Ressalto também que o Papa também se confessa e a Confissão é justamente um julgamento ao qual o Papa se submete...

Por outro lado, se o Papa nem sempre é infalível, é evidente que o caso de um Papa que erra pode ser dado e o erro também pode ser grave e ir contra a salus animarum que é a lei suprema do pedido.[198]

A Canon 1752 é muito clara: “Can. 1752 As disposições do cân. 1747, aderindo aos princípios da equidade canônica e tendo em mente a salvação das almas, que deve ser sempre a lei suprema na Igreja”.

Obviamente, a salvação das almas envolve o exame e julgamento, à luz do Espírito de Verdade, também das afirmações do Papa e envolve oposição radical a um Papa que espalha erros e mina esta salvação de almas, como vimos e tal oposição pode chegar ao reconhecimento do declínio real do Papa de seu cargo devido a heresia ou cisma.

Deus nos ilumine completamente neste ponto.

Concluindo este parágrafo e elaborando o que dizem os grandes teólogos citados, podemos afirmar que diante dos verdadeiros erros graves de um Papa no campo doutrinal, os fiéis devem primeiro entender que eles, guiados pelo Espírito Santo, podem perceber tais erros e podem julgá-los errados, as declarações do Papa e, acima de tudo, têm o poder da oração para mudar a situação. A oração deve ser entendida aqui em sentido amplo, isto é, como vida sob a direção do Espírito Santo; por favor, nesta linha, não só ao comemorar s. Missa ou Liturgia das Horas, mas também quando guiados pelo Espírito Santo agimos para o bem da Igreja para combater os erros em questão, com conferências, livros, encontros com Bispos, intelectuais, etc. O Espírito Santo certamente não quer que os erros sejam difundidos na Igreja pelo seu Cabeça visível, mas, em alguns casos, não quer intervir diretamente, quer usar-se de nós e precisamente a nossa oração deve ser deixar-nos guiar em tudo precisamente por este Espírito, para que se cumpra a sua vontade e cesse esta difusão de ensinamentos desviantes na Igreja. Antes de tudo, é necessário intervir junto ao próprio Papa para corrigi-lo, mas no caso de o Papa ter posto publicamente em perigo a salvação das almas, pode ser feita uma correção pública (cf. S. Tomás de Aquino Super Gal., C. 2 litros. 3); se o Pontífice mostra que não quer aceitar a correção, é preciso seguir outros caminhos. Se a situação permitir e os Bispos e Cardeais estiverem de acordo, é possível trabalhar para chegar a uma declaração de perda do Papa por heresia, mas isso pode ser difícil ou impossível em vários casos, nestes casos é necessário seguir mais decisivamente outros caminhos: em primeiro lugar a celebração de ss. Colocam para isso súplicas a Deus de várias formas, práticas penitenciais, exercícios espirituais, encontros de oração com grupos de fiéis, conferências que explicam bem os erros em que o Papa caiu, catequeses, vídeos etc.; o Espírito Santo é extremamente "criativo" e sábio para nos fazer descobrir ações eficazes para esse fim, se elas nos permitem ser guiados por Ele. Talvez seja necessário conquistar grandes grupos de fiéis a esta causa e direcioná-los precisamente para a oração e faça penitência para este fim, de modo a tornar a oração para este fim particularmente forte, difundida e insistente.

É necessário perceber que se Deus permite que um Papa cometa erros e até gravemente não é para a condenação dos fiéis, mas porque eles se deixam guiar por Deus e com a ajuda de Deus crescem em santidade e fervor e precisamente com sua intensa oração que alcançam obtêm a graça da libertação da Igreja de tais erros.

8) O que aconteceu quando um Papa errou em relação à doutrina?

Mas perguntemo-nos: o que aconteceu quando o Papa errou na doutrina?

Digamos, em primeiro lugar, que nestes casos o preceito bíblico claramente estabelecido nos Atos dos Apóstolos é obviamente válido: "Devemos obedecer antes a Deus do que aos homens" (At 5,29).
E novamente: “Devemos obedecer a Deus em vez dos homens. O Deus de nossos pais ressuscitou Jesus, a quem você matou enforcando-o em uma cruz. Deus o elevou à sua direita como cabeça e salvador, para dar a Israel a conversão e o perdão dos pecados. E destes fatos nós e o Espírito Santo somos testemunhas, os quais Deus deu aos que lhe obedecem ". (Atos 4, 29ss)

Se um superior, mesmo o Papa, está errado e se opõe à Verdade, é preciso seguir a Verdade e não o superior. A verdadeira obediência é a Deus e àqueles que legitimamente mandam de acordo com a Lei de Deus. São Tomás afirma a este respeito que: “... há duas razões pelas quais um súdito não pode ser obrigado a obedecer ao seu superior em tudo.

Primeiro, pelo comando de uma autoridade maior. De fato, comentando aquela frase do Apóstolo: “Os que resistem trazem condenação sobre si mesmos”, comenta a Glossa: “Se o administrador manda alguma coisa, você talvez tenha que fazê-lo, se manda contra as ordens do procônsul ? E se o próprio procônsul ordena uma coisa, enquanto o imperador ordena outra, há alguma dúvida de que devemos obedecer a esta, independentemente da primeira? Portanto, se o imperador ordena uma coisa, e Deus ordena o contrário, deve-se obedecer a Deus independentemente do imperador”.

Em segundo lugar, um súdito não é obrigado a obedecer ao superior se ordena coisas nas quais não está sujeito a ele”. [199]

Ordunque quando os Papas, no passado, cometeram erros óbvios, alguns prelados, guiados pelo Espírito Santo, como S. Paolo, eles notaram e denunciaram esses erros.

E o que esses Papas fizeram diante de tais denúncias? Alguns Papas acolheram humildemente a correção e mudaram suas declarações [200]… Outros Papas parecem não ter aceitado esta correção com humildade, pensemos no caso de Pasquale II diante da correção feita por S. Bruno de Segni[201], pensemos no caso de João XXII diante da correção feita pelo Pe. Waleys op; lembramos que este dominicano foi mesmo condenado pelo s. Gabinete para defender a verdade contra os erros do Papa.[202] Nestes casos em que os Papas não aceitaram humildemente a correção correta, a famosa afirmação de S. Santo Antônio de Pádua pelo qual: A verdade gera ódio. Diz mais precisamente s. Antônio: “Cristo diz: “Eu sou a verdade” (Jo 14,6, XNUMX). Quem prega a verdade professa a Cristo. Por outro lado, aqueles que se calam na pregação da verdade negam a Cristo. "A verdade gera ódio" (Terêncio), e por isso alguns, para não incorrer no ódio de certas pessoas, cobrem a boca com o manto do silêncio. Se eles pregassem a verdade, se dissessem as coisas como são, como a própria verdade exige e como a Sagrada Escritura manda expressamente, incorreriam - se não me engano - no ódio dos carnais e talvez isso os expulsaria de sua sinagoga; como seguem o exemplo dos homens, temem o escândalo dos homens, enquanto não é lícito renunciar à verdade por medo do escândalo”. [203] Os verdadeiros homens de Deus não foram intimidados pelos poderosos e seus partidários e falaram claramente a verdade até mesmo sobre os erros dos Papas; Ao fazê-lo, deixaram-nos também um esplêndido exemplo de coragem e força que somos chamados a imitar no Espírito Santo para o verdadeiro bem das almas e do próprio Papa.

Perguntemo-nos novamente: e os bons e esclarecidos teólogos que se opuseram às afirmações do Papa, como entenderam que o Papa estava errado? Guiados pelo Espírito Santo, com base na Bíblia e na Tradição; na verdade o Papa, como vimos, não pode ir contra a Bíblia e a Tradição... O Papa não é Deus e não pode ir contra Deus que fala...

Por fim, perguntemo-nos: mas quando os Papas erraram houve teólogos que defenderam este erro? Claro que houve e provavelmente não foram poucos... porque nos momentos em que os "grandes" atacam a sã doutrina não é estranho que tantos sigam os "grandes" e não a Verdade!

Nesta linha é significativo que: “O cardeal Wolsey da Inglaterra, juntamente com todos os bispos do país, com exceção do bispo de Rochester, John Fisher, apoiaram a tentativa do rei de cancelar seu primeiro e legítimo casamento. Como Fisher, Thomas More, leigo e chanceler do rei, também recusou seu apoio. Ambos foram martirizados e posteriormente canonizados”.[204]

Então Henrique VIII seguiu em seus erros a esmagadora maioria dos bispos ingleses... somente o bispo de Rochester se opôs e morreu mártir... No caso do erro de Pasquale II com o "pravilegium" é muito interessante notar como depois um forte contraste inicial de muitos bispos contra o erro papal no final permaneceu quase sozinho s. Bruno di Segni para se opor a esta "heresia" [205]

Mesmo no caso do erro de João XXII muitos bispos tomaram o lado do erro, e Thomas Waleys e Durand de Saint-Pourçain foram julgados e condenados por sua oposição a esse erro... nessa pergunta.[206]

9) Exame de algumas declarações interessantes de Mons. Fernández, suposto ghostwriter de Amoris Laetitia, sobre a mudança de doutrina feita pelo Papa através desta exortação.

Em um artigo de comentário sobre Amoris Laetitia, intitulado "El capítulo VIII de Amoris Laetitia: lo que queda después de la tormenta".[207] Mons. Fernández, autor supostamente oculto da mesma exortação, afirmou que a mudança feita pelo Papa Francisco é possível e aceitável porque é possível uma evolução no entendimento da Igreja sobre sua própria doutrina e suas consequências disciplinares. Em seguida, deu alguns exemplos históricos: o Concílio Vaticano II modificou substancialmente as ideias fortes (cf. DH 2-3) expressas pelo Papa Gregório XVI, em Mirari vos (MV 15), e no Syllabus de Pio IX (1864), em ao qual a liberdade religiosa é condenada como um dos principais "erros"; a evolução na questão da possibilidade de salvação fora da Igreja Católica; a evolução sobre a questão da escravidão, levando em conta as declarações do Papa Nicolau V e, portanto, da Bula Romanus Pontifex de 1455. Essas mudanças doutrinárias trouxeram várias mudanças na disciplina (p. 460s).

Diante desses exemplos que mostrariam como a evolução não ocorreu "na mesma linha" como dito anteriormente, o monsenhor afirmou que aqueles que sustentam que essas comparações não são convincentes e insistem no fato de que qualquer evolução deve ocorrer na mesma linha como foi dito anteriormente pela Igreja (cf. p. 461)… pouco depois de Mons. Fernández deve afirmar, no entanto, que Amoris Laetitia dá lugar a uma nova mudança, que não implica uma contradição com o ensinamento anterior, mas uma evolução harmoniosa e uma continuidade criativa (cf. p. 462).

É óbvio que a Igreja cresce no conhecimento e na aceitação do Evangelho, mas, segundo Mons. Fernández, alguns têm enorme dificuldade em admitir que uma certa evolução possa ocorrer nas coisas relacionadas à sexualidade (cf. p. 461) ...

No mesmo artigo, Mons. Fernández ataca aqueles que "sueñan con una doctrina monolítica defendida por todos sin matices" (EG 40), ou seja, sonham com uma doutrina monolítica defendida por todos sem nuances (cf. p. 465). Então Mons. Fernández ataca os opositores do Papa Francisco que, em sua opinião, tentam forçar os outros a assumir uma certa lógica, dentro da qual não há saída e, portanto, submeter o Evangelho a uma espécie de matemática teológica e moral, para que não haja não há escolha senão aceitar toda a lógica e consequências dessa maneira de usar a razão; canonizam, segundo Fernández, “uma” razão, um certo tipo de raciocínio, uma filosofia à qual o Evangelho e toda a Igreja devem se submeter; para eles uma certa razão ocupa o lugar do Evangelho e a ação do Espírito em sua Igreja e as Escrituras servem apenas para ilustrar a lógica dessa razão, administrada por um grupo oligárquico de eticistas (cf. p. 465s).

O Evangelho, no entanto, continua o monsenhor, não está encerrado em uma filosofia e se uma certa maneira de usar a razão for absolutizada, só aqueles que possuem essa estrutura mental poderão interpretar essa doutrina e essa Revelação, e também estão colocados além acima do Papa, mas assim se perderia a visão sobrenatural da Igreja e do ministério petrino (cf. p. 465s).

Examinarei a seguir as declarações de Mons. Fernández, autor supostamente oculto de Amoris Laetitia, retomando o que eu disse neste capítulo; este exame parece importante precisamente porque é o suposto autor oculto desta exortação do Papa Francisco.

a) O arcebispo Fernández não estabelece adequadamente a questão da legitimidade ou ilegitimidade das mudanças feitas pelo Papa.

Na carta aos Gálatas, lemos: “Admiro-me que, tão rapidamente, daquele que vos chamou com a graça de Cristo, passais a outro evangelho. Mas não há outro, exceto que há alguns que te incomodam e querem subverter o evangelho de Cristo. Mas ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos proclame um evangelho diferente daquele que anunciamos, seja anátema! Já o dissemos e agora repito: se alguém vos anunciar um evangelho diferente daquele que recebestes, seja anátema!” (Gálatas 1, 6ss)

Como diziam os Bispos alemães: “O Papa está sujeito à lei divina e obrigado pela ordem dada por Jesus Cristo à sua Igreja. O Papa não pode modificar a constituição que a Igreja recebeu de seu Fundador…. A Constituição da Igreja repousa sobre um fundamento que vem de Deus e, portanto, não pode estar à mercê da vontade humana. Como o Concílio Vaticano expôs em palavras claras e compreensíveis e como a própria natureza da coisa se manifesta, a infalibilidade é uma propriedade que se refere apenas ao supremo Magistério do Papa; e isso coincide precisamente com a esfera do Magistério infalível da Igreja em geral e está ligado ao que está contido na Sagrada Escritura e na Tradição, bem como às definições já emitidas pelo Magistério eclesiástico”. [208]. Sublinho: o Papa está sujeito à lei divina e obrigado pela ordem dada por Jesus Cristo à sua Igreja… o Papa não pode modificar a constituição que a Igreja recebeu do seu Fundador…. a Constituição da Igreja repousa sobre um fundamento que vem de Deus e, portanto, não pode estar à mercê da vontade humana; infalibilidade... refere-se apenas ao Magistério supremo do Papa e este está ligado ao que está contido na Sagrada Escritura e na Tradição, bem como às definições já emitidas pelo Magistério eclesiástico.

A Congregação para a Doutrina da Fé afirmou: “O Romano Pontífice está – como todos os fiéis – sujeito à Palavra de Deus, à fé católica e é o garante da obediência da Igreja e, neste sentido, servus servorum . Ele não decide segundo a sua vontade, mas dá voz à vontade do Senhor, que fala ao homem na Escritura vivida e interpretada pela Tradição; em outras palavras, a episkopè do Primado tem os limites que procedem da lei divina e da inviolável constituição divina da Igreja contida na Revelação. (Cf. Declaração Coletiva dos Bispos Alemães, Jan.-Fev. 1875: Denz-Hün, n. 3114.) O Sucessor de Pedro é a rocha que, contra o arbítrio e o conformismo, garante rigorosa fidelidade à Palavra de Deus: o segue também o caráter martirológico de sua primazia”.[209]

O Romano Pontífice está sujeito à Palavra de Deus, à fé católica. Ele não deve decidir por sua própria vontade, mas deve dar voz à vontade do Senhor, que fala ao homem na Escritura vivida e interpretada pela Tradição; em outras palavras, a episkopè do Primado tem os limites que procedem da lei divina e da inviolável constituição divina da Igreja contida na Revelação. O Papa deve ser fiel à Palavra de Deus, e o Senhor fala ao homem na Escritura vivida e interpretada pela Tradição.

A mesma Congregação continua: “Devido ao caráter supremo do poder do Primado, não há instância a que o Romano Pontífice deva responder legalmente pelo exercício do dom recebido... poder absoluto."[210]

O Papa não tem poder absoluto, mas tem um poder limitado pela lei divina e pela constituição divina inviolável da Igreja contida na Revelação. O Magistério deve ser fiel à Sagrada Escritura e à Tradição. Nem mesmo o Papa pode deformar ou destruir o depósito sagrado!

O: ".. O Magistério ... não está acima da Palavra de Deus, mas a serve, ensinando apenas o que foi transmitido, na medida em que, por mandato divino e com a ajuda do Espírito Santo, ele a escuta piedosamente, santamente ele a guarda e expõe fielmente, e desse único depósito de fé tira tudo o que se propõe a crer como revelado por Deus”.[211]

O Papa está, portanto, a serviço da Palavra de Deus, disse o Papa Bento XVI: “O poder de ensinar, na Igreja, envolve um compromisso a serviço da obediência à fé. O Papa não é um soberano absoluto, cujo pensamento e vontade são lei. Pelo contrário: o ministério do Papa é garantia de obediência a Cristo e à sua Palavra. Ele não deve proclamar suas próprias ideias, mas deve constantemente vincular-se a si mesmo e à Igreja à obediência à Palavra de Deus, diante de todas as tentativas de adaptação e diluição, como diante de todo oportunismo”.[212]

O Papa está e deve estar ciente de que, em suas grandes decisões, está ligado à grande comunidade de fé de todos os tempos, às interpretações vinculantes que cresceram ao longo do caminho de peregrinação da Igreja, ou seja, aos dogmas e afirmações estabelecidas pela Igreja ao longo dos séculos. O poder do Papa não está acima da Palavra de Deus, mas está a seu serviço e a ele cabe a responsabilidade de fazer com que esta Palavra de Deus continue presente em sua grandeza e ressoe na pureza de sua Verdade, para que não é dilacerado por erros. A Cátedra é um símbolo de poder de ensino, mas este ensino deve ser realizado em profunda obediência à Verdade que se manifesta nessa Palavra para que esta Verdade brilhe entre nós e nos mostre o caminho para o Céu.[213]

O que foi dito neste parágrafo e, de forma mais geral, o que foi visto neste capítulo, permite-nos afirmar que Mons. Fernández em seu artigo em primeiro lugar não estabelece adequadamente a questão da legitimidade ou ilegitimidade das mudanças feitas pelo Papa, mais precisamente, ele não oferece dados fundamentais, como os apresentados acima e neste capítulo, para abordar essa questão com precisão. No artigo em questão, Mons. Fernández nunca usa a palavra Tradição e não especifica claramente os limites dentro dos quais a ação do Papa deve ocorrer.

Sua afirmação de que Amoris Laetitia não implica uma contradição com o ensinamento anterior, mas uma evolução harmoniosa e continuidade criativa é muito vaga, como já podemos adivinhar e como veremos melhor nos próximos parágrafos, e precisamente não oferece dados fundamentais precisos em que basear, precisamente na Tradição, os limites da ação do Papa no campo doutrinal.

A legitimidade ou ilegitimidade das mudanças feitas pelo Papa através da Amoris Laetitia deve ser julgada com precisão, antes de tudo, a partir desses dados fundamentais que indiquei neste parágrafo e neste capítulo. São esses dados fundamentais que, sob a orientação do Espírito Santo, levaram alguns fiéis católicos ao longo dos séculos a se oporem aos erros dos Papas. E são precisamente esses dados fundamentais que, como veremos neste livro, mostram os grandes erros que o Papa espalha através da Amoris Laetitia e deixam claro que a obra do Papa Francisco em vários aspectos é uma verdadeira subversão e não uma evolução de sã doutrina.

b) O Arcebispo Fernández não especifica os aspectos fundamentais do verdadeiro desenvolvimento da sã doutrina que nos permitem distingui-la de suas alterações.

Além disso, as declarações de Mons. Fernández deve ser examinado levando em conta a doutrina da Igreja sobre o verdadeiro desenvolvimento da doutrina e sobre suas alterações...

Como vimos neste capítulo, na carta aos Gálatas lemos: “Admiro-me que, tão rapidamente, daquele que vos chamou com a graça de Cristo, passais a outro evangelho. Mas não há outro, exceto que há alguns que te incomodam e querem subverter o evangelho de Cristo. Mas ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos proclame um evangelho diferente daquele que anunciamos, seja anátema! Já o dissemos e agora repito: se alguém vos anunciar um evangelho diferente daquele que recebestes, seja anátema!” (Gálatas 1, 6ss)

São Vicente de Lerins afirmou: “Na Igreja Católica é necessário ter o maior cuidado em manter o que foi acreditado em todos os lugares, sempre e por todos. Isso é verdadeira e propriamente católico... Mas isso certamente acontecerá se seguirmos a universalidade, a antiguidade, o consenso.
Seguiremos a universalidade desta forma: se confessarmos como verdadeira e única fé aquela que toda a Igreja professa em todo o mundo; (seguiremos) a antiguidade desta maneira: se não nos retirarmos dos julgamentos que nossos santos ancestrais e pais evidentemente proclamaram; (seguiremos) o consenso da mesma forma: se, nesta mesma antiguidade, aceitamos as definições e doutrinas de todos, ou quase todos, os Bispos e Mestres." (tradução minha de Sancti Vincentii Lirinensis" Commonitorium "PL 50, 640 ) .

O texto de S. Vicente acrescenta ainda que se uma parte da Igreja se afasta da fé universal, é necessário preferir a saúde de toda a Igreja a algum grupo que se perverteu; se a heresia quer contagiar toda a Igreja, o cristão deve comprometer-se a aderir à antiga doutrina que é inatacável pela heresia; se for descoberto que no passado um erro foi espalhado por um grande grupo de pessoas, os decretos de um concílio universal devem ser aplicados contra ele; se surge uma nova opinião, nunca antes enfrentada pelos estudiosos da Igreja, é necessário permanecer firme no que foi unanimemente afirmado por todos os verdadeiros Padres da Igreja, aprovado pelos mesmos (cf. Sancti Vincentii Lirinensis “Commonitorium” PL 50, 640s).

Ainda afirma s. Vincenzo di Lerins que “Portanto, anunciar aos cristãos católicos algo diferente do que eles receberam nunca foi lícito, absolutamente não é lícito e nunca será lícito; e anatematizar aqueles que anunciam algo diferente do que já foi recebido sempre foi necessário, é absolutamente necessário e sempre será necessário” (tradução minha de Sancti Vincentii Lirinensis “Commonitorium”, PL 50, 649).

O mesmo santo explicou ainda que o progresso na sã doutrina católica será e também será muito grande, mas…: “No entanto, devemos ter muito cuidado para que seja um verdadeiro progresso da fé e não uma mudança. O verdadeiro progresso ocorre através do desenvolvimento interno. ... No entanto, o gênero da doutrina, a própria doutrina, seu significado e seu conteúdo devem permanecer sempre os mesmos. … Até o dogma da religião cristã… Progride…. No entanto, deve permanecer sempre absolutamente intacto e inalterado.

… É de fato correto e bastante lógico excluir qualquer contradição entre o antes e o depois. "[214]

Na Constituição Dogmática "Dei Filius" lemos: "A doutrina da fé que Deus revelou não é proposta às mentes humanas como uma invenção filosófica a ser aperfeiçoada, mas foi entregue à Esposa de Cristo como um depósito divino para que ele pode guardá-lo fielmente e ensiná-lo com magistério infalível. Portanto, esse significado dos dogmas sagrados que a Santa Madre Igreja declarou deve ser aprovado em perpetuidade, e nunca se deve retirar desse significado sob o pretexto ou com as aparências de uma inteligência mais completa. Portanto, ao longo dos tempos e dos séculos, que a inteligência e a sabedoria cresçam e progridam vigorosamente, tanto dos séculos e dos homens, como de toda a Igreja, mas apenas em seu próprio setor, isto é, no mesmo dogma, no mesmo significado. , na mesma declaração [Vinc. Lir. Comum., N. 28]. " [215]

Em sintonia com essas afirmações, lembramos que o modernismo com seus erros foi condenado pela Igreja e o juramento antimodernista diz, entre outras coisas: pais" no mesmo sentido e sempre no mesmo conteúdo"; e por isso rejeito totalmente a invenção herética da evolução dos dogmas, que passam de um significado a outro, diferente do que a Igreja acreditava anteriormente" [216].

O desenvolvimento da doutrina implica que a fé permaneça substancialmente a mesma e que a doutrina deve ser entendida "no mesmo sentido e sempre no mesmo conteúdo"... .

Ainda me lembro que a Comissão Teológica Internacional em um importante documento há cerca de 30 anos lembrou que St. JH Newman, um famoso teólogo inglês, ofereceu sete princípios que indicam se o desenvolvimento da doutrina é cumprido corretamente e não é uma distorção ou destruição de a verdade. difundida por Cristo: "

1) Preservação do tipo ...

2) Continuidade de princípios...

3) Poder de assimilação...

4) Consequência lógica...

5) Antecipação do futuro...

6) Influência conservadora do passado...

7) Vigor duradouro..."[217]

A verdadeira evolução ocorre na linha do que foi dito acima... senão há perversão e mudança de doutrina...

Infelizmente, as declarações de Mons. Fernández parece carente, de fato, por um lado ele ataca genericamente os supostos "fixistas magistrais" que repetem que o desenvolvimento deve seguir a mesma linha do passado, por outro ele afirma que Amoris Laetitia dá origem a uma nova mudança, o que não implica uma contradição com o ensinamento anterior, mas uma evolução harmoniosa e uma continuidade criativa... ao contrário, vimos muito bem indicados pelos textos fundamentais que mencionei neste capítulo e neste parágrafo... O termo continuidade criativa usado por Mons. Fernández é bastante significativo da imprecisão de suas declarações ...

Mons.Fernández fala (p. 452s) da evolução que ocorreu com João Paulo II, mas não indica que essa evolução foi preparada por estudos de moralistas e já havia sido apresentada vários anos antes pela Congregação para a Doutrina da Fé , durante o Pontificado de Paulo VI... por outro lado, os erros aos quais o Papa Francisco abre as portas, especialmente alguns, são radicalmente rejeitados pela doutrina anterior difundida pela Congregação para a Doutrina da Fé e pelos Papas. Como veremos, o Arcebispo Hamer em sua Carta de 1975[218], falando de casais divorciados e recasados ​​cujo casamento não foi declarado nulo, quando afirmou que poderiam ser admitidos a receber os sacramentos "... que eles se abstenham, como s. João Paulo II, dos "atos próprios dos esposos"... esta severa norma é um testemunho profético da fidelidade irreversível do amor que une Cristo à sua Igreja e mostra também que o amor dos esposos se incorpora ao verdadeiro amor de Cristo (Ef. 5, 23-32). E a "prática aprovada" da Igreja referida pela Congregação para a Doutrina da Fé em um documento de 1973, pelo Cardeal Seper, é, como veremos melhor, é precisamente aquela especificada por Hamer em 1975, que se divorciado e recasado deseja receber os sacramentos, caso por motivos graves não possa cessar a coabitação, deve arrepender-se de seus pecados e propor-se a não pecar mais e, portanto, abster-se dos atos próprios da esposa e do marido, bem como evitar qualquer escândalo. [219] … Esta prática aprovada foi então retomada no Familiaris Consortio das s. João Paulo II.[220]

Mons. Fernádez fala sobre a evolução alcançada em relação à escravidão e a necessidade de fazer parte da Igreja para ser salvo, mas não aponta que essa evolução ocorreu na fidelidade à Tradição e através de muitos séculos de estudos aprofundados também realizado por santos, por Doutores da Igreja etc. e não em poucos meses e com Sínodos "manipulados" e precisamente contra dados claros da Tradição, como veremos que fez o Papa Francisco; nesta linha noto com respeito à liberdade religiosa que um documento da Comissão Teológica Internacional afirma que ao longo de 130 anos (note bem, 130 anos) de estudos teológicos e também em situações político-teológicas muito diferentes, passamos de Mirari Vos para as afirmações do Concílio Vaticano II e define essa evolução homogênea[221] … E deve-se notar que este documento fala de evolução homogênea … não de evolução criativa, como Mons. Fernández.

Além disso, quando Mons. Fernández afirma que Amoris Laetitia alcança uma evolução harmoniosa e uma continuidade criativa em relação à doutrina anterior apresenta um texto de R. Buttiglione (cf. p. 462); neste meu livro veremos alguns erros deste professor italiano que emergem de vários de seus escritos. Aqui me parece interessante notar que, como veremos, ao contrário do que parece das declarações de Buttiglione, a alteração da sã doutrina com o Papa Francisco também foi alcançada por meio de uma doutrina deliberadamente imprecisa sobre as circunstâncias atenuantes e sobre a consciência moral que leva a falsamente justificar pecados verdadeiros, graves, praticamente dispensar a lei divina e, portanto, até mesmo dar os sacramentos a quem estiver em notório pecado grave com grande escândalo. Sobre a Comunhão aos pecadores notórios, um documento do Pontifício Conselho para a Interpretação dos Textos Legislativos foi muito claro ao especificar o que a lei divina afirma... que nem mesmo o Papa pode mudar... [222]

No entanto, não vejo em Mons. Fernández no artigo citou algumas palavras sérias sobre o martírio ... Veritatis Splendor fala do martírio que o cristão deve estar pronto para não ceder ao pecado ... a Lei de Deus é indispensável, portanto a doutrina católica nos obriga a morrer antes que pecar , a caridade os prepara para o martírio, como veremos, mas Mons. Fernández não fala sobre isso e afirma indiretamente, mas com clareza, que a evolução trazida por Amoris Laetitia diz respeito à sexualidade, pois afirma que uma evolução semelhante à que ocorreu para a escravidão etc. para alguns, torna muito difícil que ocorra no campo sexual (cf. p. 461). Como veremos, de fato, através desta exortação são justificados verdadeiros pecados graves contra o sexto mandamento e a dispensa dele é praticamente autorizada, contra o que a Tradição afirma e com grande escândalo. Por meio dessa exortação, contra a Tradição, notórios pecadores que vivem em pecados contrários a este mandamento são concedidos os Sacramentos sem se propor a não pecar e fugir das próximas ocasiões de pecado, ou seja, sem se propor a viver segundo a lei divina. verá... Através desta exortação abrem-se as portas, como veremos, à legitimação de graves pecados e graves erros teológicos...

Compreendemos bem que nesta situação de cedência à imoralidade, Mons. Fernández não critica e ao qual não se opõe, mas que de certa forma apoia, não fala de martírio...

Sem dúvida, sob as palavras evolução harmoniosa e continuidade criativa, usadas por Mons. Fernández é simplesmente uma alteração e traição da sã doutrina.

Note-se também que o ataque genérico de Mons. Fernández aos supostos "fixistas" não especifica quem são aqueles que ele quer atacar, quem são aqueles que dizem o que ele diz e, portanto, não especifica o que eles dizem com precisão; Dom Fernández, por outro lado, não examina e refuta precisamente as alegações que foram feitas publicamente contra as alegações do Papa...

c) O Arcebispo Fernández não toca nem um pouco na questão dos limites do ministério e da infalibilidade do Papa, nem dos erros dos Papas na história.

Como vimos neste capítulo, através do ofício de ensinar, os Pastores, especialmente o Papa, devem trabalhar e fazer com que o povo de Deus permaneça na Verdade que liberta e santifica e precisamente: "Para realizar este serviço, Cristo dotou os Pastores do carisma da infalibilidade em matéria de fé e moral”. (Catecismo da Igreja Católica n. 890) Como lemos na "Lumen gentium": "O Romano Pontífice, chefe do Colégio Episcopal, beneficia desta infalibilidade em virtude do seu ofício, quando, como supremo Pastor e Doutor de todas as o fiel, que confirma os irmãos na fé, proclama com acto definitivo uma doutrina relativa à fé ou à moral. [...] A infalibilidade prometida à Igreja reside também no corpo episcopal, quando este exerce o Magistério supremo com o Sucessor de Pedro" [223]

A infalibilidade de que falamos: "... que o divino Redentor quis que sua Igreja fornecesse ao definir a doutrina da fé e da moral, estende-se tanto quanto o depósito da Revelação divina..."[224]

No entanto, como sublinhamos neste capítulo, o Papa nem sempre é infalível, mas apenas em alguns casos: "A tarefa episcopal que o Romano Pontífice... é uma função que implica um carisma: uma assistência especial do Espírito Santo ao Sucessor de Pedro, que determina também, em certos casos, a prerrogativa da infalibilidade (Cf. ibidem: Denz-Hün, nn. 3073-3074; Concílio Vaticano II, Constituição dogmática "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 25; CIC cân. 749 § 1; CCEO cân. 597 § 1.) "[225]

Mais precisamente, o carisma da infalibilidade opera no Papa quando ele fala ex cathedra: é, quando exerce seu supremo ofício de Pastor e Doutor de todos os cristãos, e em virtude de seu supremo poder apostólico define uma doutrina sobre a fé e a moral, vincula toda a Igreja, para a assistência divina que lhe foi prometida na pessoa do Beato Pedro , goza daquela infalibilidade com que o divino Redentor quis que sua Igreja fosse acompanhada na definição da doutrina em torno da fé e dos costumes: portanto, essas definições do Romano Pontífice são imutáveis ​​por si mesmas, e não pelo consentimento da Igreja”. [226]

O Concílio Vaticano II faz eco às afirmações dogmáticas do Concílio Vaticano I e afirma: "O Romano Pontífice, chefe do colégio episcopal, beneficia desta infalibilidade em virtude do seu ofício, quando, como supremo pastor e doutor de todos os fiéis que confirma seus irmãos na fé (cf. Lc 22,32), sanciona com um ato definitivo uma doutrina sobre fé e moral [cf. Concílio Vaticano I, Constituição Dogmática. “Pastor aeternus”: Dz 1839 (3074) [Collantes 7.198]]. Portanto, suas definições são justamente chamadas de irreformáveis ​​por si mesmas e não em virtude do consentimento da Igreja, pois são pronunciadas com a assistência do Espírito Santo prometido a ele na pessoa de São Pedro, de modo que não precisam da aprovação de outros, nem admitem qualquer recurso a outro julgamento”.[227]

Alguns cânones do Código de Direito Canônico e vários documentos magisteriais do Papa e da Congregação para a Doutrina da Fé explicaram ainda vários níveis de envolvimento de autoridade que podem ser encontrados em documentos magisteriais  [228]

No entanto, é necessário ser muito claro que: “… a infalibilidade em matéria de fé e moral é dada somente quando um Papa propõe uma doutrina de fé revelada à fé de toda a Igreja. No entanto, ele não pode propor à fé da Igreja - como lhe foi revelada - suas experiências pessoais de vida, suas avaliações subjetivas ou certas teorias filosóficas ou teológicas. Porque a revelação em sua realidade constitutiva terminou definitivamente com a morte do último apóstolo”.[229]

O Papa é infalível em algumas ocasiões, nem sempre, em outras ocasiões pode cometer erros... e difundir erros que são obviamente contrários à sã interpretação da Palavra divina. Vimos vários casos neste capítulo em que alguns Papas afirmaram coisas erradas com evidente escândalo, infelizmente. Particularmente famoso é o caso do Papa Honório, que foi até condenado e anatematizado por um Papa, Leão II e, portanto, por outros Papas e Concílios Ecumênicos após sua morte. [230].

Vimos também o caso do erro do Papa Libério.[231]

Examinamos o caso do erro do Papa João XXII[232]

Além disso, vimos o caso do erro de Pascoal II.

S. Bruno di Segni definiu: “… o tratado de Ponte Mammolo, assinado por Pasquale II uma 'heresia', lembrando as determinações de muitos concílios:“ Quem defende a heresia - escreve ele - é um herege. Ninguém pode dizer que isso não é uma heresia "."[233]                                                                        A Congregação para a Doutrina da Fé admitiu erros por parte dos Papas “Na história do Papado não faltaram erros humanos e até falhas graves: o próprio Pedro, de fato, reconheceu que era um pecador ( Cf. Lc 5,8.). Pedro, um homem fraco, foi escolhido como uma rocha, justamente para que ficasse claro que a vitória é somente de Cristo e não fruto da força humana. O Senhor quis levar o seu próprio tesouro através do tempo em vasos frágeis (cf. 2 Cor 4,7.): Assim a fragilidade humana tornou-se sinal da verdade das promessas divinas e da misericórdia de Deus (Cf. João Paulo II, Lett . Anexo "Ut Unum Sint", de 25.5.1995, nn. 91-94.) "[234]

O Papa é, portanto, infalível em certos momentos e nem sempre, seu Magistério deve ser fiel à Sagrada Escritura e à Tradição, não tem poder sobre a lei divina natural ou positiva e não pode modificar a constituição que a Igreja recebeu de seu Fundador... . quando o Magistério papal não é fiel à Sagrada Escritura e à Tradição, quando ultrapassa os limites estabelecidos pela Igreja para sua atividade, eis o erro papal que obviamente é de gravidade muito particular...

Estas verdades importantíssimas que acabamos de repetir são completamente postas de lado pelo Arcebispo Fernández, ele não toca em nada a questão dos limites da infalibilidade papal e dos erros dos Papas na história. O prelado argentino no artigo que estamos examinando em certas passagens desconta nos opositores do Papa que, em sua opinião, submetem o Evangelho a uma espécie de matemática teológica e moral, para eles uma certa razão ocupa o lugar do Evangelho e da ação do Espírito em sua Igreja e as Escrituras servem apenas para ilustrar a lógica “daquela” razão, administrada por um grupo oligárquico de eticistas que são os únicos capazes de interpretar a doutrina e a Revelação, e também acima do Papa e que, portanto, perdem a visão sobrenatural da Igreja e do ministério petrino. Dom Fernández não especifica de quem está falando e o que realmente dizem aqueles que ele ataca e precisamente não especifica os limites do poder papal ... seu ataque é vago e deixa as declarações daqueles que, com base na sã doutrina, completamente intacta e totalmente válida, e a história da Igreja atacou duramente as reivindicações papais. O fato de este artigo não falar com precisão dos limites da ação papal e dos erros dos Papas na história e por outro lado que aqueles que se opõem ao Papa são atacados por se colocarem acima dele, gera ou pode gerar pouco em o leitor, a ideia de que o Papa deve ser sempre seguido e que ele é praticamente sempre infalível e, portanto, é absurdo colocar-se acima dele, pelo contrário, aqueles que se opõem aos erros do Papa parecem querer colocar-se acima dele , portanto, querem ocupar um lugar que não tem ... O Papa é infalível em alguns casos, mas nem sempre e precisamente nos casos de infalibilidade ele pode errar, diz a sã doutrina, e obviamente quando erra um não se deve segui-lo no erro, mas sim com sabedoria e coragem opor-se a ele e à história da Igreja, à qual Mons. Fernández é uma referência forte, nos ensina com clareza.

O Espírito Santo, que guia a Igreja, dá aos fiéis luz para reconhecer os erros nas declarações do Papa ou de outros Pastores e dá força e sabedoria para se opor a eles; São Tomás de Aquino afirma nesta linha: “[O crente] não deve dar seu assentimento a um prelado que peca contra a fé (…). Não é inteiramente desculpada pela ignorância, pois o habitus da fé tende a rejeitar tal pregação, pois ensina tudo o que é necessário para a salvação. Da mesma forma, como não se deve dar crédito com muita facilidade a nenhum espírito, ele não terá que concordar quando algo incomum for pregado, mas precisará perguntar ou simplesmente depositar sua fé em Deus, sem tentar se aventurar nos mistérios divinos " .[235]

d) O arcebispo Fernández não toca de forma alguma no caso do papa herege.

Na linha vista até agora, Mons. Fernández se cala sobre a questão do papa herege...

A respeito dos erros papais, vimos que o Papa Adriano II já declarou que o Papa nunca havia sido julgado, exceto no caso de heresia, pois a heresia o Papa Honório de fato foi julgado e condenado post-mortem, aos inferiores de fato , continuou o Papa Adriano, é permitido resistir aos superiores em caso de heresia e rejeitar seus maus julgamentos  [236] A lata. Si Papa (p. I, dist. 40, c. 6) do Decreto de Graciano [237] diz claramente que o Papa não deve ser julgado a menos que se desvie da fé; no Corpus Iuris Canonici [238] especifica-se que este cânone é baseado em algumas afirmações de s. Bonifácio que foram confirmados por Nauclerus e relatados por um texto do Card. Deusdedit publicado na época do Papa Victor III [239]

Na edição crítica deste livro por cartão. Deusdedit, escrito por V. Wolf von Glanvell, o texto que nos interessa por s. Bonifácio encontra-se em outro número, em comparação com a edição de Martinucci, na verdade é sempre colocado no primeiro livro, mas no n. CCCVI e não no n. CCXXXI [240]

Precisamente na edição crítica do texto do cartão. Deusdedit [241] deve-se notar que as afirmações de S. Bonifácio não é conhecido de alguma fonte de onde foram tiradas. No entanto, eles estão na esteira precisa da doutrina católica na verdade eles seguem o que Adriano II já disse [242] e depois dele s. Isidoro [243], como vimos acima.

O Papa Inocêncio III mostrou que aceitava plenamente a afirmação de que o Papa que se desvia da fé pode ser julgado de fato, disse: "In tantum enim fides mihi necessari est, ut cum de ceteris peccatis solum Deum judicem habeam, propter solum peccatum quod in fide committitur possem ab Ecclesia judicari. Nam qui non credit, jam judicalus est (Joan. III).[244] Para nós é importante traduzir, em particular, algumas palavras desta afirmação "somente pelo pecado que cometi em matéria de fé eu poderia ser julgado pela Igreja". creia já foi julgado." [245]

A doutrina católica católica também prevê o caso de um papa afirmar heresias e, por isso, declinar de sua posição.

Santo Afonso prevê a possibilidade de um Papa herético ser deposto por um Concílio: “63... Respondemos, não duvidamos que em alguns casos o Concílio pode ser o juiz do Papa, mas quando? Em apenas dois casos: quando o Papa é declarado herege ou quando é duvidoso, como vimos que procederam os concílios de Pisa e Constanz; mas, fora esses dois casos, o concílio não tem autoridade sobre os papas, mas o concílio é obrigado a obedecer ao papa, como provamos acima com tantos certificados dos mesmos concílios. ... 67 ... Mas respondemos que não há dúvida de que o Papa poderia ser deposto pelo Concílio, quando foi declarado herege, como aquele que ele definiu como doutrina oposta à lei divina ... 68 Além disso, certamente Inocêncio não pretendia com essas palavras dizer que o papa, além do caso de heresia, também foi submetido ao concílio contra a autoridade de muitos papas de seus predecessores, que haviam declarado o contrário. São Bonifácio escreveu: A nemine (pontifex) est iudicandus, nisi deprehendatur a fide Devius (Can. 6. Si papa dist. 4.). " [246]

Um papa publicamente herético deve ser privado de seu poder, diz o texto de Wernz Vidal, e especifica "ut omnes fere admittunt" [247] ...

G. Ghirlanda escreveu, como vimos acima, a este respeito um artigo interessante que contém algumas imprecisões bastante graves[248]. Algumas das declarações exatas do prof. Ghirlanda foram retomadas em um artigo do prof. Romano que afirmou: "Na doutrina, considera-se também a possibilidade de uma vaga vaga por notória apostasia, heresia ou cisma do Papa... É o caso, admitido na doutrina, da notória apostasia, heresia e cisma, em que poderia cair o Romano Pontífice, mas como "médico particular" que não comete o consentimento dos fiéis, porque pela fé na infalibilidade pessoal que o Romano Pontífice tem no exercício do seu ofício e, portanto, na assistência dos do Espírito Santo, devemos dizer que ele não pode fazer afirmações heréticas querendo vincular sua autoridade primacial, porque, se o fizesse, perderia ipso jure seu ofício "." [249]

Obviamente, é com base na Tradição que o Papa é reconhecido como herege.

O Papa pode cair em heresia e com base em dados precisos do s. Tradição poucas semanas antes da publicação deste artigo de Mons. Fernández um grande grupo de bispos católicos, teólogos e intelectuais acusou o Papa Francisco de espalhar heresias... questão não toca.

Mons. Fernández não diz que entre os Papas do passado há alguns que cometeram erros teológicos colossais (Libério, Honório, João XXII, Pasquale II etc.) e que um deles também foi declarado herege após sua morte em um Concílio Ecumênico (Honorius I) ... e não trata da questão do papa herege nem um pouco ...

Dom Fernández fala do Evangelho, mas não especifica que a Sagrada Escritura se refere à Tradição... e que na Tradição a Escritura é verdadeiramente conhecida; precisamente fortalecidos pelas indicações da Tradição e, portanto, da Escritura no passado, santos e teólogos se opuseram aos erros dos Papas e com base nisso afirmaram em alguns casos a heresia de algum Papa e igualmente com base na Tradição obviamente é possível declarar um herege um papa, como claramente emerge do que vimos neste parágrafo e, de forma mais geral, neste capítulo!

E a Tradição, e portanto o s. Escritura, se opõe claramente aos erros do Papa Bergoglio, como tantos teólogos e intelectuais católicos afirmaram sobre Amoris Laetitia e como digo claramente ao longo deste livro.

O artigo de Mons. Fernández não apresenta toda a verdade histórica e teológica das coisas, é teologicamente superficial e contém também alguns erros claros que examinarei no decorrer deste meu livro. Um artigo desse tipo não só é incapaz de defender o Papa, mas nos leva a pensar que por trás dos erros de Amoris Laetitia há também a superficialidade, a fraqueza teológica e os erros que este artigo denota...

Deus intervenha e muito em breve!

10) O grave dever do superior, especialmente do Papa, de corrigir o inferior que pecar ou difundir erros no campo doutrinal.

Venha, Espírito Santo,

envie para nós do céu

um raio de sua Luz.

Os erros que Mons. Fernández difundiu no artigo examinado nos parágrafos anteriores que eles não foram condenados pelo Papa... isso nos leva a algumas reflexões importantes sobre a correção que os superiores devem exercer sobre seus súditos e sobre a ação do Papa Francisco a esse respeito.

São Tomás afirma: “… há dois tipos de correção. A primeira, que é um ato de caridade, e que tende principalmente a emendar um irmão que peca por uma simples admoestação. E essa correção cabe a quem tem caridade, súdito ou prelado. - Depois, há uma segunda correção, que é um ato de justiça, em que se visa o bem comum, que se obtém não apenas por admoestação, mas às vezes também com punição, para que outros que temem desistam de pecar. E essa correção cabe apenas aos prelados, que são responsáveis ​​não apenas por admoestar, mas também por corrigir punindo”. (IIª-IIae q. 33 a. 3 co. Minha tradução)

Portanto, há uma dupla correção, uma que vem mais diretamente da caridade e todos estão obrigados a ela e outra que procede mais diretamente da justiça e esta é dos prelados. Essa correção se aplica tanto aos pecados quanto aos erros doutrinários, como veremos melhor adiante. A responsabilidade dos prelados quanto à correção dos assuntos é de particular gravidade, como assinala o Doutor Angélico: “Mesmo na correção fraterna, que todos podem fazer, o dever dos prelados é mais grave, como diz Santo Agostinho. De fato, assim como uma pessoa deve principalmente dar benefícios temporais àqueles de quem ela tem cuidado temporal, assim ela é mais obrigada a dar benefícios espirituais, como correção, ensino, etc., àqueles confiados a seu cuidado espiritual. Portanto, São Jerônimo não quer dizer que o preceito da correção fraterna diga respeito apenas aos sacerdotes; mas isso lhes diz respeito de maneira especial." (IIª-IIae q. 33 a. 3 ad 1 tradução minha) Os sacerdotes e especialmente o Papa têm uma responsabilidade muito especial quanto à correção de seus súditos que pecam.

S. Afonso, retomando s. Tomás, afirma a respeito da correção fraterna que se trata de uma admoestação com a qual se tenta converter o homem do pecado em que se encontra. Somos todos membros de um corpo e devemos ajudar uns aos outros na caridade também corrigindo a nós mesmos. A correção fraterna diz respeito em particular ao pecado mortal em que a pessoa se encontra vivendo e, embora a obrigação de tal correção diga respeito a todos, cabe em particular aos prelados. [250]

Que a cruz sagrada seja nossa luz.

São João Paulo II afirma: "Nos casos, pois, de graves faltas e, mais ainda, de crimes que prejudiquem o próprio testemunho do Evangelho, sobretudo quando se dá por parte dos ministros da Igreja, o Bispo deve ser forte e decisivo, justo e pacífico. Ele é obrigado a intervir prontamente, de acordo com as normas canônicas estabelecidas, tanto para a correção e bem espiritual do ministro sagrado, como para a reparação do escândalo e restauração da justiça, bem como no que diz respeito à proteção e auxílio do vítimas. . " [251] O mesmo S. João Paulo II, falando do Bispo como ouvinte e guardião da Palavra, afirmou que a missão: “… do ensinamento próprio dos Bispos consiste em guardar a fé santa e corajosamente.[252] … De fato, o significado do munus docendi episcopal brota da própria natureza do que deve ser guardado, ou seja, o depósito da fé”.[253] O Bispo deve guardar a palavra com amor e defendê-la com coragem e isto implica que ele deve vigiar e corrigir os erros que se espalham. Continuou. João Paulo II: "... a Palavra transmitida, a Tradição, tornou-se cada vez mais conscientemente a Palavra da vida e, entretanto, cumpriu-se progressivamente a tarefa do seu anúncio e do seu cuidado..." [254] Cristo confiou a sua Palavra aos Pastores de modo particular para que ela seja mantida reta e corretamente transmitida, sem erros! E o Bispo deve, portanto, zelar pela catequese pela qual é o principal responsável na Diocese: “Mesmo no campo da catequese é evidente que o Bispo é o catequista por excelência. ... é sempre dever do Bispo assumir a direção máxima da catequese.) "[255]

Que a cruz sagrada seja nossa luz.

No Código de Direito Canônico lemos no cân. 436: “- §1. Nas dioceses sufragâneas compete ao Metropolita: 1) zelar pela observância cuidadosa da fé e da disciplina eclesiástica, e informar o Romano Pontífice de quaisquer abusos..."

Em lata. 810 lemos que a autoridade competente deve atuar para que nas universidades católicas: “... sejam nomeados professores que, além da idoneidade científica e pedagógica, primam pela integridade da doutrina e probidade de vida... interessados, eles têm o dever e o direito de fazer com que os princípios da doutrina católica sejam observados fielmente nas mesmas universidades”.

E o mesmo Código de Direito Canônico afirma, a respeito do poder do Papa, no cân. 331 - O Bispo da Igreja de Roma... em virtude de seu ofício, tem o poder ordinário supremo, pleno, imediato e universal sobre a Igreja...

Tudo isso nos faz entender que o superior e sobretudo o Papa devem corrigir seu súdito que comete erros de doutrina, especialmente se tais erros são públicos com evidente escândalo dos fiéis, afirma o Diretório para a Vida dos Bispos nos n. 123.124 e 126 sobre a tarefa do Bispo de supervisionar a integridade doutrinal: "A tarefa do Bispo não é apenas assistir pessoalmente ao anúncio do Evangelho, mas também presidir todo o ministério da pregação na diocese, e sobretudo supervisionar a integridade doutrinal do seu rebanho e a diligente observância das normas canónicas neste domínio (Cf. Codex Iuris Canonici, cân. 386 § 1; 756 § 2 e 889; João Paulo II, Exortação Apostólica Pós-Sinodal Pastores Gregis, 29 ; 44 .). ... Ao Bispo compete velar pela idoneidade dos ministros da palavra, e tem a faculdade de impor condições particulares ao exercício da pregação (Cf. Codex Iuris Canonici, cân. 764.). ... É responsabilidade principal do Bispo zelar pela ortodoxia e integridade do ensino da doutrina cristã, sem hesitar em fazer uso de sua autoridade quando o caso o exigir. ... 126. ... é dever do Bispo, em virtude da autoridade recebida do próprio Cristo, estar vigilante para defender firmemente a integridade e a unidade da fé, de modo que o depósito do a fé seja fielmente preservada e transmitida e que os detalhes das posições sejam unificados na integridade do Evangelho de Cristo. " [256] Se isto é dito dos Bispos, tanto mais deve ser afirmado em relação ao Papa... Portanto, falta gravemente ao Bispo na sua tarefa e, mais ainda, ao Papa que não corrige os erros que se espalham entre os seus fiéis. Veremos ao longo deste livro como o Papa Francisco desrespeitou radicalmente o seu dever fundamental não só ao não condenar os erros óbvios, mas também ao elogiar e apoiar de várias maneiras aqueles que os implementam em pleno proveito da "mudança de paradigma", ou seja, a mudança radical de doutrina que este Papa está implementando. O Papa Francisco não interveio para corrigir as declarações de Mons. Fernández… e veremos como não corrigirá muitas outras declarações e documentos dos Bispos; mais precisamente, ele não apenas não condenou erros óbvios, mas também elogiou e apoiou de várias maneiras aqueles que os implementam, como Fernández, em pleno proveito da chamada “mudança de paradigma”.

Na Bíblia lemos sobre o sacerdote Eli que foi punido por Deus por deixar seus filhos fazerem o mal (cf. 1 Sam. 2 e 3), espero sinceramente que o Papa corrija como seu dever aqueles que estão cometendo erros e repare os erros erros que ele está espalhando, para que Deus não tenha que intervir em sua justiça invencível como fez com Eli e seus filhos.

Que Deus se levante e seus inimigos sejam dispersos (Sl. 68)

11) Minha resposta a um artigo de Fastiggi e Goldstein sobre a crítica pública aos erros do Papa.

O que escrevi e o que você lerá neste livro me permite responder com eficácia às afirmações do prof. Fastiggi e Dr. Dawn Goldstein coletaram em um artigo publicado no La Stampa [257]; esta resposta me parece importante porque o que o prof. Fastiggi e o Dr. Goldstein dizem que a Correctio Filialis também pode ser dirigida contra este meu livro.

O artigo afirma que vários críticos da Amoris Laetitia em seu contraste com as declarações do Papa Francisco não seguem as orientações para os teólogos publicadas pela Congregação para a Doutrina da Fé em 1990 no documento "Donum Veritatis" [258] em vários aspectos de suas ações, como veremos a seguir;

1) a "Correctio Filialis" relata os comentários feitos pelo Papa Francisco em coletivas de imprensa, cartas particulares, etc., sem levar em conta a autoridade dessas declarações e seu contexto;

2) as críticas segundo as quais o Papa Francisco não quer a ortodoxia baseiam-se, portanto, em impressões subjetivas derivadas principalmente de declarações não autorizadas do Papa e não do verdadeiro Magistério deste Papa;

3) os autores da "Correctio Filialis" omitem evidências que invalidariam sua afirmação de que Francisco está abrindo a porta para erros;

4) muitos críticos eminentes da Amoris laetitia trabalham contra a unidade da caridade e contra a necessidade de evitar julgamentos precipitados porque dão as piores interpretações possíveis às declarações e ações do Papa Francisco;

5) os autores da "Correctio Filialis" também apresentam suas opiniões como se fossem fatos inquestionáveis ​​e não opiniões pessoais quando dizem que "as palavras, ações e omissões" do Papa Francisco, em combinação com algumas passagens de Amoris Laetitia "servir para propagar heresias dentro da Igreja".

7) os partidários da "Correctio filialis" estão criando uma espécie de "magistério paralelo" de teólogos que pode causar grandes danos espirituais em oposição ao Magistério dos Pastores; esta atitude indicaria uma grave perda do sentido da verdade e do sentido da Igreja em tais partidários;

8) alguns críticos da Amoris Laetitia apresentam-se como porta-vozes de uma comunidade autônoma que se opõe a uma leitura ortodoxa das palavras do Papa Francisco em um documento de alto nível magistral e operam fora do habitus da teologia;

9) o envio de petições acusando o Santo Padre de promover direta ou indiretamente heresias, como fazem alguns críticos de Amoris Laetitia, não parece ocorrer na linha de "reflexão intensa e paciente" aberta à correção por colegas teólogos; os críticos da Amoris Laetitia não parecem receber críticas construtivas às suas declarações.

Tomo a liberdade de responder ao prof. Fastiggi assinalando antes de tudo que o "Donum Veritatis" deve ser lido à luz de toda a Tradição, deve ser lido, em particular, à luz da regra fundamental da Igreja que é a salvação das almas.

Se um Papa claramente trabalha para difundir direta ou indiretamente erros que claramente põem em perigo a salvação das almas, obviamente os fiéis, precisamente para a salvação das almas, também devem se opor a ele publicamente e expor seus erros.

São Tomás afirma: “... ubi immineret periculum fidei, etiam publice essent praelati a subditis argumentndi.” (II-II q. 33, a. 4 ad 2) Quando um perigo para a fé é iminente, os súditos devem reprovar seus prelados também publicamente.

São Pedro declarou significativamente: "Devemos obedecer a Deus em vez dos homens." (Atos 4:29)

Quando os erros de um Papa colocam em risco as almas, Deus nos leva a agir até publicamente para desmascarar e condenar os erros justamente para advertir e salvar aquelas almas.

São Paulo agiu desta forma contra S. Pedro, que era então Papa, como diz a carta aos Gálatas.

Infelizmente, os erros do Papa Francisco são extremamente perniciosos para a salvação das almas, por isso é necessário desmascará-los e condená-los publicamente para que todos conheçam e se afastem de tais desvios doutrinários.

Além disso, muitos tentaram corrigir este Papa em particular, alguns cardeais apresentaram Dubia[259]  ... mas o Sumo Pontífice insiste em não responder.

Estamos diante de um comportamento indescritível deste Papa, comportamento que se explica muito bem, no entanto, considerando que Francisco está espalhando erros direta e indiretamente, mas com "discrição" também por meio de seus apoiadores ... a partir da linha que ele mostra seguir, para aqueles que pediram esclarecimentos ou se permitiram corrigi-lo, seus erros seriam expostos de forma mais evidente e isso lhe causaria grandes problemas e poderia levar parte do Igreja a se afastar dele precisamente por causa de tais desvios evidentes da sã doutrina.

Respondendo mais diretamente às observações feitas por Fastiggi e Goldstein aos críticos de Amoris Laetitia, digo que as declarações de vários críticos, incluindo a minha, como veremos, não se baseiam em impressões subjetivas derivadas de declarações majoritariamente não autorizadas do Papa, mas 'junto com suas palavras e ações para as quais vemos claramente erros evidentes se espalhando na Igreja de várias formas também pelos Bispos e significativamente não corrigidos pelo Papa.

O atual Papa atua de forma "discreta", causando sérios danos às almas e graves escândalos com sua ação direta e indireta, como todo este meu livro demonstra claramente; muito significativo a este respeito é o fato de que importantes colaboradores do Papa falaram, a respeito de sua ação no campo doutrinal, de uma "mudança de paradigma" [260], uma expressão muito forte que, corretamente interpretada à luz do que está acontecendo na Igreja, indica precisamente não uma evolução, mas uma mudança de doutrina, ou seja, indica traição da sã doutrina através da propagação de erros muito graves.

A situação surgida nestes tempos obviamente não parece ser contemplada pelo "Donum Veritatis" precisamente porque este Papa está espalhando direta ou indiretamente, como você pode ler neste meu livro, erros gravíssimos que, além de fazer os Sacramentos inválidos, em vários casos, fazem os fiéis acreditarem que se tornou praticamente lícito cometer verdadeiros pecados graves e até receber os Sacramentos continuando a cometer tais pecados e sem se propor a não mais fazê-los, nesta linha a salvação eterna das almas está em grave perigo e o Espírito Santo convida os fiéis que estão cientes de tais erros a agir, repito, se opor a eles e desmascará-los claramente, para que todos os fiéis se empenhem resolutamente a distanciar-se de tais desvios doutrinários e a caminhar a linha da sã doutrina para a salvação; como dissemos: a salvação das almas é a lei suprema da Igreja e, portanto, de todo crente.

A séria crítica que se faz à Amoris Laetitia, como se verá lendo este livro, leva em conta, ao contrário do que diz o artigo em questão, a autoridade dos documentos da Igreja e justamente com base neles reconhece a clara erros que o Papa Francisco está difundindo direta ou indiretamente, de forma "discreta" mas eficaz!

A crítica séria que se faz ao Papa leva em conta, como disse, o que ele, com suas palavras e ações, está determinando na Igreja; o fato de que o Papa possa ter dito algo certo não anula o fato de que ele está trabalhando de várias formas para difundir erros graves; as declarações acertadas que o Sumo Pontífice poderia ter dito ou dito não são sustentadas, como verão, pelo compromisso de que sejam observadas e, portanto, permanecem letra morta! Além disso, o discurso do Papa de janeiro de 2016 à Rota Romana, do qual fala o artigo de Goldstein e Fastiggi:

1) foi pronunciada antes de Amoris Laetitia;

2) é um discurso, portanto não tem a autoridade de uma exortação papal;

3) pode ser facilmente interpretado num sentido conforme à Amoris Laetitia e aos erros aos quais ela abriu as portas, na verdade esse discurso não se opõe claramente aos erros que se espalham pela Amoris Laetitia, ou seja, não afirma que para confessar é preciso a resolução de não pecar, não afirma que o adultério é proibido sempre e para sempre, não afirma que a consciência não pode reconhecer sinceramente que Deus permite que ela continue a quebrar os mandamentos com atos objetivamente graves... etc.

Os críticos sérios da Amoris Laetitia não emitem julgamentos precipitados, como diz o artigo em questão, mas, como você verá lendo este livro ou examinando outros textos desta linha, julgamentos baseados nas palavras e ações do Papa. como mostro claramente neste meu livro, o que o Papa Francisco está realizando na Igreja direta ou indiretamente, isto é, também graças a colaboradores que, precisamente na linha de sua obra, espalham erros e produzem escândalos, sem que o Papa intervenha para bloqueá-los!

Além disso, os críticos sérios da Amoris Laetitia apresentam suas opiniões como fatos inquestionáveis ​​e não como opiniões pessoais, precisamente porque se baseiam não apenas nas afirmações do Papa, mas no que ele está realizando concretamente direta e indiretamente na Igreja também com a ajuda de seus colaboradores cujos erros ele obviamente não corrige, pois seguem a "mudança de paradigma" que ele mesmo está realizando.

Os críticos sérios da Amoris Laetitia com sua ação também nos sites da Internet não estão criando um Magistério paralelo, mas, ao contrário do que diz o artigo em questão, estão reiterando o Magistério de dois mil anos ao qual o Papa se opõe de maneira discreta, mas clara , direta ou indiretamente, conforme suas ações demonstram; o "magistério paralelo" está, portanto, sendo criado pelo Papa e não pelos críticos sérios de Amoris Laetitia ...

Este comportamento dos críticos da Amoris Laetitia, ao contrário do que afirma o artigo em questão, não indica uma grave perda do sentido da verdade e do sentido da Igreja, mas manifesta precisamente o contrário, ou seja, manifesta o apego ao Verdade e verdadeiro sentido da Igreja, e mais especificamente manifesta que o Espírito Santo continua a falar na Igreja mesmo quando um Papa espalha erros evidentes e gravíssimos, manifesta também que se um Papa com os seus erros põe em perigo a salvação eterna das almas, o Espírito Santo ordena opor-se a ele de maneira clara e pública precisamente para salvar as almas enganadas por tais erros, s. Tomás, guiado pelo Espírito Santo, pôde assim afirmar, como se vê: “... ubi immineret periculum fidei, etiam publice essent praelati a subditis argumentndi.” (II-II q. 33, a. 4 ad 2) Quando um perigo era iminente para a fé, os súditos deveriam censurar seus prelados mesmo publicamente.

Joseph Ratzinger, mais tarde Bento XVI, escreveu o seguinte: ""A fé se normatiza nos dados objetivos da Escritura e do dogma... , isto é, na fé de toda a Igreja.
Quando nem o consentimento de toda a Igreja é possível, nem evidências claras das fontes estão disponíveis, uma decisão vinculativa definitiva não é possível. Se tal evento tivesse ocorrido formalmente, faltariam as condições para tal ato e, portanto, uma questão sobre sua legitimidade teria que ser levantada”. [261]

Em alguns casos, portanto, é necessário criticar os pronunciamentos papais... e em alguns casos essa crítica deve ser feita publicamente.

Esses críticos sérios da Amoris Laetitia, ao contrário do que afirma o artigo, apresentam-se como os porta-vozes do que a Igreja afirmou com suprema autoridade em 2000 anos de cristianismo e operam segundo as indicações de fé reta e teologia reta na linha do ação também realizada por Pastores e teólogos em outros momentos históricos diante de claros erros cometidos pelos Papas.

A história, como vimos, conhece vários casos de erros papais, e mesmo assim os homens da Igreja, fazendo-se porta-vozes da sã doutrina, moveram-se para combater esses erros.

No artigo em questão, criticam-se os comentadores da Amoris Laetitia que alegam ter o direito de falar contra a Amoris Laetitia porque o Papa não deixou a sua opinião suficientemente clara, não sei a que críticos se referem aqui o Dr. Goldstein e o prof. . Fastiggi, mas certamente eu e vários outros críticos falamos depois de ter entendido muito bem o que o Papa está fazendo direta ou indiretamente... a evidência é muito clara, e este meu livro, junto com os escritos de outros críticos, os destaca; o que acabamos de dizer refuta as afirmações do artigo segundo as quais a atitude dos críticos de Amoris Laetitia não parece refletir uma atitude de "reflexão intensa e paciente" passível de correção por colegas teólogos, na verdade a crítica séria baseado em Amoris Laetitia não se baseia em doutrinas a serem interpretadas, mas em fatos e palavras que as sustentam e que mostram claramente como o Papa está traindo claramente a sã doutrina e espalhando erros colossais e perniciosos de várias maneiras, infelizmente!

Deus intervenha!

12) Minha resposta a outro artigo do prof. Fastiggi que não aponta que o Papa pode cometer erros e até cair em heresia, como ensina a sã doutrina e a história da Igreja.

Quanto ao que diz Fastiggi, em outro artigo, para defender o atual Papa [262] parece-me que uma resposta eficaz e documentada às afirmações do teólogo americano pode ser encontrada neste meu livro...

Ao lado da verdade, que Fastiggi apresentou, segundo a qual o Papa é infalível em algumas ocasiões e outras verdades sobre o Papa e nossa relação com ele, é bom que Fastiggi saliente que na história também nos lembramos de Papas que cometeram erros escandalosos , como Expliquei na introdução deste meu livro; apontar, por exemplo, que o Papa Honório foi condenado por heresia [263] ... o que há. Bruno di Segni se opôs claramente aos erros de Pasquale II[264], você fala do Papa Libério, do Papa João XXII etc. etc. ... e dizer que a doutrina considera claramente a possibilidade de um Papa cair em heresia [265] ... também assinalam que a Congregação para a Doutrina da Fé admitiu erros por parte dos Papas "Na história do Papado não faltaram erros humanos e até falhas graves: o próprio Pedro, de fato, reconheceu que era pecador (Cf. Lc 5,8.). Pedro, um homem fraco, foi escolhido como uma rocha, justamente para que ficasse claro que a vitória é somente de Cristo e não fruto da força humana. O Senhor quis levar o seu próprio tesouro através do tempo em vasos frágeis (cf. 2 Cor 4,7.): Assim a fragilidade humana tornou-se sinal da verdade das promessas divinas e da misericórdia de Deus (Cf. João Paulo II, Lett . Anexo "Ut Unum Sint", de 25.5.1995, nn. 91-94.) "[266] ... obviamente se o prof. Fastiggi vai querer estudar a história em profundidade, ele vai lembrar que quando os Papas cometeram "erros humanos e até falhas graves" mesmo no campo doutrinário, muitas vezes foram poucos os que os apontaram e se opuseram diretamente a eles.[267] … Eu vejo que o prof. Fastiggi cita muitas vezes a "Veritatis Donum", mas convido-o a considerar este texto à luz da Bíblia e de toda a Tradição... é inteiramente legítimo que os teólogos avisem os fiéis dos erros e, portanto, intervenham publicamente, como disse acima, porque o princípio fundamental da doutrina católica é a salvação das almas! Pela Lei de Cristo, como explica S. Thomas, a correção é uma obra de misericórdia que pertence a todos para com qualquer pessoa, para com a qual devemos ter caridade, quando nela encontramos algo a corrigir; o superior deve ser corrigido com o devido respeito, mas essa correção também pode ser feita publicamente, de fato, aponta Tomás de Aquino, quando houvesse perigo para a fé, os súditos seriam obrigados a censurar seus prelados até publicamente, portanto, s. Paulo, que também era súdito de São Pedro, pelo perigo de escândalo na fé, repreendeu-o publicamente em Antioquia (Gal 2). São Tomás de Aquino observa que esta censura pública de um inferior a um superior era lícita por causa do perigo iminente de escândalo sobre a fé (cf. II-II, q. 33, a. 4 ad 2)

Diz mais precisamente s. Tomás: "... ubi immineret periculum fidei, etiam publice essent praelati a subditis argumentndi." publicamente. A salvação das almas é a lei suprema da Igreja.

… Sabemos bem que s. Thomas estava bem familiarizado com o que a Bíblia diz... e não me parece que sua doutrina sobre este ponto da correção do superior tenha sido considerada herética.

Joseph Ratzinger, mais tarde Bento XVI, escreveu o seguinte: ""A fé se normatiza nos dados objetivos da Escritura e do dogma... , isto é, na fé de toda a Igreja.
Quando nem o consentimento de toda a Igreja é possível, nem evidências claras das fontes estão disponíveis, uma decisão vinculativa definitiva não é possível. Se tal evento tivesse ocorrido formalmente, faltariam as condições para tal ato e, portanto, uma questão sobre sua legitimidade teria que ser levantada”. ("Das neue Volk Gottes: Entwürfe zur Ekklesiologie", (Düsseldorf: Patmos, 1972) p. 144; "Fé, razão, verdade e amor", (Lindau 2009), p. 400.)

Vimos que S. Roberto Bellarmino afirmou que: “Assim como é legítimo resistir ao Pontífice que ataca o corpo, é legítimo resistir ao Papa que ataca as almas ou perturba o Estado, e muito mais se tenta destruir a Igreja; é legítimo resistir a tal Papa não cumprindo o que ele ordena e impedindo que sua vontade seja cumprida ... " [268]

Infelizmente o Papa Francisco, como mostro neste livro, está tentando subverter a sã doutrina e cometeu muitos erros... Não sei se ao prof. Fastiggi está mais interessado em defender o Papa ou a salvação das almas e a Verdade de Cristo...

Se ao prof. Fastiggi está interessado em defender a Verdade de Cristo, convido-o a fazer ouvir sua voz contra os erros e escândalos relacionados aos quais este Papa está abrindo as portas e dos quais falo abundantemente neste meu livro bastante volumoso ...

Se, por outro lado, o prof. Anunciem que, graças ao trabalho deste Papa, como mostraremos neste livro, os adúlteros permanecem em seu pecado e recebem os Sacramentos sem contrição e sem se propor a observar toda a Lei de Deus e assim receber a Comunhão, se estiverem interessados ​​em aqueles que praticam a homossexualidade permanecem em seu pecado e recebem os Sacramentos sem contrição e sem se propor a observar toda a Lei de Deus e assim receber a Comunhão, se estiverem interessados ​​em continuar a espalhar erros: na caridade, na consciência moral, na doutrina verdadeira de s. Tomé, sobre a lei divina e sobre a lei natural; se ele se importa que Bonino, um famoso anti-católico e abortista, seja considerado um grande d 'Itália, se ele se importa que ele perceba LGBT eles lêem no s. Missas papais ... se ele está interessado que as pessoas se escandalizam e permaneçam assim pelo que ele vê fazendo e dizendo contrário à sã doutrina pelo Papa e pelos Bispos e Cardeais etc. etc. ... se em suma, ao prof. Fastiggi está interessado em que a "mudança de paradigma", com todos os erros que traz consigo e com sérios danos às almas, continue avançando, continua o prof. Você se apressa em defender os erros deste Papa.

Papa Francisco, de fato, como demonstrarei ao longo deste meu livro:

- através da Amoris Laetitia abriu as portas dos Sacramentos aos adúlteros e homossexuais ativos que não têm o propósito de viver segundo a lei divina e, portanto, carecem de contrição;

-através da Amoris Laetitia difunde a "mudança de paradigma" com erros: sobre a caridade, sobre a consciência moral, sobre a verdadeira doutrina de S. Thomas, sobre a lei divina e a lei natural etc.

- considerou Bonino, um famoso anticatólico e abortista, um grande italiano[269]...

- evidentemente permitiu que pessoas LGBT lessem no s. Missas papais [270]

-etc etc.

Recordo a todos que o cristão segue a Cristo que chama: à castidade e não ao adultério, à vida segundo a natureza e não aos pecados não naturais como o homossexualismo, à contrição e, portanto, ao propósito de mudar de vida e não à perseverança no pecado, à doutrina católica e não à LGBT, à consciência reta e não à frouxidão, à lei divina e não a uma lei natural vaga, à verdadeira "lei de graduação" e não à "gradualidade da lei" , Cristo chama para dizer a Verdade desconfortável e não ficar calado diante das maldades dos regimes comunistas... como o regime comunista chinês...etc.etc.

Por fim, lembro a todos que não será o Papa que nos julgará, mas o próprio Cristo que certamente nos deu o Papa como seu Vigário, mas não o deu a nós como um Deus infalível... Espírito como assistente infalível que nos guia para toda a verdade…

No julgamento não será suficiente ter simplesmente seguido e apoiado o Papa, mas será necessário ter seguido e apoiado a Verdade de Cristo que ensina a verdadeira castidade, a verdadeira caridade, a verdadeira prudência... etc. etc. Não é à toa, por outro lado s. Paulo escreveu: “Estou surpreso que, tão rapidamente, daquele que os chamou com a graça de Cristo, vocês estão passando para outro evangelho. Mas não há outro, exceto que há alguns que o incomodam e querem subverter o evangelho de Cristo. Mas ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos proclame um evangelho diferente daquele que anunciamos, seja anátema! Já o dissemos e agora repito: se alguém vos anunciar um evangelho diferente daquele que recebestes, seja anátema!” (Gálatas 1, 6ss)

... se nós mesmos, que é um Apóstolo, ou um Papa, ou um anjo do céu... vos anunciamos um evangelho diferente daquele que vos anunciamos, seja anátema!

Deus nos ilumine cada vez melhor.

 

Note 

 

[1]Paulo VI "Discurso do Papa ao Sagrado Colégio", segunda-feira, 18 de maio de 1970, www.vatican.va,

http://www.vatican.va/content/paul-vi/it/speeches/1970/documents/hf_p-vi_spe_19700518_sacro-collegio.html

[2]Congregação para a Doutrina da Fé "Carta aos Bispos da Igreja sobre a pastoral dos homossexuais", 10.1.1986 n. 5, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19861001_homossexual-persons_it.html

[3]Congregação para a Doutrina da Fé, Instrução "Donum Veritatis" de 24.5.1990, n. 1-3, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19900524_theologian-vocation_it.html

[4]J. Ratzinger, “Introdução”, na Congregação para a Doutrina da Fé, “Sobre a pastoral dos divorciados recasados”, LEV, Cidade do Vaticano 1998, p. 20-29., Www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19980101_ratzinger-comm-divorced_it.html#_ftn1

[5]"Epistula XXIII", www.augustinus.it, https://www.augustinus.it/latino/lettere/lettera_023_testo.htm

[6]Tradução retirada do site www.augustinus.it que publica online as obras da editora Città Nuova https://www.www.augustinus.it .it / english / letter / index2.htm

[7]São Gregório Magno “Regra Pastoral” p. II, n. 4, no Grande, Gregório. “Homilias sobre os Evangelhos. Regra pastoral ”(Clássicos da religião) (Italian Edition) (localização no Kindle 7926ss). UTET, edição de 2013 do Kindle.

[8]Ver São Gregório Magno “Regra Pastoral” p. II, n. 4, no Grande, Gregório. “Homilias sobre os Evangelhos. Regra pastoral ”(Clássicos da religião) (Italian Edition) UTET, 2013 Edition do Kindle.

[9]Ver São Gregório Magno “Regra Pastoral” p. II, n. 4, no Grande, Gregório. “Homilias sobre os Evangelhos. Regra pastoral ”(Clássicos da religião) (Italian Edition) UTET, 2013 Edition do Kindle.

[10] "Código de Direito Canônico", cân. 212, § 2º e 3º

[11]“Correctio Filialis De Haeresibus Propagatis”, http://www.correctiofilialis.org/it/; http://www.correctiofilialis.org/wp-content/uploads/2017/08/Correctio-filialis_Italiano.pdf

[12]S. Agostino, "Discorso 162 / C", tradução retirada do site www.augustinus.it que publica online as obras da editora Città Nuova, http://www.augustinus.it/italiano/discorsi/discorso_575_testo.htm

[13]"Código de Direito Canônico", cân. 212, § 2 e 3, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/cod-iuris-canonici/ita/documents/cic_libroII_208-223_it.html#TITOLO_I

[14]Veja "Catecismo da Tridentina", ed. Cantagalli 1992, n. 112 https://www.maranatha.it/catrident/13page.htm

[15]Concílio Vaticano II, Dec. “Apostolicam actuositatem”, 2: AAS 58 (1966) 838-839.

[16]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 3, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[17]Cf. Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 nota n. 8, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[18]Ver São João Paulo II, Encíclica Lett. "Ut unum sint" de 25.5.1995, n. 90s, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/it/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_25051995_ut-unum-sint.html

[19]Cf. Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 3, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[20]N. Cipriani "O primado do bispo de Roma no primeiro milênio" em Credere Oggi, Edizioni Messaggero Padova, site consultado em 27.10.2020 https://www.credereoggi.it/upload/1998/ Articolo103_35.asp

[21]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja "31.10.1998 n.4, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[22]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 20

[23]Comitê de coordenação conjunta para o diálogo teológico entre a Igreja Católica Romana e a Igreja Ortodoxa "O papel do Bispo de Roma na comunhão da Igreja no primeiro milênio" 3.10.2008, www.chiesa.espressonline.it, http: // igreja.express.repubblica.it/article/1341814.html.

[24]Cf. Concílio Vaticano I, Constituição Dogmática. “Pastor aeternus”, prefácio; Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003, nº 3051; São Leão I Magno, “Tractatus in Natale eiusdem”, IV, 2: CCL 138, p. 19; Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja "31.10.1998 n.4, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html)

[25]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964, 22: AAS 57 (1965) 26., www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[26]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. Lumen gentium, 23: AAS 57 (1965) 27 www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[27]Cf. Jo 17,21: 23-1; Concílio Vaticano II, Dec. "Unitatis redintegratio", n. 8; Paulo VI, Exortação ap. Evangelii nuntiandi, 1975 de dezembro de 77, n. 68: AAS 1976 (69) 25.5.1995; João Paulo II, Carta Encíclica "Ut unum sint", 98, n. 31.10.1998; Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”4 n. 19981031, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_XNUMX_primato-successore-pietro_it.html

[28]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964, n.27, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[29]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964, 19: AAS 57 (1965) 22, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[30]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 4, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[31]Cf. Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 5, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[32]Concílio Ecumênico Vaticano II, Constituição Dogmática. sobre a Igreja "Lumen gentium", 21.11.1964, 27, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[33]João Paulo II, Carta Encíclica "Ut Unum Sint", de 25.5.1995, n. 95, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/it/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_25051995_ut-unum-sint.html

[34]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964, 22: AAS 57 (1965) 26, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[35]Cf. Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 6, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[36]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 6, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[37]São João Paulo II, Carta Encíclica "Ut unum sint", 25.5.1995, n. 93, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/it/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_25051995_ut-unum-sint.html

[38]Cf. Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 7, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[39]São João Paulo II "Ut Unum Sint", 25.5.1995, n. 94, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/it/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_25051995_ut-unum-sint.html#$46

[40]Ver São João Paulo II “Ut Unum Sint”, de 25.5.1995, n. 94, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/it/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_25051995_ut-unum-sint.html#$46

[41]Ver São João Paulo II “Ut Unum Sint”, de 25.5.1995, n. 93s, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/john-paul-ii/it/encyclicals/documents/hf_jp-ii_enc_25051995_ut-unum-sint.html#$46

[42]Concílio Vaticano II, Dec. "Presbyterorum ordinis", 4, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_decree_19651207_presbyterorum-ordinis_it.html

[43]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. “Lumen gentium”, 21.11.1964, 25, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html; cf. "Catecismo da Igreja Católica" n. 888

[44]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja "31.10.1998 n.9, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[45]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964 n. 25, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[46]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964 n. 25, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html#_ftn77; cf. Concílio Vaticano I, Constituição Dogmática. Dei Filius, 3: Dz 1792 (3011) [Collantes 1.070]; cf. também a nota adicionada ao Schema I De Eccl. (retirado de S. Rob. Bellarmino): Mansi 51, 579C; e o Esquema da Constituição reformado II De Ecclesia Christi, com o comentário Kleutgen: Mansi 53, 313AB. Pio IX, Lett. Tuas libenter: Dz 1683 (2879) [Collantes 7.174]]; cf. CIC, cân. 1322-1323 [no novo Código: cân. 747-750]

[47]Cf.f Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964, 25: AAS 57 (1965) 30, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[48]S. Paciolla, “Card. Müller: nenhum Papa pode propor seus pontos de vista subjetivos à fé de toda a Igreja”, www.sabinopaciolla.com 30.10.2020 https://www.sabinopaciolla.com/card-muller-nessun-papa-puo-propose- para-a-fé-de-toda-igreja-seus-pontos-de-vista-subjetivos /

[49]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964, 27 www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[50]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 10, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[51]Cf. Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964, 26 www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[52]Concílio Vaticano II, Decreto Christus Dominus lemos n. 15, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_decree_19651028_christus-dominus_it.html

[53]Cf. Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 11, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[54]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 7, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[55]Conc. Vat, II: Constituição Dogmática. sobre a Revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 7; Const. Decreto Decl., P. 428, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[56]Ver Conc. Vat, II: Constituição Dogmática. sobre a Revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 8, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html) "(Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração" Mysterium Ecclesiae " 24.6.1973, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html

[57]Cf. Concílio Vaticano II: Const Dogm. sobre a Igreja "Lumen gentium", n. 25; Const. Decr Decl., P. 139) "(Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração" Mysterium Ecclesiae "24.6.1973 n. 3, www.vatican.va,, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/ congregações /cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html

[58]Conc. Vat, II: Constituição Dogmática. sobre a Revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 10, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html)

[59]Cf. Concílio Vaticano II: Constituição dogmática. sobre a Igreja "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 12 www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[60]Cf. Concílio Vaticano II: Constituição dogmática. sobre a Igreja "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 12 www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[61]Concílio Vaticano II: Constituição dogmática. sobre a Revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 8

[62]Ver Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração "Mysterium Ecclesiae" 24.6.1973 n. 2, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html

[63]Concílio Vaticano II: Constituição dogmática. sobre a Igreja "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 25, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[64]Ver Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração "Mysterium Ecclesiae" 24.6.1973 n. 3, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html

[65]Concílio Vaticano I, Constituição Dogmática "" Pastor aeternus "" c. IV, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/pius-ix/it/documents/constitutio-dogmatica-pastor-aeternus-18-iulii-1870.html

[66]Cf. Concílio Vaticano I: Constituição dogmática. "Pastor aeternus", cap. 4; Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003, n. 3070; Concílio Vaticano II: Constituição dogmática. sobre a Igreja "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 25, e Constituição Dogmática. sobre a Revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 4.

[67]Cf. Concílio Vaticano II: Constituição dogmática. sobre a Revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 11; Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração "Mysterium Ecclesiae" 24.6.1973 n. 3, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html)

[68]Pio IX, Constituição Dogmática “Pastor Aeternus” c. IV, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/pius-ix/it/documents/constitutio-dogmatica-pastor-aeternus-18-iulii-1870.html)

[69]Concílio Vaticano II: Constituição dogmática. sobre a Igreja "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 25, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[70]S. Paciolla, “Card. Müller: nenhum Papa pode propor seus pontos de vista subjetivos à fé de toda a Igreja "www.sabinopaciolla.com 30.10.2020 https://www.sabinopaciolla.com/card-muller-nessun-papa-puo-propose-alla - Fé-de-toda-igreja-seus-pontos-de-vista-subjetivos /

[71]Congregação para a Doutrina da Fé Instrução "Donum Veritatis" de 24.5.1990 n. 18, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19900524_theologian-vocation_it.html

[72]Concílio Vaticano II: Constituição dogmática. sobre a Igreja "Lumen gentium", 21.11.1964 n. 25, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[73]Cf. Concílio Vaticano II: Constituição dogmática. sobre a Igreja "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 22 e 25; Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração "Mysterium Ecclesiae" 24.6.1973 n. 3, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html

[74]Congregação para a Doutrina da Fé “Nota doutrinal ilustrativa da fórmula conclusiva da Professio fidei” 29.6. 1998, www.vatican.va, https://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_1998_professio-fidei_it.html

[75]Congregação para a Doutrina da Fé “Nota doutrinal ilustrativa da fórmula conclusiva da Professio fidei” 29.6.1998, www.vatican. , https://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_1998_professio-fidei_it.html

[76]Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração "Mysterium Ecclesiae" sobre a doutrina católica sobre a Igreja para defendê-la de alguns erros de hoje, de 5.7.1973, n. 4, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html

[77]Ver Pio IX, Breve Eximiam tuam, AAS n. 8 Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 2831; Encíclica Paulo VI Lett. "Mysterium Fidei" 3.9.1965 n. 24s, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/paul-vi/it/encyclicals/documents/hf_p-vi_enc_03091965_mysterium.html; Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração "Mysterium Ecclesiae" sobre a doutrina católica sobre a Igreja para defendê-la de alguns erros de hoje, de 5.7.1973, n. 5, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html

[78]Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração "Mysterium Ecclesiae" sobre a doutrina católica sobre a Igreja para defendê-la de alguns erros de hoje, de 5.7.1973, n. 5, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html

[79]Encíclica São Paulo VI Lett. "Mysterium Fidei", 3.9.1965 n. 24s, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/paul-vi/it/encyclicals/documents/hf_p-vi_enc_03091965_mysterium.html

[80] Encíclica São Paulo VI Lett. "Mysterium Fidei" 3.9.1965 n. 24s, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/paul-vi/it/encyclicals/documents/hf_p-vi_enc_03091965_mysterium.html

[81]Concílio Vaticano I, Constituição "Dei Filius", 24.4.1870, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/pius-ix/it/documents/constitutio-dogmatica-dei-filius-24 - abril-1870.html; Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 3020

[82]Ver Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração "Mysterium Ecclesiae" sobre a doutrina católica sobre a Igreja para defendê-la de alguns erros de hoje, de 5.7.1973, n. 5, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html

[83]João XXIII, “Discurso do Santo Padre João XXIII”, AAS 54 (1962), p. 792, n. 5,1. 6,5, www.vatican.va, Abertura solene do Concílio Ecumênico Vaticano II (11 de outubro de 1962) | João XXIII

[84]Ver Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração "Mysterium Ecclesiae" sobre a doutrina católica sobre a Igreja para defendê-la de alguns erros de hoje, de 1973, n. 5, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html

[85]Congregação para a Doutrina da Fé "Nota doutrinal ilustrativa da fórmula conclusiva da Professio fidei" 29.6.1998, www.vatican.va, https://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_1998_professio- fidei_it.html

[86]Congregação para a Doutrina da Fé Instrução "Donum Veritatis" de 24.5.1990, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19900524_theólogon-vocation_it.html

[87]Congregação para a Doutrina da Fé Educação "Donum Veritatis" de 24.5.1990 http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19900524_theologian-vocation_it.html

[88]Sup. III Sententiarum, d. 25, q. 2, a. 1, sol. 4, a 3; texto citado em (International Theological Commission, "The sensus fidei in the life of the Church" de 10.6.2014 nota 78, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/ rc_cti_20140610_sensus-fidei_it.html # _ftnref68

[89]Conc. Vat, II: Constituição Dogmática. sobre a Revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 7, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[90]Ver Conc. Vat, II: Constituição Dogmática. sobre a Revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 7s, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[91]Conc. Vat, II: Constituição Dogmática. sobre a Revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 8, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[92]Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 n. 1,2,1, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[93]Conc. Vat, II: Constituição Dogmática. sobre a Revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 8, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[94]Comissão Teológica Internacional: “Teologia hoje. Perspectivas. Princípios e critérios." n. 7, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_doc_20111129_teologia-oggi_it.html

[95]Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 n.3,2,2, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[96]Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 n. 2,3,1, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[97]Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 nn 2,2,1, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[98]Ver Heinrich Denzinger "Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum" editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 600, 602 s., 609

[99]Ver Heinrich Denzinger "Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum" editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 1501

[100]Ver Heinrich Denzinger "Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum" editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 3006s.)

[101]Concílio Vaticano I, Constituição Dogmática. sobre a fé católica, Dei Filius, cap. 4, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/i-vatican-council/documents/vat-i_const_18700424_dei-filius_it.html

[102]Ver Conc. Vat, II: Constituição Dogmática. sobre a Revelação divina "Dei Verbum" 18.11.1965, n. 8, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[103]Cf. Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 2,2,2 http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[104]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Dei Verbum" 18.11.1965, 9: AAS 58 (1966) 821.

[105]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Dei Verbum" 18.11.1965, 9: AAS 58 (1966) 821, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[106]Ver Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. “Dei Verbum” 18.11.1965, 9: AAS 58 (1966) 821., www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html.

[107]Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 n. 3.1.2 http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[108]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Dei Verbum" 18.11.1965, 12, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[109]Ver Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Dei Verbum" 18.11.1965, 12, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[110]Bento XVI, “Discurso do s. Padre Benedict aos membros da Pontifícia Comissão Bíblica", 23.4.2009, www.vatican.va, http://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/it/speeches/2009/april/documents/hf_ben- xvi_spe_20090423_pcb.html

[111]Cf. Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 n. 3,2,1, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[112]Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 n. 3,2,2, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[113]Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[114]Comissão Teológica Internacional: “Teologia hoje. Perspectivas. Princípios e critérios." 29.11.2011, n. 25, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_doc_20111129_teologia-oggi_it.html

[115]Comissão Teológica Internacional: “Teologia hoje. Perspectivas. Princípios e critérios.", 29.11.2009, n. 26, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_doc_20111129_teologia-oggi_it.html

[116]Comissão Teológica Internacional: “Teologia hoje. Perspectivas. Princípios e critérios.", 29.11.2009, n. 32, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_doc_20111129_teologia-oggi_it.html

[117]Cf. Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 3, 2,2, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[118]Veja Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas.", 1990 n.3,2,2, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it .html

[119]Cf. Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 n. 3,2,3, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[120]Cf. Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 n. 3,3,6, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html)

[121]Cf. Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990 n. 3,3,6, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[122]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Dei Verbum" 18.11.1965, 8, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[123]Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[124]Cf. Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 10, www.vatican.va,, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html)

[125]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 7, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[126]Cf Declaração coletiva dos Bispos alemães, jan.-fev. 1875: Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003, n. 3114; Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 7, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[127]Cf. Jo 17,21: 23-2003; Concílio Vaticano I, Constituição Dogmática. “Pastor aeternus”, prefácio: Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edições Dehoniane Bologna, 3051, n. 2. Cf .. São Leão I Magno, “Tractatus in Natale eiusdem”, IV, 138: CCL 19, p. 1; Concílio Vaticano II, Dec. "Unitatis redintegratio", n. 8; Paulo VI, Exortação ap. "Evangelii nuntiandi", 1975 de dezembro de 77, n. 68: AAS 1976 (69) 25.5.1995; João Paulo II, Carta Encíclica "Ut Unum Sint", de 98, n. 31.10.1998; Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja "4, I, 19981031, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_XNUMX_primato-successore-pietro_it.html)

[128]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Dei Verbum" 18.11.1965, 10: AAS 58 (1966) 822, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[129]Bento XVI, "Homilia de 7 de maio de 2005", www.vatican.va, https://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/it/homilies/2005/documents/hf_ben-xvi_hom_20050507_san-giovanni-laterano.html

[130]Ver Bento XVI, "Homilia de 7 de maio de 2005", www.vatican.va, https://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/it/homilies/2005/documents/hf_ben-xvi_hom_20050507_san-giovanni-laterano . html.

[131]Declaração dos Bispos Alemães 1875, Denzinger "Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum" editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 3114; texto elogiado e aprovado pelo Papa Pio IX com o “Mirabilis illa constantia” de 1875, Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 3117

[132]"Discurso de João Paulo II aos funcionários e advogados do Tribunal da Rota Romana para a inauguração do ano judicial" de 21.1.2000, www.vatican.va, http://w2.vatican.va/content/john -paul -ii / it / discursos / 2000 / jan-mar / documentos / hf_jp-ii_spe_20000121_rota-romana.html

[133]Congregação para a Doutrina da Fé "Carta aos Bispos da Igreja Católica sobre a recepção da comunhão eucarística pelos fiéis divorciados recasados" de 14.9.1994, www.vatican.va,
http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_14091994_rec-holy-comm-by-divorced_it.html

[134]S. Afonso. M. de Liguori "Verdade da Fé" p. IIIc. IX ‚§. 4n. 63, 67,68 em “Obras de S. Afonso Maria de Liguori”, Pier Giacinto Marietti, Turim 1880, Vol. VIII, pp. 753–755, www.intratext.com, http://www.intratext.com/IXT/ITASA0000/_P3BI.HTM#-M5R

[135]Veja Card. L. Müller "Prefácio" em R. Buttiglione "Respostas amigáveis ​​aos críticos de Amoris Laetitia", ed. Ares, 2017, pág. 12

[136]Congregação para a Doutrina da Fé, Declaração "Mysterium Ecclesiae" sobre a doutrina católica sobre a Igreja para defendê-la de alguns erros de hoje, datada de 5.7. 1973, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html

[137]S. Paciolla, “Card. Müller: nenhum Papa pode propor seus pontos de vista subjetivos à fé de toda a Igreja "www.sabinopaciolla.com 30.10.2020 https://www.sabinopaciolla.com/card-muller-nessun-papa-puo-propose-alla - Fé-de-toda-igreja-seus-pontos-de-vista-subjetivos /

[138]S. Paciolla, “Card. Müller: nenhum Papa pode propor seus pontos de vista subjetivos à fé de toda a Igreja "www.sabinopaciolla.com 30.10.2020 https://www.sabinopaciolla.com/card-muller-nessun-papa-puo-propose-alla - Fé-de-toda-igreja-seus-pontos-de-vista-subjetivos /

[139]Ver "Primo Commonitorio" de Vincent de Lérins, Cap. 23; PL 50, 667-668; Ofício das Leituras de Sexta-feira da XXVII Semana do Tempo Comum na Conferência Episcopal Italiana "Liturgia das Horas segundo o Rito Romano" ed. LEV 1993 (reimpressão) vol. IV pág. 323s https://www.maranatha.it/Ore/ord/LetVen/27VENpage.htm

[140]Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 2802

[141]Texto retirado de www.totustuus.it, http://www.totustuustools.net/magistero/p9ineffa.htm

[142]Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 3020

[143]Pio IX, Constituição Dogmática "Dei Filius" 24.4.1870, www.vatican.va, https://w2.vatican.va/content/pius-ix/it/documents/constitutio-dogmatica-dei-filius-24-aprilis -1870.html

[144]Pio X, Motu proprio "Sacrorum antistitum", juramento antimodernista, Heinrich Denzinger

"Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum" editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003, n. 3541

[145]Veja, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730705_mysterium-ecclesiae_it.html)

[146]Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[147]Ver S. Agostino, "Discorso 162/C", www.augustinus.it, http://www.augustinus.it/italiano/discorsi/discorso_575_testo.htm

[148]Ver Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 nn 550 ff. 561 e seguintes; R. De Mattei "Honorius I: o controverso caso de um papa herege", Correspondência Romana 30/12/2015 https://www.corrispondenzaromana.it/onorio-i-il-caso-controverso-di-un-papa- herege /; Antonio Sennis "Honorius" na Enciclopédia dos Papas, (2000), www.treccani.it, http://www.treccani.it/encyclopedia/onorio-i_%28Encyclopedia-dei-Papi%29/

[149]HG Berg “Os herdeiros Justinianos - Monergetismo e monoteletismo” em H. Jedin (dirigido por) “História da Igreja”, Jaca Book 2006 vol. III pág. 46-50)

[150]Ver R. De Mattei "Honorio I: o caso controverso de um papa herege", Corrispondenza Romana 30-12-2015 https://www.corrispondenzaromana.it/onorio-i-il-caso-controverso-di-un-pope -herege /

[151]Ver Heinrich Denzinger "Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum" editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 138 e seguintes; Manlio Simonetti “Liberio” na Enciclopédia dos Papas, www.treccani.it, http://www.treccani.it/encyclopedia/liberio_%28Encyclopedia-dei-Papi%29/; Jedin (dirigido por) “História da Igreja”, Jaca Book 2007 vol. II pág. 44ss, 67s, 272s)

[152]Manlio Simonetti "Liberio" na Enciclopédia dos Papas, www.treccani.it, http://www.treccani.it/encyclopedia/liberio_%28Encyclopedia-dei-Papi%29/

[153]Ver R. De Mattei "A resistência filial de San Bruno di Segni ao Papa Pascoal II" Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal, 04 de março de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/la-filiale-resistenza-di-san - brown -de-sinais-ao-papa-pascal-ii /

[154]Ver R. De Mattei "A resistência filial de San Bruno di Segni ao Papa Pascoal II" Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal, 04 de março de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/la-filiale-resistenza-di-san - brown -de-sinais-ao-papa-pascal-ii /

[155]Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 990 s.

[156]Ver R. De Mattei "Um Papa que caiu na heresia de João XXII e a visão beatífica dos justos após a morte" quem-caiu-em-nelleresia-john-xxii-and-the-beatific-vision-of-the-justo-após-morte /)

[157]Christian Trottmann "Giovanni XXII", na Enciclopédia dos Papas (2000), www.treccani.it, http://www.treccani.it/encyclopedia/giovanni-xxii_(Encyclopedia-dei-Papi)/

[158]Jedin (dirigido por) “História da Igreja”, Jaca Book 2011 vol. 2 p. 28

[159]Veja R. De Mattei "Um Papa que caiu na heresia de João XXII e a visão beatífica dos justos após a morte" Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal, 28 de janeiro de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/un-papa -that -caiu-no-mundo-de-joão-xxii-e-a-beatífica-visão-dos-justos-após-morte /

[160]Veja R. De Mattei "Um Papa que caiu na heresia de João XXII e a visão beatífica dos justos após a morte" Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal, 28 de janeiro de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/un-papa -that -fell-in-nelleresia-john-xxii-and-the-beatific-vision-of-the-justo-após-morte /)

[161]Simon Tugwell “Waleys [Wallensis], Thomas” no Oxford Dictionary of National Biography

[162]Christian Trottmann "Giovanni XXII", na Enciclopédia dos Papas, Instituto da enciclopédia italiana, Roma, (2000), http://www.treccani.it/encyclopedia/giovanni-xxii_(Encyclopedia-dei-Papi)/

[163]KA Fink, E. Iserloh, J. Glazik “De João XXII a Clemente VI” em Jedin (dirigido por) “História da Igreja”, Jaca Book 2011 V. V, 2 p. 28

[164]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja”, 1998, n. 15, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html.

[165]Papa Adriano II, "Alocução dada no IV Concílio Constantinopolitano", em Mansi, XVI, 126 http://mansi.fscire.it/immagine/29623.

[166]S. Roberto Bellarmino “De Romano Pontifice” em “Disputationes Roberti Bellarmini politiani…”, Ex Officina Typographica Davidis Sartorii, Ingolstadii MDLXXXVI, l. II c. 30, pág. 835ss https://play.google.com/books/reader?id=xy5XAAAAcAAJ&hl=it&pg=GBS.PA903

[167]"Epístola VI" 3, PL 83, 903 https://books.google.it/books?id=_FpkNlIY3LoC&redir_esc=y

[168]Ae. Friedberg, “Corpus iuris canonici” editio lipsiensis secunda post Ae. L. Richteri curas ad librorum manu scriptorum et editionis romanae fidem recognovit et critical adnotatione instruxit ”, Graz, Akademische Druck- u. Verlagsanstalt, 1959, p. eu, pág. 495s, pág. II c. II q.7 dpc39 disponível online no site da Columbia University, consultado em 8.6.2021 http://www.columbia.edu/cu/lweb/digital/collections/cul/texts/ldpd_6029936_001/pages/ldpd_6029936_001_00000131.html?toggle = imagem & menu = maximizar & top = & esquerda =

[169]P.I, dist. 40, c. 6; cf. Ae. Friedberg, “Corpus iuris canonici” editio lipsiensis secunda post Ae. L. Richteri curas ad librorum manu scriptorum et editionis romanae fidem recognovit et critical adnotatione instruxit”, Graz, Akademische Druck- u. Verlagsanstalt, 1959, p. eu, pág. 145s, disponível online no site da Universidade de Columbia, consultado em 6.6.2021 http://www.columbia.edu/cu/lweb/digital/collections/cul/texts/ldpd_6029936_001/pages/ldpd_6029936_001_00000131.html?toggle=image&menu=maximize& = & esquerda =

[170]Ver Nauclerus, Johannes “Chronica Johannis Navcleri… succinctim compreendendo res memorabiles secvlorvm omnium ac gentium, ab initio mundi usque ad annum Christi M.CCCC” Coloniae Agripp., 1675 T. I, p. 667 https://digital.slub-dresden.de/werkansicht/dlf/64604/52/0/

[171]Deusdedit “Collectio Canonum” e Códice Vaticano editado por Pio Martinucci Venetiis, Ex Typographia Aemiliana, 1869 p. 160ss l. I, CCXXXI, disponível online em archive.org, https://archive.org/details/deusdeditcardin00canogoog (acessado em 7.6.2021)

[172]V. Wolf von Glanvell “Die Kanonessammlung des Kardinals Deusdedit”, Paderborn 1905, p. 177, l. I, texto CCCVI disponível online em archive.org, https://archive.org/details/diekanonessammlu01deus/page/n5/mode/2up (acessado em 7.6.2021)

[173]V. Wolf von Glanvell “Die Kanonessammlung des Kardinals Deusdedit”, Paderborn 1905, p. 177, l. Eu, CCVI

[174]Papa Adriano II, Alocução proferida no IV Concílio Constantinopolitano, Mansi, XVI, 126 http://mansi.fscire.it/ immagine/29623

[175]"Epistola VI" 3, PL 83, 903 disponível online neste site https://books.google.it/books?id=_FpkNlIY3LoC&redir_esc=y

[176]S. Isidoro “Sententiae” l. IIIc. XXXIX, PL LXXXIII, 709s

[177]Ver Wolf von Glanvell “Die Kanonessammlung des Kardinals Deusdedit”, Paderborn 1905, nota 31 p. 178

[178]V. Wolf von Glanvell “Die Kanonessammlung des Kardinals Deusdedit”, Paderborn 1905, p. 189ss l. Dentro. CCCXXVII

[179]Papae Innocentii III “Sermo II in cons. Pont." PL 217,656 https://books.google.it/books?id=egkRAAAAYAAJ&redir_esc=y

[180]"Sermo IV em consec. Pontífice." PL 217, 670 https://books.google.it/books?id=egkRAAAAYAAJ&redir_esc=y

[181]J. Grohe, "Deposições, abdicações e renúncias ao pontificado entre 1046 e 1449" em: Igreja e História. Jornal da Associação Italiana de Professores de História da Igreja 4 (2014), p. 58

[182]S. Roberto Bellarmino “De Romano Pontifice” em “Disputationes Roberti Bellarmini politiani…”, Ex Officina Typographica Davidis Sartorii, Ingolstadii MDLXXXVI, l. II c. 29, pág. 834 https://play.google.com/books/reader?id=xy5XAAAAcAAJ&hl=it&pg=GBS.PA903

[183]S. Afonso M. de Liguori “Verdade da Fé” p. IIIc. IX ‚§. 4n. 63, 67,68 em “Obras de S. Afonso Maria de Liguori”, Pier Giacinto Marietti, Turim 1880, Vol. VIII, pp. 753-755, www.intratext.com, http://www.intratext.com/IXT/ITASA0000/_P3BI.HTM#-M5R

[184]S. Afonso M. de Liguori “Verdade da Fé” p. IIIc. IX ‚§. 4n. 63, 67,68 em “Obras de S. Afonso Maria de Liguori”, Pier Giacinto Marietti, Turim 1880, Vol. VIII, pp. 754-755, www.intratext.com, http://www.intratext.com/IXT/ITASA0000/_P3BI.HTM#-M5R

[185]Wernz “Ius canonicum / auctore P. Francisco Xav. Wernz SJ ad codicis normam exactum opera Petri Vidal SJ”, Romae, apud aedes Universitatis Gregorianae, 1943, editio tertia, tomus II, p. 518

[186]Wernz “Ius canonicum / auctore P. Francisco Xav. Wernz SJ ad codicis normam exactum opera Petri Vidal SJ”, Romae, apud aedes Universitatis Gregorianae, 1943, editio tertia, tomus II, p. 517

[187]Wernz “Ius canonicum” / auctore Pe. Francisco Xav. Wernz SJ ad codicis normam exactum opera Petri Vidal SJ”, Romae, apud aedes Universitatis Gregorianae, 1943, editio tertia, tomus II, p. 518

[188]A. Xavier da Silveira “Hipótese Teológica de um Papa Herege” Solfanelli 2016, em particular pp. 79ss

[189]Ghirlanda SJ "Rescisão do ofício do Romano Pontífice", www.chiesa.espressonline.it, 2.3.2013 http://chiesa.espresso.repubblica.it/ Articolo/1350455.html

[190]Ver Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 nn 550 ff. 561 e seguintes; R. De Mattei "Honorius I: o controverso caso de um papa herege", Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal 30/12/2015 https://www.corrispondenzaromana.it/onorio-i-il-caso-controverso-di - um-papa-herege /; Antonio Sennis "Honorius" na Enciclopédia dos Papas (2000), www.treccani.it, http://www.treccani.it/encyclopedia/onorio-i_%28Encyclopedia-dei-Papi%29/

[191]Jedin (dirigido por) “História da Igreja”, Jaca Book 2006 v. III pág. 46-50)

Também pág. Fois sublinha em um artigo os "limites da imunidade papal" (M. Fois "Papa e cardeais no século 14" em "Archivum Historiae Pontificiae" 1976, 397 pp. XNUMXss

[192]F. Romano "O que responder aos sedevacantistas?", Www.toscanaoggi.it, 19.6.2016, http://www.toscanaoggi.it/Rubriche/Risponde-il-teologo/Cosa-rispondere-ai-sedevacantisti

[193]Charles Journet, Oeuvres complètes volume X: 1938-1943 (Théologie) (edição francesa) (p.346). Edições Lethielleux. 2010. Edição do Kindle.

[194] Carlos Jornet,. “Oeuvres complètes” volume X: 1938-1943 (Théologie) (edição francesa) (p.347). Edições Lethielleux. Edição de 2010 do Kindle.

[195]Charles Journet “A Igreja do Verbo Encarnado” Vol. 1, Sheed and Ward Londres e Nova York 1955 pp. 425ss

[196]Ver T. Sol “Nisi deprehendatur a fide Devius: a imunidade do Pape de Gratien à Huguccio” em Ius Ecclesiae vol. XXXI n. 1 2019 pág. 181 DOI: 10.19272/201908601010; cf. também J. Grohe, "Deposições, abdicações e renúncias ao pontificado entre 1046 e 1449" em: Igreja e História. Jornal da Associação Italiana de Professores de História da Igreja 4 (2014), pp. 55-72

[197]L. Fontbaustier “La deposition du Pape heretique” Mare & Martin, 2016; Boris Bernabé, Cyrille Dounot & Nicolas Warembourg, “La déposition du pape hérétique. Lieux théologiques, modèles canoniques, enjeux Constitutionnels” (Paris: Mare & Martin, 2019).

[198]Ver Card. J. Herranz "Princípio Salus animarum da ordem canônica" www.vatican.va, 6.4.2000 https://www.vatican.va/roman_curia/pontifical_councils/intrptxt/documents/rc_pc_intrptxt_doc_20000406_salus-animarum_it.html

[199]IIª-IIae q. 104 a. 5 co. tradução da edição de 2001 de Somma Theologica em CD Rom, editado por Edizioni Studio Domenicano

[200]Ver R. De Mattei "Os atos de governo do Papa podem ser discutidos?", Corrispondenza Romana - Weekly Information Agency, 18 de setembro de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/si-possono-discutere-gli-atti-of-government -do-papa/

[201]Ver R. De Mattei "A resistência filial de San Bruno di Segni ao Papa Pascoal II" Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal, 04 de março de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/la-filiale-resistenza-di-san - brown -de-sinais-ao-papa-pascal-ii /

[202]Veja R. De Mattei "Um Papa que caiu na heresia de João XXII e a visão beatífica dos justos após a morte" Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal, 28 de janeiro de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/un-papa -that -caiu-no-mundo-de-joão-xxii-e-a-beatífica-visão-dos-justos-após-morte /

[203]"Sermão" XNUMXº Domingo depois da Páscoa, www.santantonio.org, https://www.santantonio.org/it/sermoni/sermoni-domenicali/domenica-vi-dopo-pasqua

[204]S. Aquila "Caros cardeais alemães, Thomas More e John Fisher morreram em vão?", Www.tempi.it, 23.10.2015 https://www.tempi.it/cari-cardinali-tedeschi-tommaso-moro-e - john-fisher-morreu-em vão /? fbclid = IwAR0W6I05pbtLHHGi5q4Dh6wtTmIKSVlZ0EuvsaXVflCTF6OLD1pkLK6Y6RY

[205]Ver Glauco Maria Cantarella "Pasquale II" Dicionário Biográfico de Italianos - Volume 81 (2014), www.treccani.it, https://www.treccani.it/encyclopedia/papa-pasquale-ii_%28Dtionary-Biografico%29/

[206]Veja Christian Trottmann "Giovanni XXII" Dicionário Biográfico de Italianos - Volume 55 (2001), www.treccani.it, https://www.treccani.it/encyclopedia/papa-giovanni-xxii_%28Dtionary-Biografico%29/

[207]Mons. VM Fernández: "El capítulo VIII de Amoris Laetitia: lo que queda después de la tormenta." em Medellín, v. XLIII / Nº 168 / Maio - agosto (2017) / pp. 463s www.archidiocesisgranada.es, http://www.archidiocesisgranada.es/images/pdf/Amoris-Laetitia.-Articulo-Buenos-Aires.pdf (acessado em 29.5.2021/XNUMX/XNUMX)

[208]Declaração dos Bispos Alemães 1875, Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 3114; texto elogiado e aprovado pelo Papa Pio IX com o “Mirabilis illa constantia” de 1875, ver em Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 3117

[209]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 7, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[210]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998 n. 10, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[211]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Dei Verbum" 18.11.1965, 10: AAS 58 (1966) 822, www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19651118_dei-verbum_it.html

[212]Bento XVI, "Homilia" de 7 de maio de 2005, www.vatican.va, https://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/it/homilies/2005/documents/hf_ben-xvi_hom_20050507_san-giovanni-laterano.html

[213]Ver Bento XVI, "Homilia" de 7 de maio de 2005, www.vatican.va, https://w2.vatican.va/content/benedict-xvi/it/homilies/2005/documents/hf_ben-xvi_hom_20050507_san-giovanni-laterano . html

[214]Do "Primo Commonitorio" de Vincent de Lérins, Cap. 23; PL 50, 667-668; Ofício das Leituras de Sexta-feira da XXVII Semana do Tempo Comum na Conferência Episcopal Italiana "Liturgia das Horas segundo o Rito Romano" ed. LEV 1993 (reimpressão) vol. IV pág. 323s https://www.maranatha.it/Ore/ord/LetVen/27VENpage.htm

[215]Pio IX, Constituição Dogmática "Dei Filius" 24.4.1870, www.vatican.va, https://w2.vatican.va/content/pius-ix/it/documents/constitutio-dogmatica-dei-filius-24-aprilis -1870.html

[216]Motu proprio Sacrorum antistitum, juramento antimodernista, Heinrich Denzinger

"Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum" editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003, n. 3541

[217]Comissão Teológica Internacional "A interpretação dos dogmas". 1990, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/rc_cti_1989_interpretation-dogmi_it.html

[218]Sagrada Congregação para a Doutrina da Fé “Littera circa partecipationem” disponível em J. Ochoa “Leges Ecclesiae post Codicem iuris canonici editae”, Ediurcla, vol, VI, 1987 n. 4657, pág. 7605

[219]Ver Congregação para a Doutrina da Fé, “Carta sobre a indissolubilidade do casamento” 11.4.1973, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19730411_indissolubilitate-matrimonii_it.html

[220]João Paulo II "Familiaris Consortio" 22.11.1992, www.vatican.va, http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/it/apost_exhortations/documents/hf_jp-ii_exh_19811122_familiaris-consortio.html

[221]Comissão Teológica Internacional "Liberdade religiosa para o bem de todos". 26.4.2019 de abril de 14, n. 2019ss, www.vatican.va, Liberdade religiosa para o bem de todos. Abordagem teológica aos desafios contemporâneos (XNUMX) (vatican.va)

[222]Pontifício Conselho para os Textos Legislativos, Declaração sobre a admissibilidade à Sagrada Comunhão dos divorciados recasados, de 24 de junho de 2000, n. 1 e 4, www.vatican.va, https://www.vatican.va/roman_curia/pontifical_councils/intrptxt/documents/rc_pc_intrptxt_doc_20000706_declaration_it.html

[223]Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964, 25: AAS 57 (1965) 30 www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[224]Cf. Concílio Vaticano II, Constituição Dogmática. "Lumen gentium", 21.11.1964, 25: AAS 57 (1965) 30 www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[225]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”n. 9, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[226]Pio IX, Constituição Dogmática “Pastor Aeternus” c. IV, 18.7.1870, www.vatican.va, http://www.vatican.va/content/pius-ix/it/documents/constitutio-dogmatica-pastor-aeternus-18-iulii-1870.html

[227]Concílio Vaticano II: Constituição dogmática. sobre a Igreja "Lumen gentium", 21.11.1964, n. 25 www.vatican.va, http://www.vatican.va/archive/hist_councils/ii_vatican_council/documents/vat-ii_const_19641121_lumen-gentium_it.html

[228]Cf. cânones 750 e seguintes do Código de Direito Canônico; cf. Carta Apostólica João Paulo II em forma de Motu proprio "Ad tuendam fidem", de 30 de junho a 1 de julho de 1998, www.vatican.va, https://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/ rc_con_cfaith_doc_1998_professio-fidei_it.html; cf. Congregação para a Doutrina da Fé "A profissão de fé e o juramento de fidelidade ao assumir um ofício a ser exercido em nome da Igreja", publicado em 9 de janeiro de 1989, www.vatican.va, https://www.vatican .va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_1998_professio-fidei_it.html; cf. Congregação para a Doutrina da Fé “Nota doutrinal ilustrativa da fórmula conclusiva da Professio fidei” 29.6.1998 nos. 5-10, www.vatican.va, https://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_1998_professio-fidei_it.html; cf. Congregação para a Doutrina da Fé, Instrução “Veritatis donum”, 24.5.1990, nn. 15-18, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19900524_theologian-vocation_it.html

[229]S. Paciolla, “Card. Müller: nenhum Papa pode propor seus pontos de vista subjetivos à fé de toda a Igreja "www.sabinopaciolla.com 30.10.2020 https://www.sabinopaciolla.com/card-muller-nessun-papa-puo-propose-alla - Fé-de-toda-igreja-seus-pontos-de-vista-subjetivos /

[230]Ver Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 nn 550 ff. 561 e seguintes; R. De Mattei "Honorius I: o controverso caso de um papa herege", Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal 30/12/2015 https://www.corrispondenzaromana.it/onorio-i-il-caso-controverso-di - um-papa-herege /; Antonio Sennis "Honorius" na Enciclopédia dos Papas (2000), www.treccani.it http://www.treccani.it/encyclopedia/onorio-i_%28Encyclopedia-dei-Papi%29/

[231]Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 138 e seguintes; Manlio Simonetti “Liberio” na Enciclopédia dos Papas (2000), www.treccani.it http://www.treccani.it/encyclopedia/liberio_%28Encyclopedia-dei-Papi%29/; Jedin (dirigido por) “História da Igreja”, Jaca Book 2007 v. II pág. 44ss 67s 272s

[232]Heinrich Denzinger “Enchiridion symbolorum, definitionum et statementum de rebus fidei et morum” editado por P. Hünermann, Edizioni Dehoniane Bologna, 2003 n. 990 segundos; R. De Mattei "Um Papa que caiu na heresia de João XXII e a visão beatífica dos justos após a morte" Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal, 28 de janeiro de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/un-papa-che - cai-em-nelleresia-john-xxii-e-a-beatífica-visão-do-justo-após-morte /; Christian Trottmann "Giovanni XXII", na Enciclopédia dos Papas (2000), www.treccani.it, http://www.treccani.it/encyclopedia/giovanni-xxii_(Encyclopedia-dei-Papi)/

[233]Ver R. De Mattei "A resistência filial de San Bruno di Segni ao Papa Pascoal II" Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal, 04 de março de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/la-filiale-resistenza-di-san - brown -de-sinais-ao-papa-pascal-ii /

[234]Congregação para a Doutrina da Fé “O Pimato do Sucessor de Pedro no mistério da Igreja” n. 15, 31.10.1998, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[235]Sup. III Sententiarum, d. 25, q. 2, a. 1, sol. 4, a 3; texto citado em (International Theological Commission, "The sensus fidei in the life of the Church", 10.6.2014 nota 78, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/cti_documents/ rc_cti_20140610_sensus -fidei_it.html # _ftnref68

[236]Papa Adriano II, Alocução proferida no IV Concílio Constantinopolitano, Mansi, XVI, 126 http://mansi.fscire.it/immagine/29623).

[237]Gratiani, “Concordia discordantium canonum”, PL 187 https://books.google.it/books?id=JsMGxm8mJeEC&redir_esc=y; https://geschichte.digitale-sammlungen.de//decretum-gratiani/online/angebot; http://gratian.org/

[238]Friedberg Ae. , “Corpus iuris canonici” editio lipsiensis secunda post Ae. L. Richteri curas ad librorum manu scriptorum et editionis romanae fidem recognovit et critical adnotatione instruxit ”, Graz, Akademische Druck- u. Verlagsanstalt, 1959, p. 145s, disponível online no site da Universidade de Columbia, consultado em 6.6.2021 http://www.columbia.edu/cu/lweb/digital/collections/cul/texts/ldpd_6029936_001/pages/ldpd_6029936_001_00000131.html?toggle=image&menu=maximize& = & esquerda =

[239]Deusdedit “Collectio Canonum” e Códice Vaticano editado por Pio Martinucci Venetiis, Ex Typographia Aemiliana, 1869 p. 160ss l. I, CCXXXI, disponível online em archive.org, https://archive.org/details/deusdeditcardin00canogoog (acessado em 7.6.2021)

[240]V. Wolf von Glanvell “Die Kanonessammlung des Kardinals Deusdedit”, Paderborn 1905, p. 177, l. I, texto CCCVI disponível online em archive.org, https://archive.org/details/diekanonessammlu01deus/page/n5/mode/2up (acessado em 7.6.2021)

[241]V. Wolf von Glanvell Die Kanonessammlung des Kardinals Deusdedit, Paderborn 1905, p. 177, l. Eu, CCVI

[242]Papa Adriano II, Alocução proferida no IV Concílio Constantinopolitano, Mansi, XVI, 126 http://mansi.fscire.it/ immagine/29623

[243]"Epístola VI" 3, PL 83, 903 https://books.google.it/books?id=_FpkNlIY3LoC&redir_esc=y

[244]Papae Innocentii III “Sermo II in cons. Pont." PL v. 217, 656 https://books.google.it/books?id=egkRAAAAYAAJ&redir_esc=y

[245]Sermo IV consec. Pontífice PL v. 217, 670 https://books.google.it/books?id=egkRAAAAYAAJ&redir_esc=y

[246]S. Afonso. M. de »Liguori“ Verdade da Fé ”p. IIIc. IX ‚§. 4n. 63, 67,68 em “Obras de S. Afonso Maria de Liguori”, Pier Giacinto Marietti, Turim 1880, Vol. VIII, pp. 753-755, www.intratext.com, http://www.intratext.com/IXT/ITASA0000/_P3BI.HTM#-M5R

[247]FJ Wernz P. Vidal “Ius canonicum”, Romae, apud aedes Universitatis Gregorianae, 1943, editio tertia, tomus II, p. 518

[248]Ver Ghirlanda SJ "Rescisão do ofício do Romano Pontífice", www.chiesa.espressonline.it, 2.3.2013 http://chiesa.espresso.repubblica.it/ Articolo/1350455.html

[249]F. Romano "O que responder aos sedevacantistas?", Www.toscanaoggi.it, 19.6.2016, http://www.toscanaoggi.it/Rubriche/Risponde-il-teologo/Cosa-rispondere-ai-sedevacantisti

[250]Ver S. Afonsi Mariae de Ligorio: “Theologia moralis” t. I, Romae, Typis Polyglottis Vaticanis MCCCCIX, Editio photomechanica. Sumptibus CssR, Romae, 1953, p. 331ss l. II, c. II, dubium IV nn. 34.35.40

[251]São João Paulo II, Exortação Apostólica Pós-Sinodal “Pastores Gregis”, 16.10.2003, n. 21, www.vatican.va, http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/it/apost_exhortations/documents/hf_jp-ii_exh_20031016_pastores-gregis.html

[252]Cf Constituição Dogmática. sobre a Igreja "Lumen gentium", 21.11.1964, 25; Const. Dogma. sobre a revelação divina Dei Verbum, 10; Código de Direito Canônico, cân. 747 § 1; Código dos Cânones das Igrejas Orientais, cân. 595 § 1

[253]São João Paulo II, Exortação Apostólica Pós-Sinodal “Pastores Gregis” 16.10.2003 n. 28, www.vatican.va, http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/it/apost_exhortations/documents/hf_jp-ii_exh_20031016_pastores-gregis.html

[254]São João Paulo II, Exortação Apostólica Pós-Sinodal “Pastores Gregis” 16.10.2003 n. 28, www.vatican.va, http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/it/apost_exhortations/documents/hf_jp-ii_exh_20031016_pastores-gregis.html

[255]São João Paulo II, Exortação Apostólica Pós-Sinodal “Pastores Gregis” 16.10.2003 n. 29, www.vatican.va, http://w2.vatican.va/content/john-paul-ii/it/apost_exhortations/documents/hf_jp-ii_exh_20031016_pastores-gregis.html

[256]Diretório para a vida e o ministério dos Bispos "Apostolorum Successores", 22.2.2004, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cbishops/documents/rc_con_cbishops_doc_20040222_apostolorum-successores_it.html

[257]"Os críticos de Amoris laetitia ignoram as regras de Ratzinger para um discurso teológico fiel" La Stampa 5.7.2019 https://www.lastampa.it/vatican-insider/en/2017/10/13/news/critics-of-amoris-laetitia- ignore-ratzinger-s-regras-para-fiel-teológico-discurso-1.34396804

[258]Congregação para a Doutrina da Fé, Instrução "Donum Veritatis", 24.5.1990 www.vatican.va, http: //www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19900524_theólogon-vocation_it.html

[259]C. Caffarra "Dubia, os 4 cardeais:" Santidade, receba-nos "Mas só silêncio do Papa" Nuova Bussola Quotidiana 20.6.2017 http://www.lanuovabq.it/it/dubia-i-4-cardinali- santita - receba-nos-mas-do-papa-somente-silêncio

[260]Ver Ureta, José Antonio. A "mudança de paradigma" do Papa Francisco: Continuidade ou ruptura na missão da Igreja ?: Orçamento quinquenal de seu pontificado (Italian Edition) Kindle edition 2018; Alessandro Gisotti: “Cartão. Parolin: Francis' 2018 em nome dos jovens e da família ", Vatican News, 11-1-2018 https://www.vaticannews.va/it/vaticano/news/2018-01/card—parolin–il-2018 -of-francesco-allinsegna-di-youth-and-fami.html

[261]“Das neue Volk Gottes: Entwürfe zur Ekklesiologie”, (Düsseldorf: Patmos, 1972) p. 144; "Fé, razão, verdade e amor", (Lindau 2009), p. 400.

[262]R. Fastiggi "Papa Francisco e autoridade papal sob ataque" La Stampa 18.2.2019 https://www.lastampa.it/vatican-insider/en/2019/02/18/news/pope-francis-and-papal-authority -sob ataque-1.33681809

[263]Ver R. De Mattei "Honorius I: o controverso caso de um papa herege", Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal 30/12/2015 https://www.corrispondenzaromana.it/onorio-i-il-caso-controverso -of -um-papa-herege /

[264]Ver R. De Mattei "A resistência filial de San Bruno di Segni ao Papa Pascoal II" Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal, 04 de março de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/la-filiale-resistenza-di-san - brown -de-sinais-ao-papa-pascal-ii /

[265]Cf. FJ Wernz P. Vidal, “Ius canonicum”, t. II, “De Personis”, Romae, 1933, 517 f.; Ghirlanda SJ "Rescisão do ofício do Romano Pontífice", www.chiesa.espressonline.it, 2.3.2013 http://chiesa.espresso.repubblica.it/ Articolo/1350455.html

[266]Congregação para a Doutrina da Fé “O primado do sucessor de S. Pedro no mistério da Igreja ”31.10.1998, n. 15, www.vatican.va, http://www.vatican.va/roman_curia/congregations/cfaith/documents/rc_con_cfaith_doc_19981031_primato-successore-pietro_it.html

[267]Veja R. De Mattei "Um Papa que caiu na heresia de João XXII e a visão beatífica dos justos após a morte" Corrispondenza Romana - Agência de notícias semanal, 28 de janeiro de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/un-papa -that -caiu-no-mundo-de-joão-xxii-e-a-beatífica-visão-do-justo-após-morte /; R. De Mattei "A resistência filial de San Bruno di Segni ao Papa Pascoal II" Correspondência Romana - Agência de notícias semanal, 04 de março de 2015 https://www.corrispondenzaromana.it/la-filiale-resistenza-di-san-bruno - de-sinais-ao-papa-pascal-ii /

[268]S. Roberto Bellarmino “De Romano Pontifice” em “Disputationes Roberti Bellarmini politiani…”, Ex Officina Typographica Davidis Sartorii, Ingolstadii MDLXXXVI, l. II c. 29, pág. 834 https://play.google.com/books/reader?id=xy5XAAAAcAAJ&hl=it&pg=GBS.PA903

[269]Radio Radicale, "Entrevista com Emma Bonino depois que o Papa Bergoglio a incluiu entre as maiores figuras políticas da Europa e Itália", 8.2.2016 www.radioradicale.it http://www.radioradicale.it/scheda / 466164 / entrevista-com -emma-bonino-depois-papa-bergoglio-inserido-entre-os-maiores; Rame "O Papa elogia Napolitano e Bonino:" Eles são os grandes da Itália hoje ", il Giornale 08/02/2016 http://www.ilgiornale.it/news/politica/papa-loda-napolitano-e-bonino - os-grandes-da-Itália-hoje-1221517.html

[270]Rame "Se um ativista gay lê na missa com o Papa Francisco" il Giornale Wed, 30/09/2015 http://www.ilgiornale.it/news/mondo/se-attivista-gay-legge-messa-papa-francesco- 1177329.html

Voltar aos capítulos